Primeira chupada na pequena Helo

Click to this video!
Autor

Este conto é continuação do conto “Gozei com a menina no meu colo” leiam ele antes para poder entender tudo. Ocorre que depois da Helo (6 anos) ter se levantado do meu colo a Gaby notou que o meu short estava melado e mandou eu ir trocar de roupa que ela queria ter uma conversa seria comigo na sorveteria da pracinha. Fui tomar banho morrendo de medo, pensando que quando eu saísse um grupo de policiais estaria me esperando pra me dar um flagrante, mas fiz o que ela me pediu, pus uma roupa bacana pra ir a sorveteria, quando abro a porta as três irmãs estão me esperando todas arrumadinhas e com cara contente, a mãe delas que me recomendou um monte de coisas. Ufa que alívio (pensei), vou entupir essas meninas de sorvete e agradá-las bastante pra elas não me dedurarem.

E foi o que eu fiz, fomos de moto, a Helo como era a menorzinha de 6 anos sentou-se no meu colo, ela tinha pouco mais de um metro de altura e pesava apenas uns 20 kg era morena toda redondinha, nossa que situação difícil, eu ia levar uma bronca da irmã mais velha dela por ter gozado na bunda dela e já estava com ela de novo no meu colo, tentei pensar em outras coisas mas não deu jeito, fiquei de pau duro com aquela bundinha gostosa no meu colo novamente. Logo atrás de mim estava a Paulinha de 9 anos que também é morena e um pouco mais alta devia ter uns 120 cm e pesar uns 25 kg e por último a mais velha a Gaby de 11 anos que era branquinha e muito baixinha pra idade dela, ela tinha o mesmo tamanho da Paulinha só que era mais cheiinha, pesava uns 35 kg, já tinha peitinho devido ela ser gordinha, mas que delicia de menininha, todas eram baixas pra idade delas devido a mãe ser bem baixa não sei ao certo mas não chegava a um metro e meio e bem bunduda a Gaby puchou pra ela, eram todas bem diferentes porque era cada uma de um pai diferente.

A Gaby estava seria, caladona, e eu estava decidido a não dar chance dela me dar uma bronca, agradei as 3 o máximo que podia e o que o meu dinheiro permitia, depois do sorvete levei elas pra brincar de pula-pula na pracinha mas foi ai que teve uma hora que ficou só eu e a Gaby sentados no banco da praça e ela não perdeu a oportunidade. Me disse que gostava muito de mim mas que eu tinha posto tudo a perder abuzando da irmanzinha dela e isso ela tinha perdoado só porque a própria Helo tinha pedido pra ela não falar nada pra mãe e ela própria tinha visto que a irmã estava gostando e que não foi forçada, mas que ela não queria mais a Helo no meu colo, (SE NÃO…). Claro que eu prometi que nunca mais ia fazer isso com a Helo que oque aconteceu foi só um momento de fraqueza minha por não ter resistido ao rebolado dela e etc.

Continuamos a nos sentar na porta da casa dela pra conversar todas as noites mas, a Gaby mudou um pouco a maneira de me tratar, sempre que queria falar comigo mandava a Paulinha me chamar e nunca a Helo, aos poucos a Paulinha que era mais arredia comigo foi se aproximando cada vez mais, ao ponto de enquanto eu ficava na porta com a Gaby ela e a Helo entrava no meu quarto e ficava assistindo TV, pois a mãe delas assistia a novela da globo e elas assistiam a novela do SBT que na época passava o carrossel. Quando dava a hora delas entrarem a Gaby mandava eu as chamar, neste momento eu aproveitava pra tirar uma casquinha delas, dava um abraço a carregando no colo segurando pela bundinha, é claro né, e uns beijinhos no pescoço. Somente a Gaby que eu beijava na boca, mas só ficava nisso, ela era a minha namoradinha oficial, escondido da mãe, é claro.

Como eu sou mototaxi, o meu horario de almoço é flexivel, chego em casa umas 12:30 e fico descansando ate umas 15 horas. Devido o calor e a boa segurança que tem a vila após o almoço eu me deito na rede pra descansar de porta aberta. Uns dois dias depois do ocorrido vejo a Helo entrando na minha casa só de calcinha, com esta visão maravilhosa já fiquei de pau duro e preocupado. Fui logo dizendo, menina tu tá doida se a Gaby te vê aqui eu to ferrado, ela disse a Gaby e a Paulinha estão pra aula e a mamãe tá dormindo.

Ela continuou se aproximando da rede devagarinho com os braços cruzados toda encabuladinha, eu nem contei ate 3, carreguei ela e a coloquei na rede comigo, quando ela sentiu o meu pau duro na bundinha dela ela olhou pra trás e disse, a maninha disse que tu é tarado que se eu sentar no teu colo tu vai esfregar o teu pau duro na minha bunda ate melar a minha calcinha de esperma. Eu disse a ela, já que ninguém tá vendo então bora abaixar a alcinha pra não melar, e fui logo puxando ate o joelho a calcinha dela e o meu short, que delicia o meu pau esfregando naquela bundinha moreninha pele com pele, eu poderia ter gozado rapidinho só fazendo isso, mas eu queria aproveitar mais, coloquei ela de frente pra min em cima do meu cacete e fiquei esfregando no xirizinho dela, ela ficou toda ofegante e preocupada falou, se tu comer o meu xiri eu conto pra mamãe.

Eu então carreguei ela pra cama e cai de boca no xiri gordinho dela, nossa, que menininha bucetuda, que visão maravilhosa, aquela menininha moreninha e gordinha de frango assado, dava pra eu escolher se chupava o xiri ou o cu, nossa que cuzinho apertadinho e difícil de alcançar com a língua, devido ela ser bunduda e a bunda dela ser do tipo bem fechadinha, que delicia, chupei ate ela gozar, eu acho que ela gozou, porque ela ficou bem ofegante puxou o meu cabelo e suou bastante, então eu virei ela de bruços e esfreguei o pau na entradinha do cuzinho dela ate gozar, caramba que gozada, melei toda a bunda dela e ate o cabelo, o meu pau não amoleceu mas já era hora de parar, limpei ela fiz um lanche pra nos e depois a mandei pra casa dela. A ma\ãe estada acordada assistindo e não se importou dela estar la em casa comigo.

Essa menina viciou numa chupada, quase toda a tarde ela ia la pra casa, uma vez enquanto eu estava atolado no meio das pernas dela eu ouço a sua mãe lhe chamar e ela ainda de pernas abertas e calcinha no joelho respondeu to aqui com o tio mãe. Eu mas que depressa subi a calcinha dela e a mãe dela foi entrando em casa e dizendo: bora já pra casa menina fujona, deixe o seu tio ir trabalhar, eu disse tudo bem eu só saio pro trabalho as tres, a Helo falou com carinha dengosa: a mãe deixa eu ficar mais um pouco com o tio deixa, o filme ainda não acabou e ele ainda não me deu o lanche. A mãe dela foi saindo e dizendo, o senhor mima demais essa menina, assim que ela acabar de lanchar mande ela pra casa, ela vem escondida pra sua casa, quando eu vejo eu bato nela pra ela não vir, mas ela é teimosa demais.

A Helo correu e pulou de bruços na cama e foi logo abaixando a calcinha e me dizendo, vem logo terminar pra eu ir pra casa.