A cunhada

Click to this video!
Autor

O ano era 2000. O mês não me lembro bem. Mas fazia um calor insuportável em São Paulo. Me chamo Lúcio, e nessa época eu tinha 15 anos. Namorava com uma garota chamada carol, quase chegando aos seus 15 anos também. Carol era uma bela menina. Pele morena, cabelos longos e cacheados, um rosto muito delicado e bem definido, com uma boca muito bem desenhada pelos seus lábios carnudos. Apesar disso, seu corpo não chamava muito atenção, tinha peitos pequenos, talvez o normal para uma garota de 15 anos.
Carol era a mais velha dentre três irmãs. Além dela, tinha a Clara, mais nova de 10 anos e Claudia de 12.
Apesar da pouca idade, Claudia chamava muito a atenção da rapaziada, pois ao contrário de sua irmã mais velha, tinha um corpo avantajado, bunda grande, pernas grossas e bem torneadas, magra e com um peito consideravelmente maior. Sua pele também era morena, porém seus cabelos eram mais curtos do que de sua irmã. Além disso, sempre se falou muito pela vizinhança de como Claudia era extrovertida e atirada. Talvez por isso, existiam muitos boatos de que ela fazia sacanagens com os garotos do bairro, inclusive com os mais velhos. Porém nunca me interessei em saber sobre isso… A mim não me interessava.
Certo dia eu e Carol combinamos de ir assistir um filme. Desliguei o telefone, tomei um banho, lanchei e parti para sua casa que era perto da minha. Toquei a Campainha, e quem atende a porta é Claudia, sempre sorridente.

– Oi Lúcio tudo bem ?

Claudia estava com um shortinho enfiado na bunda, e uma camisetinha de manga que ia ate acima do umbigo. Estava gostosa demais.

-E ai Claudinha, combinei com sua irmã de vir pra cá, ela ta ai ?

-Você deu azar, minha irmã teve que ir as pressas com a minha mãe até o colégio, problemas com nota eu acho. Mas se você quiser entrar e esperar por ela, não tem problema.

Aceitei o convite, até porque eu não tinha o que fazer em casa mesmo. Entrei e fomos direto ao confortável sofá de sua sala. Claudia ligou a tv e sentou ao meu lado, bem próximo a mim. Tão próximo que muitas as vezes nossas pernas se encontravam, e por alguns segundos eu conseguia sentir a sua pele tão macia. Não entendia o porquê, mas aquela situação estava aguçando um leve estado de excitação em mim.
Ficamos ali conversando sobre tudo, assuntos que iam desde escola até fofocas quentes da garotada do bairro. A conversa ia fluindo bem. Parecíamos dois amigos de longa data conversando.
De repente Claudia começa a passar a sua mão pela minha perna, como se fosse minha namorada. O antes leve estado de excitação que estava em mim, aumentara a ponto de sentir o meu pau endurecer na mesma hora. Como por um reflexo, resolvi retribuir o carinho e passei a mão sobre a sua coxa também. Mais uma vez era incrível sentir aquela pele macia em minhas mãos. Claudia continuou fazendo carinho em mim, e com um movimento sorrateiro, passou a mão em cima do meu pau, que já estava fazendo volume na calça.

-Cê ta louca Claudia ? Foi minha única reação . Estava em choque.

Claudia com um leve sorriso safado de canto de boca respondeu:

-Nossa, ta duro, desculpa tava curiosa pra saber como era …

Meu pau estava latejando de tanto tesão. Ainda tentava manter uma certa racionalidade, porém cada vez mais estava fracassando nesse quesito.

-O que você achou ? Perguntei

-Não sei, assim é difícil de ver. Respondeu Claudia novamente com um sorriso safado.

Estava tentando me controlar, não queria triar minha namorada, mas o Tesão estava tomando conta da razão.

-Claudinha, você quer ver ?

Claudia arregalou os olhos e apenas acenou com a cabeça confirmando.

-Eu mostro, mas temos que sair daqui, ta muito perigoso, se sua mãe e sua irmã chegam de surpresa a gente ta fodido.

Na mesma hora Claudia saltou do sofá, agarrou a minha mão e foi me guiando até o quintal de sua casa.

-Pronto, aqui atrás da churrasqueira é bem escondido.

Olhei para os lados ainda desconfiado, e abaixei meu short até os joelhos, mostrando todo o meu pau para minha cunhadinha. Era uma rola típica de adolescente, já com pelos, e de um tamanho considerável de 14 cm pra época.
Claudia ficou olhando pra ele, e não escondia a felicidade no rosto.

– E ai, vai ficar so olhando? Perguntei

Claudia timidamente começa a passa a mão pela minha rola e fala :

– De todos que eu já brinquei a sua rola é uma das maiores.

Quando ela falou isso, eu fui a loucura.

-Como assim de todos que eu já brinquei ? então os boatos são mais do que verdades, Minha cunhada é uma putinha em formação. Pensei.

Meu pau já estava ficando melado somente com os carinho daquela mão tão delicada e suave. Eu já estava alucinado com toda a situação, e ao mesmo tempo tentando entender o que eu estava fazendo ali.

-Claudinha, você já chupou um pau ?

-algumas vezes, mas normalmente só brinco de pegar mesmo.

-E se eu te pedisse pra me chupar agora?

-Você quer ?

-Lógico, agora você já me deixou maluco, não da parar aqui.

Na mesma hora Claudia se ajoelhou, chegou perto do meu pau e abriu a sua linda boquinha. Começou engolindo a cabeça e levemente ia fazendo um movimento delicioso. Ao mesmo tempo ela passava suas mãos por toda a extensão da minha rola, e me punhetava gostoso. Arrisco a dizer que até hoje, esse foi um dos melhores boquetes da minha vida. Aquela garotinha de 12 anos daria uma aula de boquete pra qualquer marmanja de 20, 30 anos.
Enquanto chupava, Claudia suspirava e gemia. Eu já tinha saído do meu corpo. Qualquer sinal de racionalidade ali já não existia mais, eu só estava curtindo o momento e com cada vez mais tesão.
Olhava pra baixo e via claudia me olhando com uma cara de safada, olhar de puta mesmo, ela estava curtindo tanto quanto eu.
Ela gemia gostoso, eu gemia junto, ficamos ali por alguns minutos, até que a hora chegou.

Puxei o cabelo dela e falei:

-eu vou gozar na sua boquinha tá ?

Claudia nada falou, apenas aumentou o ritmo do boquete.

-Isso, vai, chupa esse pau gostoso vai, que eu vou gozar na boca da minha putinha, não para por favor.

Finalmente Gozei. Uma explosão de porra foi para dentro de sua boca. Claudia ainda tentou segurar, mas não conseguiu, deixando escapar e escorrer por sua boca uma grande quantidade de sêmen quentinho. Olhei pra ela, e vi minha porra branquinha escorrendo por sua pele morena. Que tesão. Eu queria mais. Mas também sabia que era arriscar muito, pois as pessoas podiam chegar a qualquer momento.
Puxei o meu short de volta, e dei um beijo na testa de Claudia.

-Você me tirou do sério sabia ?Jamais imaginava que você era capaz de fazer essas coisas.

Claudia apenas riu e logo depois retrucou :

-melhor do que minha irmã ?

Eu fiquei vermelho com a pergunta, não sabia o que responder, apenas dei risada.
Claudia foi ao banheiro, se lavou e se secou.

Depois de todo o ocorrido, bateu o remorso, a culpa, a tal da consciência pesada. Fiquei um pouco calado, e Claudia como uma verdadeira mulher madura me abraçou e me tranquilizou.

-Relaxa, primeira e única vez, não vou fazer essas sacanagens com a minha irmã, ela não merece.

Depois de um tempo consegui relaxar, Encontrei com minha namorada Carol, e ficamos o resto da tarde juntos. Os dias foram passando e fui me aliviando por essa historia não ter tido um final ruim . Pelo menos era o que eu achava …