Um encontro “bi”

Click to this video!
Autor

Sou assumidamente bissexual. Tenho família completa, mas não deixo de, debaixo de grande segredo, dar minhas voltinhas para uma vida dupla que sustento. Como em casa tenho minha mulher que me satisfaz plenamente, saiu e procuro o outro lado. Adoro dar e comer rapazes também bissexuais como eu. Eu tinha treze anos quando tive a minha primeira experiência com outro menino. Foi num acampamento internacional de férias para meninos. No primeiro dia chegamos todos na parte da manhã. Logo nos interagimos dando início ás amizades. Conheci Lorenzo, um garoto Espanhol, de 14 anos, e a atração entre nós foi praticamente instantânea. No primeiro dia não teríamos atividades culturais. O dia era livre para podermos nos acomodar. As barracas eram todas para dois ocupantes. Lógico que Lorenzo e eu corremos a escolher e ocuparmos uma barraca para nós. Foi um dia intenso de muito barulho jovem, muita correria, muitos risos. Lorenzo e eu éramos como se já nos conhecêssemos há anos. Á noite diversos grupos que haviam se formado estavam reunidos em volta de fogueiras. Lá pelas 22h, o toque de irmos nos recolher foi dado. Lorenzo e eu fomos para nossa barraca. Conciliar o sono estava difícil. Todos nós muito excitados com a bagunça do dia… Lorenzo e eu ainda conversamos um pouco antes de apagarmos nossas lanternas. Mas no escuro continuávamos acordados deitados de costas um para o outro. Em dado momento senti Lorenzo se virando e se se encostando a mim. Senti o calor de seu corpo. O algum motivo achei bom. Como achei bom, apesar de não entender o porquê, também quando sutilmente senti sua mão a alisar minha bunda por cima do short. Senti tão gostoso que logo meu pinto estava grande e duro. Lorenzo vendo que eu não estava contra, foi aumentando a pressão de suas carícias em minha bunda. Fez menção de puxar meu short para baixo. Fiz melhor: tirei o short. Imediatamente as mãos de Lorenzo “atacaram” minha bunda em toda sua plenitude e também meu pinto. Levei minha mão para trás e toquei o pinto de Lorenzo. Como o meu estava grande e duro. Lorenzo retirou também seu short. Senti então seu pinto tocar minha bunda. Era uma sensação estranha e gostosa. Eu não me reconhecia. Lorenzo ao mesmo tempo em que fazia seu pinto quente, macio roçar em minha bunda, meu rego, me fazia uma bela punheta. Fui ficando cada vez mais excitado com um t’são que eu não conhecia. Assim ficamos nesta brincadeira por muito tempo. Muito tempo até que Lorenzo remexeu em sua mochila. Eu não entendia, pois não via o que ele estava a fazer. Somente depois, quando ele começou a passar algo cremoso em minha bunda, mas especificamente em meu cu, é que supus ser um lubrificante. Senti um arrepio por todo o corpo supondo o que ele iria fazer. Que sensação estranha e ao mesmo tempo gostosa quando senti Lorenzo posicionando a cabeça de seu pinto no meu cu. Arrepios meu corriam da cabeça aos pés. Pinto posicionado, Lorenzo me abraçou colocando pressão para que seu pinto penetrasse meu cu. Relaxei aceitando a jogada. A cabeça entrou provocando um pouco de dor, pois meu cu resistia, se fechando, a tamanha intromissão. Lorenzo parou de colocar pressão e ficamos assim por minutos até meu cu aceitar aquela cabeça a alargá-lo querendo entrar. Senti me relaxar… Lorenzo acho que sentiu também voltou a colocar pressão. Agora não doía mais e o pinto de Lorenzo, gostosamente, foi entrando. Eu estava em êxtase. E por isso não sei quanto o pinto de Lorenzo havia entrado quando ele começou efetivamente a me comer. Vaivéns lentos e delicados me passavam um prazer dos bons. As beiradas em volta de meu ânus queimavam gostosamente enquanto eu senti o interior sendo massageado por aquela cabeça gostosa do pinto de Lorenzo. Vibrei ao sentir a temperatura gostosa, o quentinho gostoso do “leitinho” de Lorenzo inundando o interior de meu rabo. Ele estava gozando. Gozando gostosamente ao comer minha bunda. Delirei. Depois de um tempo, com sua respiração voltando ao normal, Lorenzo foi retirando aos pouco seu pinto de dentro de meu cu. Ainda doeu um pouquinho, mas era insignificante. Não era uma dor que retiraria o t’são que eu estava. Assim que a cabeça saiu Lorenzo levou a mão ao meu pinto e delicadamente passou um pouco de creme lubrificando todo ele. Virou-se de costas e deitou-se de bruços. Não era preciso dizer nada. Passei a mão em sua bunda. Seu ânus já estava lubrificado. Posicionei-me por cima dele. Busquei meu pinto de indiquei-lhe a direção. Ao senti a entrada do cu de Lorenzo coloquei pressão. Lorenzo já era prático e bem acostumado. A cabeça de meu pinto, e tudo mais, entraram fácil e gostosamente. O meu t’são atingira o ápice. Vaivéns com estocadas fortes logo me levaram ao gozo. Gozo que debaixo de suspiros de Lorenzo, encheram seu cu com meu “leitinho”. Como gozei! Gozei até a exaustão. Delicadamente e devagar retirei meu pinto do interior da bunda gostosa de Lorenzo que gemia de prazer. Agora sim, sentíamos vontade de dormir. Pela manhã, ao toque de acordar, acariciamos o pinto mole um do outro, como agradecimento pela noitada, e fomos ao baDurante a semana só metemos mais uma vez, pois nossos cus estavam meio doloridos da primeira transa. Mas nos punhetamos, nos chupamos. Aliás, aprendi a chupar e tomar “leitinho” neste encontro com Lorenzo. Nunca mais o vi, mas as recordações ficaram.