Quando Meu Filho Me Comeu

Click to this video!
Autor

Sou eu Carlos, para nova aventura, agora com meu filho. Eu estava dormindo, com meu filho ao lado. Acordei quando ele encostou-se às minhas costas e, com um braço passando por cima do meu corpo, abraçou-me, unindo nossos corpos. Com meu braço, segurei o dele, apertando-o mais a mim. Senti que seu pau estava duro e pressionado contra minha bunda. Quando forcei um pouco minha bunda contra ao caralho duro do meu filho, ele forçou-a mais ainda contra mim. E ficamos nesse movimento, que me excitou. Mas deixei que meu filho fizesse o que quisesse.
De repente, soltou se braço do meu e sua mão desceu até minha rola duríssima. Ele a segurou e começou a punhetar-me levemente, pressionando seu pau contra minha bunda no mesmo ritmo da punheta que me batia. Adorei a sensação. Após um bom tempo assim, largou meu pau e pude sentir que tirou sua cueca; em seguida, abaixou a minha, deixando minha bunda livre. Voltando a segurar em minha pica, senti a sua invadindo o espaço entre minha nádegas. Nunca na vida havia pensado em dar o cu para meu filho, já havia transado com outros machos e sempre gostava de mais velhos, mas como ele ia ser uma experiência diferente e prazeiroza, o caralho de meu filho procurando meu cu me encheu de tesão e vontade. Perguntei-lhe baixinho (embora estivéssemos apenas nós dois em casa) se ele desejava me penetrar e ele, cochichando disse-me que sim. Pedi-lhe que passasse um pouco de creme hidratante, que havia sobre mesinha ao lado da cama, em meu cu e em seu caralho. Foi deliciosa a sensação do dedo do meu filho entrando dentro do meu cu. Eu, que já fodera muitas vezes o cu da minha esposa, e também sido comido por outros machos, sabia que havia a necessidade de muita lubrificação para a penetração acontecer com facilidade e sem dor. Orientei meu filho e ele lambuzou muito minha bunda e meu cu, assim como seu caralho, já naturalmente melada pela baba que escorria, segundo ele, abundantemente.
Deitei-me de bruços, com um travesseiro ajudando a erguer minha bunda (uma das minhas posuições predileta), e abri bem as pernas. Deitando-se por cima de mim, senti oa caralho do meu filho esfregar-se em minha bunda, tentando achar meu cu, mas deslizando ora para cima ora para baixo do meu cu. Coloquei minha mão para trás, segurei o caralho duro do meu filho e encaixei-o bem na entradinha do meu cu. Assim, seu caralho encontrando meu cuzinho, sua cabeça foi aos poucos abrindo caminho e penetrando no meu cuzinho. Procurei relaxar ao máximo,como sempre orientara minha esposa, mas mesmo assim ainda senti um pouco de dor. Pedi a meu filho que parasse de forçar, pois eu mesmo iria conduzir a penetração. Respirando fundo e procurando relaxar ao máximo, ergui minha vagarosamente, deixando que o caralho do meu filho fosse-me penetrando. Ele apenas repetia, arfante: “Ai, pai…. ai pai!!!!”. Quando senti que finalmente a cabeça do seu caralho havia entrado, abri bem meu cu e ordenei a ele: “Mete tudo, filho”.
No quarto só se ouvia nossos gemidos e meu filho repetindo “Ai, pai… ai pai!!!”. Eu podia sentir o caralho do meu filho entrando e saindo de mim, ritmadamente, pensando comigo que nunca imaginara que meu filho quizesse me comer e de forma tãoa deoliciosa. E a sensação de ser meu filho a me foder aumentava ainda mais o meu tesão. Voltando a pegar em meu pau, meu filho me comia a cada instante com mais intensidade e eu comecei a me masturbar forçando meu caralho meladíssimo contra a mão do meu filho, em direção ao colchão.
Após foder-me por longo tempo e me masturbar ao mesmo tempo, meu garoto disse: “Ai, pai, acho que vou gozar….”, ao que lhe disse que gozasse, pois eu queria gozar também. “Onde eu gozo, pai…???!!!”, perguntou-me arfante. “Goza dentro do papai, filho….” Mas terminei de disse isso, senti meu filho metendo com força em mim e, gemendo muito, seu pau pulsar, enchendo meu cu de porra. Na mesma hora, gozei na mão do meu filho e no colchão, um gozo intenso e farto, como há muito não gozava, chegando mesmo a voar um pouco para o chão.
Com a mão cheia da minha porra, meu filho, ainda com seu pau dentro de mim, perguntou-me o que devia fazer com meu leite. “Faça o que quiser… limpe a mão ou melhor me dê na boca sua mão com meu leite, abri a boca e recebi na minha boca o meu gozo. Limpei sua mão do meu gozo, me deliciando com o gosto e o prazer de ter na boca meu proprio leite. .
Quando meu filho tirou seu caralho de dentro do meu cu, levantei-me e fui ao banheiro. Sentei-me à privada e senti a porra do meu filho sair. Quando me levantei e olhei tive a idéia da quantidade de esperma que o garoto havia despejado dentro de mim. pedi a ele para se aproximar e passei a chupar seu caralho, com prazer e o resto do seu gozo no meu cuzinho. Ele pediu para eu para um pouco senão ia gozar, falei então vai se lavar e vamos retornar para a cama, quando chupei e recebi seu leitinho na boca. Deixei seu caralho limpinho. Deitamos abraçados, ele com a cabeça em meu ombro, e dormimos tranqüilamente, como se o que acabáramos de fazer fosse a coisa mais natural do mundo. E talvez seja mesmo, dentro da nossa relação de confiança e amizade.