O começo da minha vida de menina modelo (part II)

Click to this video!

Contei o começo da minha vida de modelo, com a minha mãe. Algumas vezes eu fiquei assistindo aquele homem comer minha mãe e sempre tinha novos ensaios fotográficos e trabalhos. Mas felizmente não ficou só nisso. Umas duas semanas depois, aconteceu algo diferente.
Eles já estavam nus e minha mãe perguntou: "Filhinha, você quer tirar a roupinha e ficar pelada igual a gente?" Eu aceitei, tirei minha roupa e fiquei nuazinha. Ela olhou para ele e disse: "lembra do combinado, certo? Só olhar…" Ele acenou com a cabeça e eu me aninhei numa poltrona que estava de frente para o sofá onde eles estavam. Ele não tirava o olho de mim, ficava olhando entre minhas pernas. "Abre as perninhas pro tio ver você, amor." E eu obedeci. Coloquei uma perna sobre cada braço do sofá e minha pepequinha ficou aberta. Isso me deixava excitada, com fisgadinhas lá embaixo.
"Linda, princesa. Que bucetinha deliciosa você tem, abre ela com a mão, abre…"
Puxei as bordas da minha bucetinha lisa. Abri o máximo que pude e vi que ele ficou muito mais animado. Nesse dia, ele fudeu minha mãe com muita força, sempre olhando pra minha buceta aberta.
Quando estava perto de gozar, ele perguntou pra ela: "Tá chegando… Posso fazer aquilo que combinamos?" E ela disse que sim. Ele então veio pra minha frente, mirou o pau na minha buceta e ficou apertando ele pra frente e pra trás com muita força, até que os esguichos brancos saíram, me molhando toda. Ele fez aquilo e despejou muito líquido em cima de mim, especialmente na minha perereca, e escorreu pro meu furinho. Achei gostoso aquele leite quentinho melecando tudo, pois eu sentia minha pepeca sensível.
Depois disso, fomos ao banheiro, ela me lavou toda e me fez prometer que nunca contaria pra ninguém.
Depois disso, fomos para casa. Minha vida de modelo estava de vento em popa, sempre com muitas fotos e fazendo inúmeras propagandas nas revistas e na TV. Lembro que no meu aniversário de 8 aninhos eu estava trabalhando e fomos comemorar somente no dia seguinte.
Pouco tempo depois disso, minha mãe conseguiu um ensaio com um fotógrafo muito famoso. Ela estava negociando com ele, com a ajuda do amigo dela, já há uns dias, e finalmente ele abriu espaço na agenda dele pra mim.
Fomos ao estúdio dele, chique, enorme, super bonito. Era o começo da noite e não tinha quase ninguém. Poucos funcionários já se preparavam pra ir embora.
íamos fazer várias fotos, de tipos diferentes. De vestidos de época, de fantasia e de praia. Lembro que estava esperando pra começar e perguntei pra mamãe: "Você foi gentil com ele também, mamãe?"
E ele disse: "não, amor. Mas você vai ser, OK? Faça tudo que ele pedir, vou ficar por perto."
Eu tentei ser o mais simpática possível. Ele era um homem magro, baixo, franzino. Parecia até um adolescente, se não fosse pelo cabelo cheio de fios brancos e pelo cavanhaque.
Ele era um pouco fechado, mas educado. Quando fomos começar as primeiras fotos, ele pegou no meu cabelo e disse: "você é uma menina boazinha?" E eu acedi com a cabeça. "É? Gosta do tio?" Fiz que sim de novo. "Ótimo. Vamos ficar juntos um pouquinho."
Assim, começamos as fotos. Minha mãe ficou sentada à distância, sem dizer nenhuma palavra.
Tudo estava bem normal, e ele me observava bastante. Começamos com fantasias. Me fantasiei de branca de neve. Notei que ele gostava muito de caras e bocas. "Sua boca é linda." E focava bastante. Me pediu pra chupar um pirulito, mas deixar ele escapando da boca. Hoje, percebo que as fotos eram um pouco sensuais. Pediu pra eu colocar a língua pra fora, passar o pirulito na bochecha. Eu obedecia. Quanto mais ele gostava, mais eu pensava: "estou fazendo a coisa certa".
Em um momento, tive a impressão que ele estava com aquele volume na calça.
Quando vinha me colocar nas posições que ele queria, às vezes eu notava ele alisar minha cintura, meu pescoço, por baixo dos cabelos… E gostava de me colocar inclinada sobre uma mesinha, quase de quatro. Troquei de fantasia uma vez. Me vesti de piratinha. Ele pediu pra trocar de roupa no estudio mesmo. Fiquei somente de calcinha na frente dele, e ele me observava sem parar.
Foi tudo parecido com a sessão anterior. Em seguida, fomos para as fotos de época e tudo correu do mesmo jeito. Havia um clima meio sedutor no ar. Meio misterioso. Em seguida, íamos começar as fotos com roupas de praia.
Não perguntei onde deveria ir e comecei a me trocar ali mesmo. Claro, tive que ficar nuazinha na frente dele. Ele se aproximou e ficou observando. Notei que passava a mão no volume das calças. Quando fui vestir o maiô, ele pediu pra eu ficar de costas pra ele. Fiquei em pé, virada pra ele, e me abaixei pra pegar passar as perninhas. Ou seja, fiquei de bundinha pra ele. Como eu sabia que homens gostam de ver bucetinhas, meio que me abri um pouco. Eu queria agradar. Senti a mão dele na minha bundinha. Fiquei parada e ele abriu minhas nádegas com as mãos. Senti o dedo dele deslizar pelo meu cuzinho e descer até minha bucetinha. Deixei.. "Continue se vestindo". Ele disse e então eu obedeci. Quando me virei, vi o quanto o pau dele tinha crescido nas calças. Agora ele meio que me tocava. Quando ia me arrumar a posição, deslizava os dedos na minha boca, nos meus peitinhos, na minha buceta. Senti ficar levemente molhadinha. As poses eram muito sensuais. Fiquei de quatro na mesinha, sentei de pernas abertas sobre a mesa. O biquíni frouxo deixava escapar um pouco da minha perereca pela lateral.
Demoramos muito nessas fotos. Do meio pro final, ele simplesmente colocou o pau pra fora das calças. Ficou tirando fotos com o zíper aberto e aquela pica vermelha, que era bem menor que a do amigo da mamãe, ficava duríssima, apontando pra mim. Durante as fotos, eu ficava olhando direto pra ela.
Então, ele começou a pedir pra eu puxar o fundinho do maiô pro lado. Tirava fotos comigo mostrando a bucetinha.
Aproveitando minha experiência, puxei o maiô com uma mão e abri as bordas com a outra, deixando ela bem arreganhada.
"Delícia. Você é muito deliciosa. Que buceta linda…" Ele se aproximou e passou o dedo na minha buceta. Forçava um pouco na entrada e eu fiz uma caretinha. Então, ele só enfiava a pontinha do dedo, deixando ela mais meladinha. O moço fez uma coisa que me surpreendeu. Ele botou a boca na minha bucetinha. Nunca tinha passado por aquilo, me assustei. Olhei para mamãe e ela fez que sim com a cabeça. Ele chupou com muita força minha buceta. No começo estava gostoso, mas depois ficou doendo, porque ele mordia e chupava muito forte, mas eu aguentei caladinha. Quando ele saiu, ela estava bem vermelhinha, toda inchada e com marcas de dentes. E ele ficou tirando várias fotos. A rola dele estava bem vermelha, soltando líquido, pendurada pra fora da calça.
Depois, me pediu pra ficar de quatro e puxar pro lado o maiô. Mostrei assim o cuzinho e a bucetinha pra ele. Ele novamente chupou muito, mordeu e lambeu com força. Forçou a língua no meu cuzinho e na minha bucetinha e me arreganhou com as mãos. Ele lambia com força minha bucetinha, começando da testa e deslizando té meu cu, onde forçava a entrada. Ele enfiou novamente as pontas dos dedos nos meus buraquinhos, me fazendo gemer de dor. Fez isso um bom tempo, me deixando ardida.
Depois tirou mais fotos.
Então, ele pediu pra eu vestir um biquíni. Não era o que eu havia levado, esse era maior que eu, e ficava muito frouxo. As fotos eram estranhas pra mim. Ele pedia pra segurar as alças da calcinha bem alto, pra não cair. E isso fazia uma das bordas entrar sempre na minha bucetinha. Depois pediu pra eu deitar no sofá e me abrir. Fiquei igual a um franguinho assado. Fiz isso e puxei o biquíni pra cima de novo. Então ele tirou muitas fotos. Depois largou a câmera do lado, me sentou e disse: "Abre a boquinha pro tio". Quando abri, ele enfiou um dedo, e mandou eu chupar. Obedeci, fiquei chupando o dedo dele, e ele enfiava fundo na minha boca. Com a outra mão, ele pegava no pau dele, puxando pra frente e pra trás. Depois ficou em pé, e o pau dele ficou próximo do meu rosto. "Abre a boquinha pro tio enfiar a piroca, abre…" Abri, e ele meteu aquela rola vermelha na minha boca. O gosto era normal, quente, macio e salgado. Tentei mamar igual vi minha mãe fazer com o outro moço. Ele gostou muito… Ficava dizendo: "issoooo, issooo… chupa minha piroca, chupaaaaaaa, delíciaaaa do tio… putinha deliciosaaaaaaaaaaaaa…."
Achei aquilo grande na minha boca. Hoje, sei que era um pau até pequeno, mas era bem mais grosso que o dedo dele. Mas mamei como podia. Ele segurou minha cabeça e enfiou tudo na minha boca, até quase me sufocar. Fiquei com o nariz encostado no corpo dele. Ele tirou e esfregou a rola no meu rostinho, na minha boca, nariz e bochechas, simplesmente segurando minha cabeça e me esfregando contra o corpo dele. Senti até o saco dele mole e enrugado passar pela minha boca. Estava estranhando muito isso!
Depois, ele me virou de quatro e me chupou novamente. Cuspiu, enfiou um dedo inteiro pela primeira vez no meu rabinho. Não doía. Sentia ele tirar e colocar e empurrar lá dentro.
Ele fazia isso chupando minha bucetinha e mordendo muito.
Depois, ele ficou de pé, encaixou a piroca no meu cuzinho e começou a enfiar. Nossa, isso doeu. Ele me abria com as mãos e senti a cabeça se enfiar no meu cu. Comecei a chorar, mas ele não parou. Olhei pra minha mãe como quem pedia ajuda e ela ficou só olhando…
Depois disse: "Aguenta firme, amorzinho, já vai passar"
E ele gemia e dizia: "ai, que cu delicioso, que rabo quente e apertado dessa puta…"
Ele me enrabou de quatro naquele sofá, o quanto quis, enfiando fundo a pica no meu cuzinho. Ardeu muito, depois acho que ficou dormente, e não sentia mais dor.
"Vou gozar fundo no teu cu hoje, bebê"
Então senti quando ele derramou leite dentro da minha bundinha. E foi parando de enfiar, deixando aquilo dentro de mim… Foi parando de arder e ele estava em cima de mim…
Quando terminamos, ele sentou no sofá e começou a se limpar, e a mamãe me pegou, toda ardida, vermelha e mordida, suadinha e com cara de choro e me levou pro banheiro pra me lavar. Enquanto tomava banho, ela disse:
"Aos poucos você vai gostar, filha, vai adorar."
E ela realmente tinha razão. Minha infância de modelo foi de puta também, geralmente com ela me vendo. Aquele homem também comeu minha bucetinha (posso contar depois, se quiserem) e outros profissionais do ramo, políticos e apresentadores de TV.
Mas eu ganhei muito dinheiro e isso garantiu meu futuro por muito tempo.