Nunca deveria ter acontecido

Click to this video!
Autor

É sou alemão mas fui criado no brasil, por uma família brasileira que me encontraram abandonado aki no brasil aos 5 anos de idade sabe-se la pq. mas vamos aos fatos, levávamos uma vida humilde num bairro pobre de São Paulo, a casa era em um barranco caragem mal acabada em baixo e a casa em cima também mal acabada, ao lado morava dona Fabiana casada mãe de três filhos já grandes e casados, mas 1 desses filhos sumiu no mapa e deixou a filha pra dona Fabiana criar, a menina era linda, 10 anos, cabelos lisos cumpridos, nem magra nem gorda, olhos castanhos, muito linda a menina, eu na época estava com 17 anos, eu era muito caseiro devido o fato de minha mãe ser depressiva eu ficava muito em casa ajudando em tudo, eu fazia faculdade de manha e ajudava ela a fazer bolos, doces, salgados, pães, biscoitos pra vender e visto que ela recebia muitas encomendas eu tinha que encabeçar pra dar conta do recado, ai aconteceu que Stella a menina neta de Fabiana a vizinha sempre ia la em casa pra comprar doce, ou outra coisa, eu a atendia, ela saia rindo e dizendo tchau leitoso, devido o fato de que sou branquelo cabelo amarelo quase branco, olhos muito claros, mas ela sempre antes de sair me pedia desculpa e dizia que era só brincadeira, quando não era leitoso era minhocão devido o fato de ser magro de alto, ou magrão, mas sempre com o sorriso no rosto e depois me pedia desculpas, o tempo foi passando ela fez 11 anos, eu até então nunca nem tinha beijado, era sem jeito com garotas, e sofri muito bullyng na escola devido meu porte físico e minha cor, mas voltando ao assunto Stella era a única que fazia as brincadeiras e me pedia desculpas, eu comecei a usar óculos, e a armação era preta, em dias de sol as pessoas diziam que só viam os óculos, e Stella chegava la e falava oi óculos eu quero tal doce ou bolo, eu pegava ela as vezes pagava outras pendurava na conta da avó dela, me pedia desculpa e saia, as vezes olhava pra traz e sorria, eu notava que ela era diferente das meninas, as outras só tirava o sarro falavam palavrões mas Stella era brincalhona mas não falava palavrão, fiquei sabendo que na escola ela era conhecida como a certinha, que se comportava bem a mais estudiosa enfim só qualidades boas, aquele ano terminou na festa da virada juntaram todos os vizinhos e fizeram uma festança, fecharam a rua e tudo corria bem minha mãe estava bem melhor, e tudo estava bem, mas eu nunca gostei de ficar em aglomerações então ficava mais em casa e nesse dia eu estava em casa todos na rua alias naquela noite era umas 19:00hs, minha mãe na rua com as amigas, vários carros com musica alta, e eu em casa, variso casais de namorados, ai aconteceu que Stella foi la em casa, eu a atendi e ela falou, Vc não vem pra fora? vai ficar ai? eu falei, sim prefiro, mas ela falou, É também não gosto muito de bagunça mas são todos gente boa e não acontece nada de briga nem confusão, ela entrou pela entrada do fundo, e eu so percebi mais tarde, ela já estava com 12 aninhos grande pra idade dela mas a vóz de criança, eu perguntei vc vai querer doce ou o que? ela falou. Não quero nada hj, só quero conversar pedir desculpas e dizer que não vou mais brincar com sua aparência, eu falei. Não tem problema. mas ela disse, Não acho que acabo te ofendendo, mas eu falei, Não jamais, ai ela se aproximou de mim e e ficou bem perto, ai eu fui surpreendido com um beijo na boca, ela falou, Olha eu queria fazer isso, vejo os meninas e meninas na escola fazendo isso direto, até minha prima mais nova do que já namora, mas eu queria com alguém assim como vc, eu falei, sim mas vc é novinha, imagina, a confusão que seria, ela falou, É pode dar problema se alguém ficar sabendo, então não vamos falar nada, ai ela me beijou de novo, eu comecei a me sentir um aproveitador, mas ela falou, eu também quero vai, não se preocupe, ai nos beijamos mais ainda, eu sem saber beijar, ela também, mas fomos pegando o jeito, ela ficou la ate perto da virada, ai me desejou feliz ano novo e disse que tinha que ir, ai saiu pelos fundos, naquele dia só nos beijamos e ela sentou no meu colo, eu alto, ela também pra idade dela, mas parecia um bebe perto de mim, eu fui pro meu quarto e fiquei pensando a noite todo no que tinha acontecido, no dia seguinte eu acordei cedo fiz café, la pelas 9:00hs eu vou até a rua e vejo Stella em cima da laje da casa dela, ela falou, Oi tudo bem? espera eu vou me trocar e vou até ai, eu entrei em casa e fiquei no fundo do quintal por onde ela viria, ela chega e devido os plantações e as bananeiras ficamos que escondidos da visão dos vizinhos, ai ela vem me abraça, ela com a cara no meu umbigo, ai eu sento no muro ela fica de pé e nos beijamos de novo, muito bom ela dizia que gostava muito de mim, a muito tempo, só não tinha coragem de dizer, e eu estava gostando demais dela, ai ela senta no meu colo ela de sainha, eu de bermuda, ai fico passando a mãe nas ancas dela, nas pernas por fora da saia, ela passando a mão no meu rosto, ai ela passa a mãe nos lábios dela e passa nos meus também, ela diz que gosta demais de mim eu eu também afirmo que gosto muito dela, ai beijo vai beijo vem, ela fala, espera fica assim e senta de frente pra mim com as pernas abertas e eu no meio, ai ela me beija, eu com a mão nas ancas dela, e percebo que a saia ela espalhada, ai pego nas coxas vou subindo com a mão e chego na calcinha, ela me beijando muito eufórica e eu com muito fogo sem saber como lidar com a situação, ai ela fala, ainda com os lábios colados aos meus pode pegar na minha perna, e onde vc quiser, eu pego na bunda ai ela fala. Espera vou fazer xixi, ai acaixa tira a calcinha e faz o xixi, e depois me da a calcinha, eu pego ela fala, ve se vc gosta do cheiro eu cheiro bem no fundo, e sinto um aroma agradável, eu fico cheirando e ela fala. Acho que homem gosta, eu falei. Sim é muito bom. ai ela fala. E de mim assim, e levanta a saia, eu vejo a xoxotinha dela lisinha, ela fala, Gosta assim? eu falo, Claro que gosto, ai ela fala, Se tivesse um jeito ou lugar poderíamos deitar, mas aki não da, ai tive a ideia de irmos em cima da minha casa debaixo do telhado, é tipo um soton minha mãe não sobe la, só eu tenho acesso é pintado com piso e tem colchão, as vezes eu durmo la, ai a levei la, fechei a porta arrumei o colchão e ela falou aki sim da pra deitar, ai deitamos, e ela falou, quero fazer um coisa que vi minha tia fazendo com um cara mas vc tem que fazer do jeito que eu falo, minha tia fazia assim com esse cara, ai ela me mandou deitar eu deitei e ela sentou com a bucetinha na minha boca, confessso que achei estranho nunca tinha feito e nem tinha ideia, mas a sensação era boa demais, ai ela fala passa a língua, eu passava ela mexia, e falava, Acho que é mais pra cima, eu atendia, ela falava, Não ai não, tenta mais no meio, ai também não, agora na linguinha, eu passei ali ela gemeu e falou. Aiii! passa mais, eu passava ela, Aii que bom passa mais de leve e devagar, eu passava e ela. Ahahiiiii que bom humm e respirava forte, eu comecei a sentir um gostinho meio amargo, as vezes meio acido, mas tava gostoso, ela derrepente, Me segura, eu a segurei, ela respirando muito, e dizendo. Que gostoso, foi muito bom, quero agua, eu desci peguei agua e subi de novo, ela fez xixi no banheiro que tem la, e falou já mais descaçada, agora vou ver se consigo fazer com vc, eu perguntei, Como? ela falou. Ué te chupar também, eu vi minha tia fazendo no cara, mas ela não conseguiu vomitou só de por a boca, antes lave bem seu pinto, eu fui ao banheiro lavei bem, e voltei, ela pega no meu pinto branco, até grande, mais acho que fino demais, ai ela cheira, e fala, Até que não cheira mal, afinal eu tinha lavado, ai ela possa a língua, eu sinto um arrepio, passa de novo, eu sinto uma coisa boa, ai ela começa a encostar os lábios na cabeça do meu pinto, eu sentia algo bom demais, sem saber explicar, mas era bom demais, ai ela começa a passar a língua e vai pondo mais dentro da boca, eu já quase caindo, ela coloca a cabeça toda dentro da boca e passa a língua, ai eu só sinto saindo algo, e uma sensação extraordianaria, ai não aguentei e gozei pela primeira vez, saiu muito gozo na boca dela, ela engoliu tudo, e eu fiquei sem saber o que tinha acontecido, ai sentei no chão, ela falou, É eu gozei e vc também, ai nos beijamos ela me pede pra chupa-la de novo, uma delicia, ai depois de gozar de novo vai embora, no dia seguinte minha mãe saiu com a avó de Stella, e disse que ia demorar, eu fiquei em casa e Stella na casa dela, mas só foi elas saírem e Stella vem pra minha casa, pelos fundos, ai no meu quarto mesmo ela me chupa muito, que gozada gostosa, ai depois ela me pede pra chupa-la, eu tinha sonhado a noite todo com ela, ela sentava na minha cara, rebolava, que delicia, me chupava gostoso, ai ela falou vamos tentar colocar seu pinto em mim, eu falei, ta bom, mas me fala como por pra não doer em vc, ela falou, sim, sem problema, vem deita, ela vem em cima de mim e a posição fica ruim, ai ela deita e me pede pra ir em cima, fica ruim pois eu sou o triplo dela, ficamos tentando varias posições, mas não dava certo, ai ela falou, Já sei, eu deito de lado, e vc vem por traz, eu vou direcionando seu pinto, ela deita de lado, eu também, ai ela pega meu pinto por baixo do fundo dela, e vai direcionando na entrada da bucetinha dela, ela fala, deixa que eu vou colocando, ai ela foi empurrando meu pinto, e foi entrando bem devagar, ela dava um mexidinhas, respirava fundo e voltava a empurrar um pouco mais, eu estava sentindo que meu pinto já estava com a cabeça dentro dela, ai ela ficava fazendo lever movimentos, e era muito bom, ela mexia gemia e eu também derrepente ela, Aiii hummm e e eu sinto também uma coisa muito boa forte, e gozo saindo, ela para, e vira pra mim e fala, que delicia, te amo, eu falo também te amo, ai ela vai ao benhairo eu velo sangue no colchão, ai vou ver nela, e tinha sangue na bucetinha dela, fiquei preocupado, mas ela me acalmou dizendo calma eu acho que perdi a virgindade, minha tia quando perdeu saiu sangue dela também, e ela disse que doeu um pouco, mas depois passava, ai ela foi pra casa, no dia seguinte ela vem pelos funtos, e fomos pro soton, la ela deita de costa pra mim e me pede pra colocar o pinto, eu vou com o pinto ela direciona e introduz na bucetinha, que delicia, ela mexe eu fico só esperando derrepente gozamos juntos, que delicia, ela fica toda suada, depois que nos recompomos eu me pede pra lavar o pau eu lavo e ela chupa muito, engole o máximo que pode, eu gozo muito ela toma tudo, ai eu deito de barriga pra cima e ela senta na minha cara com a bucetinha, eu chupo muito, lambo empurro a língua o máximo e ela rebola, geme e goza muito, uma esguichada de melado, que delicia, ela afirma o amor a mim, e eu também, ai descubro que um amigo meu da faculdade foi preso por pedofilia, fico com muito medo, mas continuo com Stella, eu já com 19 anos e ela com 12 aninhos, depois de um ano, nós todos os dias fazendo sexo escondidos, certo dia descubrimos que ela estava gravida, eu fiquei desesperado, sem saber o que fazer, pensava em tantas coisas ruins mas jamais em deixa-la, até que a avó dela descobre a gravidez que já estava chegando ao segundo mês, ela fala que eu era o pai, ai a casa cai pra mim, minha mãe brigou comigo, a avó dela ameaçou chamar a policia, mas Stella ameaçou se matar se ela fizesse isso, e obrigou a avó a não falar pra ninguém senão se matava, e assim ninguém ficou sabendo, estávamos planejando no caso eu e minha mãe irmos com Stella pro nordeste, e já estava tudo certo, arrumamos tudo vendemos a casa e fomos sei que as pessoas acabaram achando estranho termos ido tao rápido e com Stella, mas detalhes ninguém, sabia, no nordeste, estávamos em Recife, e tudo estava bem, compramos uma casa maior e melhor com ponto de comercio, começamos a vender bem doces, bolos, salgados, sorvetes, e chegou o dia em que Stella iria dar a luz, a levei pra uma maternidade particular, onde ela já fazia o pre natal, mas a noticia foi ruim a criança nasceu com os pulmões fechados, e só respirou poucos minutos e entrou em óbito, Stella chorou muito, e não se recuperou, até hj ela tem problemas sérios de depressão e abalo mental devido a perda do filho, a avó não a aceitou de volta, e hj ela vive conosco já a 7 anos sem ter noção das coisas, sem sanidade mental, temos que fazer tudo por ela, dar banho, comida, limpa-la, desculpem pela tristeza, realidade é um desabafo, nunca deveria ter acontecido e ela teria um vida normal hj,