Sem querer interlúdio

Click to this video!

Interlúdio

Hoje estou lembrando-se de algo que no dia não chamou minha atenção na época. Minha filha ás vezes pede para sua amiguinha Andréia, de 9 anos, dormir aqui em casa. Andréia é um pouco mais encorpada do que Carol. Ela tem peitinhos em formação, perninhas grossas, bundinha bem arrebitada, olhos escuros e cabelos alourados longos. Elas ficam o dia inteiro dentro do quarto brincando e correndo pela casa. Quando elas estão no quarto em determinados momentos sempre havia um silêncio, e quando entravamos no quarto, as chamávamos para comer ou outra coisa, elas voltando a conversar como estivesse fazendo algo escondido.

Agora que estou comendo minha filha há três meses, comecei a pensar o que elas deviriam estar fazendo. Quando eu era criança brincava com minhas primas e sempre rolava um beijo na boca, coisa de criança curiosidade por vê os adultos fazendo. Recordo-me que houve uma vez que quando cheguei à casa da minha prima, a peguei beijando na boca de sua amiguinha. Elas quando me viram riram e passei a beijar as duas durante a brincadeira. Eu deveria ter uns 8 ou 9 anos nesse época.

Confesso que depois do que estou fazendo com minha filha, tenho pensado em outras meninas nessa idade. E a primeira que veio em minha cabeça foi justamente Andréia. Em umas das minhas relações sexuais com minha filha na madruga, perguntei o que ela e sua amiguinha, quando vinha em nossa casa, ficavam fazendo. Carol sorriu e sem graça respondeu que elas ás vezes beijavam na boca para saber como é. Fiz uma cara de espanto, como não acreditando no que minhas estava me falando. Fui mais fundo querendo saber o que mais elas faziam. Carol disse que era somente beijo. Quis saber se ela fazia isso como mais alguém. E ela em sua inocência que não! Era só com a Andréia, por que Andréia é que pedia para elas se beijarem. Fiquei mais calmo! E com a confissão que minha filha havia contado, meu pau ficou duro e dei mais uma comida na bucetinha de Carol.

Na semana seguinte quando cheguei do trabalho para minha surpresa Andréia estava na sala vendo TV, com minha filha e mulher. Era uma sexta e minha mulher falou que Andréia iria passar o final de semana conosco. Como era algo normal de acontecer, apenas dei uma boa noite Andréia, que foi logo respondido por ela:
– Boa noite, tio! – seguido de abraço.
Minha mulher nesse dia estava mais calma. Sua depressão não estava tão agressiva. Mas no dia seguindo nem parecia à mulher do dia anterior. Quem tem pessoas com depressão na família sabe que é assim, um dia bom e vários dias ruins. Como sempre dava tinha relações com minha filha aproveitando esses dias ruins da minha mulher, não pude fazer nada devido a visita de Andréia. O dia foi um certo tédio. As levei no shopping e a noite ficamos vendo TV na sala, com minha mulher no quarto dormindo. Carol não me dava muita bola, ficava brincando com Andréia, coisa boa, por que assim mostrava seu lado criança. Mas eu queria comer sua bucetinha. Andréia foi ao banheiro!

Decidir pegar o notebook e sentar a mesa para vê alguns vídeos de sexo. Na pior da hipótese, via um filme pornô e bateria uma punheta no banheiro. Quando sentei minha filha, perguntou que filme eu ia ver. Olhei com cara de serio para ela respondendo que ela sabia qual era e não poderia ver. Carol levantou e ficou do meu lado esperando para vê qual o filme viria. Já de pau duro, iniciei o filme. Quando sai do banheiro Andréia. Minha filha fez cara de medo e falou:
– Papai a Andréia – bem baixinho.
Andréia solta um sonoro:
– O que vocês estão fazendo?
Carol olhou para mim. Eu não pause o filme ou tirei, deixei Andréia chegar perto para ver. Ela assim que viu o que estávamos vendo, perguntou:
– Tio que filme é esse?
– É filme de pessoas fazendo amor!
Andréia ficou olhando junto da minha filha. Eu coloquei meu pau para fora. Peguei a mão de minha filha e levei a ele.
– Filha vamos ver o filme o seu quarto.
Carol já sabendo do que iríamos fazer balançou a cabeça dizendo sim. Andréia então disse:
– Eu também quero ver?!
Disse que não, por que ela iria contar para os outros. Ela quase chorando disse que não iria. Fiz sinal para ela falar baixo e deixei conosco. Quando entramos no quaro sentei na cama colocando o pau para fora:
– Vem filha chupa o pinto do papai!
Carol andou em minha direção. Eu pedi:
– Tira a roupa!
Andréia assistiu tudo paralisada. Minha filha nua mamando meu pau. Falei:
– Andréia minha lindinha, quer também?
Ela balançou a cabeça de forma negativa. Eu argumentei:
– Mas você fica beijando na boca do Carol quando estão sozinhas não ficam?
Ela disse sim! Mas era segredo! Eu disse que poderia ficar calma que não iria contar para ninguém. Carol mamava meu pau e eu passava o dedo na sua bucetinha. Fiz sinal com a mão para Andréia chegar mais perto. Ela caminhou lentamente, ficando parada em minha frente.
– Andréia tira a roupa também?
– Mas tio não posso!
– Por quê?
– Olha a Carol está!
Andréia timidamente começou a tirar sua roupa. Ela iniciou tirando sua blusa e baixou o short. Ela já usava sutiã e sua calcinha era de pano. Minha filha mamava olhando tudo.
– Tira o resto!
Andréia baixou sua calcinha e tirou a sutiã. Seu corpinho é lindo, peitinhos lindos pequenos com biquinhos rosados, sua bucetinha lisinha. A peguei pelo braço suavemente e fui trazendo para perto de mim caindo de boca em seus peitinhos.

Continua