O dia em que saímos pra andar a cavalo, e minha tia deu pro Crioulo

Click to this video!
Autor

Minhas experiências (XVII) Eu sou a Flávia e continuo de férias na fazenda em companhia da minha tia, ontem eu e minha tia transamos com o Sansão, hoje levantamos não muito cedo, tomamos café, depois como de costume eu e a titia temos o costume de dar aquele beijo de língua bem gostoso para iniciar um bom dia, depois disso fomos para a cocheira, pois iremos dar uma cavalgada, Eu com meu cavalo Crioulo que ganhei do meu tio, é um garanhão com 5 anos, com toda a força de sua juventude, é manso bem adestrado, e minha tia com outro cavalo, sempre tem aquele ritual de passar a raspadeira no cavalo todo, pentear as crinas, o rabo, deixar o animal bem bonito e tudo em ordem, depois de feito isso, colocamos as selas, freios para podermos dominar o animal, montamos e fomos dar uma volta por uns caminhos dentro da fazenda, Eu perguntei pra minha tia se o balanço do andar do cavalo, e o atrito da buceta na sela deixava ela excitada também, ela me disse que as vezes ela também goza andando a cavalo, e eu idem,
Depois que andamos mais de meia hora, chegamos a beira de um riacho, o sol estava quente e resolvemos tomar um banho de rio peladas, descemos dos cavalos, tiramos as selas, os freios, deixamos somente com o cabresto e amarrados num tronco, mais eles poderiam pastar numas moitas de capim, fizemos isso depois que eles beberam agua do riacho.
Eu e titia ficamos nuas e entramos na agua, estava uma delicia, sol quente e a agua fresquinha, fomos para um lugar mais fundo e nadamos um pouco, saímos da agua e deitamos na areia que tinha nas margens, ficamos tomando sol nuas em pelo.
Eu perguntei para a minha tia se ela já tinha segurado no pau do cavalo, pois o meu cavalo tinha acabado de mijar e estava com a metade do pau pra fora do prepúcio, e olha que a metade já tinha mais de palmo e meio, ela me disse que nunca tinha pegado, mais que quando o cavalo cobria as éguas, ela ia olhar, meu tio ou algum peão segurava a égua pelas rédeas e o cavalo montava, que ela ficava com a boceta molhada, ficava excitada vendo o pau do cabalo entrar na égua, e que quando ele tirava saia um monte de porra, mais muita porra mesmo, o meu cavalo fazia muito tempo que não cobria nem uma égua, aí eu perguntei pra tia se haveria algum perigo em eu tocar uma punheta pro meu cavalo, e ver quanta porra sai do seu pau, ela me disse que ele era manso, mais eu teria que tomar cuidado com os pés, pois um coice de cavalo pode te mandar pro hospital, você esta falando de uma animal de quase meia tonelada.
Mais eu e minha tia não sabemos quem tem menos juízo, rssss
Levantei fui até o meu cavalo, peguei no cabo do cabresto, amarrei mais curto e comecei a passar a mão, nas ancas dele, fui fazendo carinho, desci com as mãos na barriga, ele parecia que estava gostando, passei a mão no seu pau, estava mole e recolhido todo dentro do prepúcio, foi só eu começar passar a mão quilo foi crescendo, mole ainda mais começou a sair pra fora, e eu tomei coragem e peguei naquela coisa monstruosa, minhas pernas começou a tremer não sei se por medo do animal me dar um coice ou se era por estar com aquele monumento na minha mão, conforme fui mexendo aquilo foi endurecendo, ai eu larguei de mexer no pau e fui mexer nas bolas dele, cada bola era do tamanho de uma laranja das grandes.
Minha tia veio pra perto de mim, e segurou no cabresto do cavalo, e ficou fazendo carinho na cabeça dele, ela ficou com medo de eu me machucar, pois eu estava quase embaixo do animal, voltei a pegar no cacete que a essa altura já estava duro, mais eu não sabia o que fazer com aquilo tudo que eu tinha em minhas mãos, eu vi que ele estava calmo, me agachei em baixo dele e comecei a dar uns beijos na chapeleta que ele tem na ponta do cacete, nem pensar em colocar aquilo dentro da boca, é um negocio muito grande, mais uns beijinhos e passar a língua para sentir o gostinho do cacete do cavalo isso dava pra fazer, saia um liquido pela abertura da uretra eu coloquei a boca e comecei a sugar, a limpar o seu pau com minha língua, ele começou a ficar inquieto, mais eu coloquei a ponta do cacete na minha boca e com as duas mãos comecei a tocar uma punheta pro cavalo, nem preciso dizer que a essa altura minha boceta estava encharcada, a minha e a da minha tia, eu me agachei de costas pro cavalo e comecei a pincelar minha boceta e o meu rego com aquele cacetão, passava aquela chapeleta entre os lábios da minha boceta mais não tinha coragem de colocar dentro, ele estava tão excitado que saia um monte de liquido do seu cacete.
Mais eu não tive coragem de colocar a chapeleta dentro da minha boceta, perguntei pra tia se ela queria tentar colocar um pedaço pra dentro, (pois ela adora que eu coloque minha mão até o cotovelo dentro da sua boceta), ela meio receosa ficou no meu lugar, eu segurando no pau do cavalo, e ela agachada com as pernas abertas e tremendo de tesão, eu coloquei a chapeleta na entrada da boceta, ela estava tão lubrificada que forçando um pouco e com a ajuda do cavalo entrou a chapeleta, o cacete estava muito duro, eu estava com medo de machucar minha tia, pois se o cavalo socasse tudo aquilo pra dentro, ia até a garganta dela, entrou mais ou menos um palmo, aí eu segurei firme no cacete o cavalo deu tentou socar tudo aquilo pra dentro mais eu segurei, ele deu um tipo de relincho e gozou, eu nunca tinha visto tanta porra na minha vida, encheu a buceta da minha tia com um monte de leite branco e grosso, parecia creme de leite, minha tia também gozou como uma louca, o pau saiu da boceta pingando leite, eu meti minha boca no cacete do cavalo que ainda tinha porra saindo, eu engoli toda, depois minha tia abriu as pernas e eu meti minha boca na sua boceta e também suguei o leitinho que ainda tinha dentro, eu fiquei com vontade de sentir aquilo dentro de mim, mais não tive coragem de colocar aquele monumento dentro da minha buceta, minha tia adorou, ela disse que não sabe se foi por estar um pouco nervosa, mais foi um dos melhores gozo que ela já teve, e olha que em matéria de gozar ela é muito experiente.
Fomos novamente para o riacho nos refrescar, e recompor nossas energias, nadamos um pouco, nos lavamos, nos secamos ao sol, nos vestimos, selamos novamente nossos cavalos e retornamos pra casa, só posso dizer que fiquei com vontade de sentir pelo menos a metade daquele cacete dentro da minha buceta, ainda tenho muito tempo pra realizar essa loucura, minha tia eu sei que experimentou e adorou. Acho que da próxima vez que sairmos para andar a cavalo se tudo der certo também quero colocar na minha boceta.
Meus queridos, beijosss
E-mail – [email protected]