Na casa de Jussara (7ª Parte)

Click to this video!
Autor

Como disse, Jussara saiu logo depois do almoço e deixou Jaqueline em casa. Porém, antes ela conversou algum tempo com a menina no portão da casa. Parecia estar dando orientações para ela. Certamente ordenava que a menina não chegasse perto de mim e ficasse bem longe… Mas bastou a mãe virar a esquina Jaqueline sentou-se perto de onde eu estava trabalhando… Ela vestia uma camisetinha minúscula e uma sainha que mal cobria sua bundinha… Olhava para mim fixamente com um sorriso no rosto e não parava de se mexer. Erguia os braços como que se espreguiçando, cruzava e descruzava as pernas… Fazendo isso deixava tanto a barriguinha de fora como a calcinha a mostra… Acabei ficando excitado e o volume na bermuda ficava bem aparente quando eu me levantava… Não estava aguentando mais de tanto tesão por aquela menina e acho que perdi a noção do perigo. Fiquei de pé e olhando para Jaqueline segurei o volume do pau por cima da bermuda. Ela parou fixou seus olhos em mim… Perguntei a ela: _ Quer brincar de novo com o tio? Jaqueline se pôs de pé em um salto e sorrindo balançou a cabeça positivamente… Entrei na casa e com um sinal pedi que me acompanhasse… Fui até o quarto onde elas dormiam e sentei-me na cama da mãe da menina… Ela se achegou até mim e ficou entre minhas pernas. Dei um selinho na menina e passei a mão pelas suas costas. Jaqueline aceitava tudo passivamente, mas cheia de desejo, pois seu corpinho ficou todo arrepiado enquanto eu a alisava… A respiração estava acelerada tanto a dela como a minha… Puxei a camisetinha dela para cima e a tirei… Os peitinhos eram apenas um pequeno volume no tórax da garota e os biquinhos pequeninos… Mesmo assim passei a língua sobre a região e suguei os biquinhos como se houvesse grandes seios ali… A menina soltou um pequeno gemido… Puxei a sainha dela para baixou junto com a calcinha e deixei-a nuazinha… Alisei aquele corpinho lisinho e moreno, passando as mãos pelas suas costas e aquele bumbum delicioso… Pequeno mais saliente… Afastei a menina um pouco e tirei minha bermuda… O pau saltou para fora rígido e teso… A cabeça brilhava já umedecida pelo tesão… Não precisei nem mandar e Jaqueline agarrou meu cacete com as duas mãos e começou a alisar… Para cima e para baixo… Beijei seu pescoço e as mãos escorregaram para sua bundinha… Abri suas nádegas e apertei seu furinho com o dedo médio… Ela deu uma travadinha, mas depois relaxou… Virei a menina de costas pra mim e a fiz sentar no meu colo… Deixei o pau entre suas pernas de modo que sua xaninha roçava nele… Falei para ela brincar a vontade… Jaqueline começou a esfregar a xaninha no meu cacete… Ela apoiou suas mãos em suas coxas e ficou um pouco inclinada para frente… Subia e descia roçando a bocetinha em toda a extensão do meu cacete. Senti que ela estava bem a vontade e adorando a brincadeira… Sua bocetinha estava molhada e lambuzava meu pau… Segurei seu quadril e melei um dos dedos na sua xaninha… Comecei a massagear o cuzinho de Jaqueline… A menina gemia um pouco mais alto e eu continuei forçando o dedo… Consegui penetrar aquele cuzinho apertado… Ela suspirou e arrebitou a bundinha… Fiz movimentos circulares laceando seu furinho… Ainda estava em dúvida, apesar do tesão, se arriscaria tirar o cabacinho daquela menininha… Puxei-a pra mim e encostei meu peito em suas costas… Falei no ouvido dela: _ O tio quer por a piroca na sua xoxotinha. Você deixa? _ Deixo sim tio… Respondeu ela. Eu sabia que devia prepara-la bem e insisti: _ Mas vai doer um pouco. Você quer mesmo assim? A resposta que ela deu foi mais surpreendente que aquele momento ou tudo que estava acontecendo naquela semana. A menina disse: _ Eu sei tio… Minha irmã já me disse que dói no começo, mas depois fica gostoso. Quase gozei só de ouvir isso… Levantei-me e pedi que ela deitasse na cama… Jaqueline obedeceu rapidamente… Fui até a cozinha e peguei o lençol que eu usava pra dormir e o pote de margarina na geladeira… Voltei ao quarto e a menina estava deitadinha na cama com as perninhas abertas… Aquela bocetinha pequenina, peladinha e deliciosa… Não estava disposto a perder tempo então peguei um pouco de margarina e espalhei por todo meu pau… Depois untei a entradinha da xaninha de Jaqueline deixando o dedo entrar um pouco naquela rachinha a ponto de sentir seu cabacinho… Puxei a menina para a beirada da cama e encostei o pau na bocetinha dela… Jaqueline estremeceu e fechou os olhos… Meu pau latejava… Forcei um pouco… Hummm… Muito apertado… Um pouco mais de pressão e a rachinha dela começou a ceder. Fui devagar para não estourar a bocetinha dela… Até que em uma empurrada mais forte a cabeça rompeu a resistência e quase que uns cinco centímetros da minha pica sumiram dentro daquela xaninha apertada arrancando um grito de dor da garota… Ela cravou as unhas nos meus braços e gemeu com a dor do seu cabacinho rompido… Esperei um pouco para que ela se acostumasse com o volume dentro dela… Mas a menina reclamava sem parar que estava ardendo muito… Não ia para agora… Então sussurrei que a dor ia passar e ficaria muito gostoso como a irmã tinha dito… Os olhinhos dela estavam marejados e algumas lágrimas escorriam pelo seu rostinho… Ela se acalmou, mas continuava gemendo… Agora parecia que era uma mistura de dor e prazer… Encostei minha boca na boquinha dela e busquei um beijo que ela correspondeu ainda meio chorosa… Enquanto estava com a boca colada a dela fui empurrando o cacete devagar… E foi entrando… A menina mesmo sufocada pelo beijo gemia alto… Senti já ter entrado com a metade da rola… Então me ergui um pouco e empurrei com força o que faltava para dentro… Arrancando outro grito da menina… Parecia impossível mais eu estava com todo o membro enterrado nela… Ela segurava meus braços com força e gemia sem parar… Fui tirando de vagar até a metade e empurrei de novo… Mais uma vez, e outra… Bem devagar… Sentindo aquela bocetinha laceando a cada vez que eu entrava… Jaqueline ainda estava de olhos fechados e cerrava a boca também cada vez que eu entrava… Seus gemidos já não eram de dor… Ela já parecia gostar do meu cacete arrombando sua xaninha… Os movimentos aumentaram… Tanto os meus quanto os dela, que agora já mexia seu quadril no mesmo ritmo… Meu pau já não encontrava mais resistência para entrar e sair da bocetinha de Jaqueline… Eu queria mais daquela xaninha então tirei o cacete todo e virei a menina de bruços na cama… Puxei seu quadril para cima e a deixei de quatro. E rapidamente cravei meu pau todinho na xaninha de Jaqueline, que agora o recebeu mais rapidamente… Ela deu um pequeno salto para frente ao sentir minha rola abrindo sua carne novamente… Mas segurei firme pela sua cintura e não deixei aquela potranquinha fugir. Podia ver meu pau entrando e saindo daquela bocetinha pequena que parecia, a princípio, incapaz de aguentar uma rola. Havia um pouco de sangue no meu pau do cabacinho recém estourado… Jaqueline gemia e arriscava algumas reboladinhas… Então ela começou a gemer mais alto e a contorcer o corpinho… A menina estava tendo um orgasmo intenso… Acelerei os movimentos aproveitando que ela gozava e soquei com força agora… Quando senti que também ia gozar tirei o pau para fora e explodi em gozo lançando jatos de esperma quente e grosso sobre a menina… Jaqueline soltou o corpo sobre a cama com as perninhas abertas. Dava pra ver um fiozinho de sangue escorrendo da xaninha… O lençol que eu tinha colocado por baixo dela também estava manchado de sangue… Ainda não acreditava que tinha comido aquela garotinha… Tinha acabado de tirar o cabacinho dela… Sentei ao seu lado na cama. Alisei seus cabelos e ela abriu os olhos… Parecia contente… Perguntei a ela se tinha gostado… A menina sorriu e balançou a cabeça afirmativamente… Pedi a ela que fosse tomar um banho enquanto eu arrumava a cama… Jaqueline levantou-se e saiu devagar com as pernas um pouco afastadas… Devia estar com a xaninha dolorida ainda… Arrumei tudo e voltei ao trabalho… Depois de terminar tudo voltei para dentro da casa. Estava tudo em silencio… Fui até a porta do quarto e a menina estava deitada em sua cama e tinha adormecido… Fiquei preocupado e temeroso que a mãe ou a irmã percebessem algo… Mas não tinha oque eu fazer… Era só aguardar… Eram por volta das 16h30min quando Jussara voltou trazendo com ela a filha mais velha… Estavam bem descontraídas e não estranharam o fato de que a mais nova dormia àquela hora… Bom pra mim… Mas estava ansioso para ver como a menina acordaria… Mas isso fica para a próxima…
Contato: [email protected]