Amor e sexo em familia – Amor no Reveillon

Click to this video!
Autor

Olá a todos, eu sou xxx18 e venho aqui trazer mais um conto da serie Amor e sexo em família. Se não leu os outros capítulos, volte e leia para maior entendimento dessa historia fantástica dos irmãos Alexandre e Alice, você não ira se arrepender. Agora vamos ao conto.
Continuando…
Era o ultimo dia do ano, esse que foi o melhor ano da minha vida, pois eu e minha irmã nos tornamos amantes, parceiros. A cada dia que passava eu e Alice éramos mais apaixonados e íntimos.
Dessa vez Alice é quem me acorda. Ela me acorda com um beijo e dizendo:
– Acorda Ale.
Eu meio sonolento ainda pergunto:
– Oque foi amor?
– Nada não, é só pra gente namorar um pouquinho antes que eles acordem.
Então ela vem e me beija. Depois de alguns segundos ela para e diz:
– Nossa, cadê minha calcinha?
Eu não tinha reparado que ela estava sem por baixo da camisola.
– Voce dormiu sem?
Ela começa a procurar em volta e diz:
– Eu tirei ontem quando transamos e joguei pro lado, depois não coloquei mais.
Eu olho em volto e vejo que eu estava deitado em cima dela.
– Ta aqui amor.
– Nossa ainda bem, já pensou se alguém acha? Oque iam pensar de eu dormir sem calcinha do seu lado.
Ela veste a calcinha e voltamos a nos beijar. Depois de alguns minutos nos levantamos e vamos ao banheiro para tomarmos um banho, apenas nos lavamos um ao outro, nada de mais. Quando voltamos encontramos nossa mãe já na sala e Thais estava acordando também, minha mãe diz:
– Vai ter queima de fogos hoje na praia.
Eu então digo:
– Eu já estava sabendo.
Minha prima diz a Alice:
– Prima vamos pegar um bronzeado depois?
– Ta bom então, vamos tomar café e depois vamos.
Com isso todos já estavam levantando e minha mãe e Alice começaram a fazer o café. Durante o café minha tia Elena diz a Alice:
– Sabia que seu pai e sua mãe se conheceram nessa praia no ano novo?
Minha mãe ri e diz:
– Nossa que época boa aquela, muitos jovens começavam a namorar nessa festa de fim de ano, a praia ficava cheia de gente dançando e se beijando.
Minha tia Vitoria então diz:
– É verdade, depois do final da praia, passando as pedra e a matinha tem uma prainha secreta, eu perdi minha virgindade la.
Minha mãe então diz:
– Que coisa de se falar Vitoria.
Minha tia Elena ri e diz:
– Com quem foi mesmo?
Minha tia Vitoria então diz rindo:
– Com o filho maia novo do nosso vizinho na época.
Minha mãe então diz:
– Nossa aquele moleque feio, baixinho e magrelo.
Minha tia então diz:
– E ele ainda nem soube fazer direito.
Todos riram. Depois do café fomos para fora curtir o belo dia na piscina. Alice e Thais se deitaram ao sol enquanto alguns já estavam na piscina e outros na sombra tomando cerveja, então Thais diz:
– Ale toma sol com agente aqui, ai agente conversa.
Alice então diz:
– Deita aqui no meu lugar, eu passo protetor nas suas costas.
– Então ta, se vocês fazem questão da minha companhia.
Eu deito e Alice começa a passar protetor nas minhas costas sentada sobre minhas pernas. Ela fazia uma massagem muito boa, suas mãos eram de fada, acalmavam bastante, confesso que eu dormiria fácil com aquela massagem. Thais então diz rindo:
– Nossa eu também vou querer uma massagem dessas.
Alice ri e diz:
– Só faço pro meu maninho.
Minha prima faz um bico e diz:
– Chata.
Alice continua com a massagem enquanto Thais diz:
– Um colega meu que está passando as férias por aqui também me mandou uma mensagem ontem dizendo que uns amigos dele vão se encontrar ali na praia hoje. Vamos la com eles hoje? Eles vão botar som no carro e levar umas bebidas, vai ter uma galera legal la.
Eu não estava muito afim, afinal não queria que a Alice se misturasse com esse pessoal, com bebidas e provavelmente alguns usariam drogas. Eu já tinha bebido algumas poucas vezes mais não queria isso para a Alice, pois ela era muito nova. Eu já me preparava para negar mais Alice diz:
– Vamos sim, vai ser legal ficar longe dos velhos um pouco.
As duas dão risada e então eu digo:
– Não sei Thais, com certeza vai ter alguém levando maconha e outras coisas e eu não curto isso, ainda mais a Alice no meio desse pessoal.
A Alice me da um beliscão e diz:
– Ale não precisa ficar me protegendo, eu já sou bem grandinha, acha que não tenho colega que fuma e bebe? Vamos la Ale, não vai ser nada de mais, por favor.
Então Thais da uma risadinha depois diz:
– Vamos la Ale, vai ter umas amigas la, tem umas bem gostosas, talvez você até se da bem lá hoje.
Então ela da uma gargalhada e sinto Alice travar a massagem e diz agora sem muita empolgação na voz como antes:
– É.
Eu digo:
– Esta bem, mas não diz pros nossos pais que vai ter muita gente não.
Thais então diz:
– Eu sei, se não eles vão ficar cismados. De qualquer modo não vai tanta gente assim, acho que nem 20 pessoas.
Depois de algum segundos Alice para com a massagem e diz pegando outra cadeira:
– Agora é sua vez Alexandre.
Então ela se deita de bruços e pede para eu passar o protetor nela. Eu começo então a passar sentado sobre suas pernas quanto Alice diz sem muito animo:
– Desamarra o biquíni pra mim.
Então eu desamarro a parte de trás do biquíni pra não marcar e continuo a massagem. Fico assim por alguns minutos e sinto Alice diferente, e sei que foi pelo que Thais disse. Depois de um tempo eu volto para minha cadeira e deito novamente e fico observando Alice. Depois de quase uma hora resolvo ir para a piscina e Thais vem também, e ela chama Alice:
– Vamos Ali, vai torrar ai no sol daqui a pouco.
Alice responde sem olhar pra gente:
– Não to afim agora não, vão vocês.
Eu então vou para a piscina mas ainda pensava nela, pois sabia que ela estava chateada, sem motivos na verdade pois eu nunca iria trocar ela por qualquer outra mulher no mundo, não existia uma mais bela e nem que eu amava tanto. Depois de um tempo Alice vem para a piscina com a gente, mas eu percebia algo diferente. Algumas horas depois todos saíram da piscina e entram na casa para almoçar, eu fico mais um tempo assim como Alice. Eu vou me aproximando dela devagar e digo encostando ela na parede:
– Ficou chateada com oque a Thais disse né?
Ela diz se esquivando de mim:
– Não.
Eu a persigo dizendo:
– Eu te conheço Ali, não negue.
Ela diz me olhando serio e com uma pontinha de tristeza no semblante:
– Não tem problema você ficar com alguém lá Ale, mas se você me ama não leva nada a serio, ta? Não vai levar ninguém para aquela prainha que nossa tia disse. Só beija, não vai comer uma qualquer, ta bom?
Eu dou um sorriso leve e digo:
– Poxa, eu estava doido pra levar uma menina bicuda que eu conheço la. Tava doido pra jogar ela na areia e comer ela com vontade.
Eu me aproximo dela a abraçando por trás e digo em seu ouvido depois de dar um selinho em seu pescoço:
– Deixa disso Ali, você acha que eu iria te trocar por outra? Eu te amo, já te disse isso umas mil vezes. Mesmo se eu não te amasse, por que eu iria te trocar? Voce ainda é a mais bonita e gostosa do mundo.
Sinto ela se animar mais e se arrepiar ao meu toque, então a coloco contra a beirada de costas pra mim e beijo sua nuca dizendo:
– Eu te amo Alice, nunca vou te deixar meu amor.
Mesmo ela de costas pra mim sinto um sorriso dela mesmo sem eu ver. Então eu coloco minha mão em sua barriga acariciando ela e vou descendo até chegar em seu biquíni, enfio minha mão e agarro gentilmente sua boceta. Ela suspira e diz:
– Para Ale, alguém pode chegar de repente, estão logo ali na cozinha.
Mesmo sua voz dizendo isso, seu corpo queria que eu continuasse, então eu digo:
– Eu digo que estou te ajudando a subir na borda.
Ela suspira mais e se contorce de leve cada vez que eu esfrego sua boceta. Então ela vira o pescoço e eu a beijo, invadindo sua boca com minha língua e chupando seus lábios com vontade, tudo isso enquanto eu acariciava sua boceta que estava quente debaixo d’água. Com a outra mão eu agarro seu peito e aperto, fazendo ela soltar um gemidinho enquanto contorce seu quadril rebolando, como se quisesse que eu esfregasse maia e mais. Paramos de nos beijar, ela encosta a testa na beirada e fica olhando para baixo, apenas sentindo o meu toque. Meu pau estava duro cutucando sua bunda enquanto eu tocava uma siririca pra ela. Depois de alguns segundo ela diz:
– Eu te amo.
Eu respondo:
– Eu também.
Então de repente eu enfio dois dedos dentro de sua boceta e aperto forte ao mesmo tempo que encaixo meu pau no meio de sua bunda encostando a cabeça em sua boceta por trás, ela solta outro gemido maia forte agora. Dou um selinho atrás de sua nuca e vou indo para o lado chupando seu pescoço que eu adorava e ela solta outro gemidinho enquanto se arrepia toda com o toque da minha boca. Ela agora rebola em meu pau, roçando sua boceta contra ele e contra minha mão que eu socava os dedos nela com vontade. Ela ofegava muito e as vezes soltava um gemidinho. Logo ela se contorce toda e começa a gozar gemendo um pouquinho por que segurava bastante para não ouvirem. Ela agora fica um pouco parada ofegando enquanto eu fico acariciando suas curvas e beijando sua nuca e costas, depois de alguns segundos ela já recomposta se vira e diz:
– Eu te amo.
Então ela me beija com vontade, e é sua língua que busca a minha agora, ela até puxa o meu lábio com a boca quando terminamos, me dando um olhar sensual com aqueles grandes e belos olhos azuis. Então eu ajudo ela a subir na borda dando um beijo na sua bunda deliciosa e apertando ela enquanto Alice olha pra trás rindo. Fomos almoçar com os outros.
Mais tarde a maioria do pessoal da casa tinha saído já para a praia, pois não demoraria muito para escurecer e a praia já começara a ficar cheia de gente festejando. Eu, Alice, Thais e Marcos, pois iriamos nos encontrar com os amigos da Thais no final da praia, perto de um quiosque. Thais e Marcos estavam se arrumando em outro quarto enquanto eu e Alice aproveitamos para tomar um banho juntinhos, maia não demoramos muito, saímos e Alice se veste colocando um vestido branco super decotado, que mostrava claramente que ela não usava sutiã e com as costas nuas. Eu sabia que aquele decote ia chamar muita atenção dos homens, mais eu estava encantado, ela tinha ficado linda e sexy. Ela amarra o cabelo em um coque alto, pois sabia que eu gostava e me olha sorrindo enquanto amarra depois pergunta:
– Gostou? To bonita?
– Esta linda.
Eu ainda estava de cueca e estava pegando umas roupas e já ia vestindo, uma bermuda tactel e uma regata então Alice diz:
– Voce vai assim? Pelo amor de deus Ale, capricha mais.
Ela balança a cabeça e diz:
– Como você quer pegar mulher assim? Relaxado desse jeito?
Ela disse isso em tom de brincadeira. Então ela diz:
– Voce acha que nos mulheres não reparamos em como vocês se vestem não? Eu me arrumo toda pra você, e você fica igual um flanelinha.
Eu digo em tom de indignação:
– Oque tem de errado?
Ela então vai até minhas roupas dizendo:
– Oque tem de errado? Pelo amor de deus se veste igual homem, não igual menino.
Ela fuça minhas roupas na mala e me faz vestir uma bermuda branca mais social um pouco e uma camisa de algodão manga longa também branca, era aquelas camisas fininhas de verão um pouco aberta no peito. Então ela me faz pentear o cabelo para trás e passa perfume em mim e diz:
– Agora sim ta um gato. Se eu não fosse sua irmã eu transava com você.
Então eu digo rindo:
– Mas você é minha irmã e agente transa mesmo assim.
Então ela diz em tom de brincadeira:
– É mesmo.
E então ri. Depois ela me beija e fomos para fora do quarto e encontramos Marcos e Thais já prontos na sala. Thais então diz:
– Agente devia comprar algo pra levar também, umas cervejas sei la.
Eu digo:
– Ta bom, vamos la no super mercado antes que feche.
Saímos e fomos até o super mercado que ficava a uns 200 metros em uma rua próxima. Chegamos la e já havia fechado, então fomos até um outro que ficava a uns 500 metros mais longe que esse, e ainda bem que estava aberto. Chegamos la e compramos três engradados de latinhas de cerveja e fomos em direção ao caixa, então Thais diz:
– Marcos e Ali ficam aqui pois vão desconfiar.
Realmente eu e Thais parecíamos mais velhos e se Thais disse que tinha 20 anos ao invés de 17 ninguém iria contestar. Thais já ia tirando o dinheiro do bolso quando Alice me da um cutucão no braço, eu entendo o sinal e digo para Thais:
– Deixa que eu pago Thais.
Ela então diz rindo:
– Nossa que cavalheiro.
Fomos até o caixa e ela me diz:
– Me abraça quando chegarmos lá, vão pensar que somos namorados e faz agente parecer mais velhos.
Ela parecia saber oque fazia, era uma boa tática. Chegamos lá na maior naturalidade e compramos tranquilamente, depois saímos depressa.
Já havia anoitecido, então fomos a praia encontrar os amigos dela, mais antes fomos encontrar nossos pais do outro lado da praia para dar alguma satisfação. Eles foram antes para agente ficar escondendo a cerveja longe, depois eles voltaram e fomos nos.
– Oi filhotes.
Ela nos abraça.
– Oi mãe.
– Olha não vão aprontar viu?
Alice diz:
– Ta bom mãe, so vamos conversar com o pessoal.
Minha mãe diz:
– Divirtam-se então.
Quando Alice já ia se virando para ir, minha mãe diz mais chegada em mim e com olhar serio:
– E você, cuida da sua irmã. Lembra oque seu pai te disse uma vez. Cuida dela e não deixa ninguém encostar nela, entendeu?
– Ta bom mãe.
Alice de longe me olha e ri, quando vou ao encontro dela ela me diz:
– Ouviu? É pra você cuidar de mim.
Depois disso fomos ao encontro do pessoal. Chegamos lá, Thais foi cumprimentando seus amigos e apresentando:
– Olha ai Bruno, esses aqui são meu irmão Marcos, e meus primos Alexandre e Alice.
Esse bruno veio beijando minha irmã no rosto e depois me cumprimentou com um alerto de mão:
– E ai irmão, beleza?
– Beleza, desculpa agente chegar assim sem ser convidado.
– Que isso cara, é amigo da Thaizinha é meu amigo também po. A galera aqui se amarra em conhecer gente boa.
Percebo bem os olhares dos caras pra cima da Ali, ela chamava muita atenção. Tinha muitas garotas bonitas e gostosas la, mas Alice chamava muita atenção, era a típica ninfetinha, magrinha, gostosa, bonita e bem novinha, os caras ficavam babando, ainda mais com aquela roupa provocante. Eu então digo ao Bruno lhe entregando a sacola:
– Trouce ai pra galera, não podia chegar aqui de mão abanando.
– Valeu irmão, vou botar ali na caixa de gelo.
Fomos chegando e a musica no carro de alguém que eu desconfiava ser do Bruno estava tocando já. Começamos a nos enturmar com o pessoal, que era bem gente boa, todos muito alegres e receptivos. Passado algumas horas o pessoal estava bebendo já e eu digo para Alice quando uma garota veio e ofereceu cerveja a ela:
– Alice, não vai beber muito ta bom? Voce é muito nova.
Ela diz:
– Ta bom Ale, só uma cervejinha não vai fazer mal.
– Ta bom então.
Eu também tomo uma. A musica ticava alto e começou a ticar funk, e as garotas estavam animadas dançando, rebolavam até o chão e faziam caras e bocas, algumas até me olhavam. Alice então começa a dançar muito bem se exibindo, eu sabia que ela dançava bem pois desde seus 10-11 anos ela ficava no quarto ouvindo funk e dançando e as vezes até com algumas amigas. Ela adorava se exibir assim, esculachar as outras garotas se mostrando melhor. Realmente seu rebolado era mais sensual e seus movimentos pareciam mais ensaiados que as outras. Ela as vezes dançava pra mim, quase esfregando sua bunda em mim. Aquilo me deixava louco de tesão nela, eu comeria ela ali facilmente de tão tesuda que ela estava.
Em um momento ela para de dançar e vai conversar com Thais e mais duas meninas. Então uma garota que antes estava conversando com Thais num canto vem dançando pra mim e Alice só ficava olhando de longe, quando a garota que era uma loira linda e bem gostosa de uns 18-19 anos vem me abraçando e quase me beija, so que eu viro o rosto pro lado e digo:
– Foi mal gata, é que eu tenho namorada.
Ela diz:
– Foi mal, eu até pedi a Thais se você tinha namorada, ela disse que não.
– É que ela não sabe, mais eu tenho namorada e eu amo ela muito. Não é nada com você não, você é linda mais é que eu realmente gosto muito dela, desculpa ai.
– Desculpa eu, eu não sabia mesmo. Voce é muito legal em não trair sua namorada, tem muito cara que ia aproveitar com ela longe. De qualquer modo foi um prazer te conhecer, alias meu nome é Renata.
– O meu é Alexandre e o prazer foi meu.
Ela vai embora e alguns minutos depois Thais e Alice vem perto de mim e Thais diz:
– Por que não pegou a Renata? Ela veio me dizer que te achou gato, que estava afim de você, me pediu se você tinha alguém. Ela nem é mais virgem, você ia comer ela ainda hoje se tivesse papo. Por que deixo ela ir?
– Por que eu tenho namorada Thais.
– Larga de ser mentiroso, você não disse nada hoje na piscina. To achando que você é viado em.
Alice me olha e me salva:
– É verdade Thais, ele tem namorada já, faz um ano quase.
Thais então disse:
– Por que não falou antes então besta?
– Por que não queria espalhar se não mamãe ia encher meu saco falando aquelas merdas de camisinha e que não ia criar neto tão cedo.
– Pior que é ne? Mães são um saco com isso.
Depois de um tempo estávamos bebendo e conversando e um cara chegou pra Alice no ouvido dela, provavelmente pedindo pra ficar mais ela recusou. Faltava alguns minutos pra meia noite e o pessoal resolveu brindar com algo mais forte, então pegaram tequila e todo mundo ia ter que tomar uma dose, eu digo para Alice:
– Não precisa tomar, você não é obrigada a nada.
– Eu vou tomar sim, pode deixar, to de boa Ale.
– É forte Ali.
Alice ri e diz:
– Deixa eu ser feliz um pouco Alexandre.
– Então ta. Mas vai devagar.
Agente estava uma pouco maia afastado atrás do carro, com Alice sentada no capo. Eu já tinha tomado tequila e vodca algumas vezes, então não foi problema, mesmo achando forte. Mas quando Ali vira a dose, que era um tanto generosa, faz uma careta e depois tose sem parar. Eu dou uma risada e digo:
– Eu avisei.
Ela revira ao olhos tão vermelha quanto quando ela goza, depois disse meio sem voz:
– Nossa como isso é forte, queimou tudo por dentro.
Eu gargalho e ela ri de si mesma então eu a abraço contra o peito e dou um beijo em sua cabeça. A meia noite chega e os fogos começam, então eu digo:
– Te amo meu amor, feliz ano novo.
– Também te amo Ale, feliz ano novo, e que esse seja tão bom ou melhor quanto o anterior.
Nos damos um beijo rápido sem ninguém perceber e ficamos abraçados por maia um tempo enquanto os fogos estouram e então Alice diz:
– Voce não ia levar uma garota pra prainha secreta?
– Ta afim?
– To. Vamos logo que eu já to molhada.
Aquela fala dela me excita muito, então fui rápido até o Marcos que tinha levado uma mochila com toalhas caso agente fosse pro mar. Peguei uma toalha depressa aproveitando que todos estavam distraídos com as fogos então fomos pelas pedras.
Depois de passarmos umas pedras chegamos até uma trilha discreta que ia até um matagal. No caminho encontramos um casal voltando de mãos dadas, então percebi que estávamos no caminho certo. Subimos um morrinho por uns 30 metros e logo depois descemos ainda dentro da mata, logo no pé do morro avistamos um casal se agarrando a uns 7-8 metros saindo da trilha, pareciam estar nas preliminares, então continuamos andando antes que eles percebessem nossa presença. Andamos mais uns 50-60 metros e chegamos a uns arbustos, atravessamos eles e chegamos na tal prainha, ela era pequena, tinhas uns 200 metros de areia, mas era muito bonita e charmosa, com varias arvores e a agua era bem calma, pois era tipo uma baia. Quando chegamos Alice disse:
– Nossa que lugar bonito, nunca tinha vindo aqui.
Eu não achei muito difícil de se encontrar, não sei por que não tinha gente la. Fomos até o final da areia, depois de uma pedra onde a areia ia terminando e havia um pouco mato no chão. Ali era o local perfeito, pois quem chegasse por onde viemos não nos veria por causa da pedra. Estendi a toalha no chão e Alice já foi sentando enquanto me olhava, aquele olhar e sorriso mostrava qual era nossa intenção, não éramos mais inocentes, sabíamos oque iriamos fazer ali. Seu olhar dizia: me ataca. Fiquei ali olhando ela por um estante, admirando ela, e ela não tirava os olhos dos meus nem por um segundo. Aqueles olhos eram grandes e chamativos, se destacavam em seu rosto angelical, pareciam duas estrelas azuis gigantes me observando e me seduzindo. Ela então sorri enquanto tira a calcinha por baixo do vestido depois joga ela em mim ainda em pé e diz:
– Esta esperando o que amor?
Com isso ela sorri com uma carinha de safada enquanto passa dois dedinhos na boceta e quando ela ia levando a boca, mesmo com a pouco luz das estrelas e da lanterna do celular que eu deixei no chão, consigo ver seus dedos molhadinhos, e ela lambe eles depois ela morde o lábio dizendo:
– To molhadinha pra você Ale.
Eu então me abaixo e vou a beijando enquanto ela vai se deitando e envolvendo as pernas em mim. Sinto o gosto e o seu hálito de tequila, eu sabia que ela estava como se diz, de fogo. Eu não paro um segundo de beijar ela enquanto ela abaixava as alças do vestido, então ela força minha cabeça para baixo em direção aos seus seios, ela queria que eu os beija-se. Vou chupando seu mamilo delicadamente enquanto aperto o outro peito com maia força, e ela pousava sua mão sobre a minha como se quisesse que eu deixa-se minha mão ali mesmo. Então eu paro e ajudo ela a acabar de tirar o vestido, então volto a beijar seu corpo. Vou descendo por sua barriga até sua boceta que estava quase pingando de tão molhada, e vou chupando com vontade ao mesmo tempo que acariciava sua coxa e ela apertava seu próprio peito. Fico ali chupando ela enquanto ela gemia com vontade, pois ninguém ouviria. Depois de alguns minutos ela diz:
– Deita aqui Ale.
Eu deito e ela vem pegando no meu pau e começa a punhetar lentamente e começa a passar a língua na cabecinha. Depois de alguns segundos meu pau já estava latejando de tão duro e então ela o coloca até a metade na moca, acho que ela não queria que fosse muito fundo por medo de engasgar ou talvez por achar que não precisava mesmo, por falta de pratica, mas estava muito bom, ela fazia com ternura e perfeição enquanto me olhava pedindo aprovação. Minha resposta é eu acariciando sua bochecha que estava vermelhinha pelo tesão misturado ao álcool, então ela para e sorri pra mim dizendo:
– Eu te amo.
Ela vem subindo e me beija montando em mim, então ela faz algo que eu não esperava, pega o meu pau e direciona para a entradinha de sua boceta, e empurra o corpo de repente. Meu pau desliza fácil por sua bocetinha apertada, pois estava bem meladinha. Quando meu pau toca seu fundo ela vira a cabeça olhando pro céu enquanto solta um leve gemidinho. Ela então volta a me olhar, depois pega minhas duas mãos e coloca sobre seus peitos, espera uns segundos e vai arrastando elas por seu corpo até chegar ao seu quadril que começa a rebolar devagar enquanto ela diz com cara de prazer:
– Me faz carinho Ale, por favor amor.
Ela vai rebolando pra frente e pra trás enquanto minhas mãos percorrem seu corpo, indo de suas coxas para o quadril, cintura, barriga, peitos e depois descendo tudo de novo. Seus peitos balançavam enquanto ela rebolava e gemia, então eu a puxo e a beijo com vontade, com seus peitos colados e prensados ao meu e minha mão segurando forte sua bunda enquanto ela rebolava pra frente e pra trás. Ela diz:
– Ai Ale aah, aah, eu te amo.
Era muito bom deixar Alice controlar o sexo, era diferente, ela é quem buscava o prazer rebolando no meu pau para se satisfazer. Ela gemia enquanto roçava seu clitóris contra o meu corpo, aquele gemidinho meigo de menina dela. Ela aumenta a velocidade dos movimentos, era como se ela dançasse funk no meu cacete. Não demora muito até ela gozar, ela se debruça ainda mais sobre mim me apertando e gemendo alto, com seu corpo se arrepiando. Ela então desaba por alguns segundos, mas eu ainda não havia gozado e meu já estava doendo de tão duro, eu precisava gozar logo. Então eu não dou descanso a ela e a viro para o lado sem tirar meu pau de dentro dela, e agora estamos no gostoso papai e mamãe. Ela diz me olhando:
– Vai amor, me come, sou sua, mete com vontade na sua mulher.
Então ela puxa a minha cabeça e me beija enfiando a língua dentro da minha boca com muito erotismo. Eu obedeço ela e começo a foder, com vontade sem me conter, pois só faltava eu para gozar. Ela estava com as pernas bem abertas, totalmente exposta e entregue a mim para eu me satisfazer. Meto com vontade enquanto beijo sua boca e seu pescoço. Nossos corpos estavam suados já, devido ao calor e ao álcool que só fez aumentar a temperatura da transa. Depois de alguns segundos o rosto de Alice volta a demonstrar prazer, o tesão dela voltara. Eu as vezes observava seu rosto vermelhinho e meigo um pouco suado que me dava maia tesão, então eu beijava sua boca carnuda e molhada, aquela boca perfeita de Alice. Eu estava socando bem forte e Alice começou a gemer novamente:
– Ai Ale, aah, ai, aah, aah. Isso mete, ai, ai, aah.
Meu saco batia muito forte na sua bunda, e os sons de sexo era muito alto: ploc, ploc, ploc. A boceta dela estava muito molhada, parecia escorrer, e fazia um som molhado na penetração rápida. Eu sabia que ela não demoraria para gozar outra vez, e eu queria dar isso a ela, então mesmo numa vontade louca de gozar com meu pau doendo já, eu tentava resistir. Ela diz gemendo muito:
– Vai amor, por favor não para que eu vou gozar, vai amor, fode, fode, fode.
Eu então tiro forças que eu nem sabia ter e meto ainda maia forte e rápido, oque era quase impossível, e então ela goza, entrelaçando suas pernas em mim e me apertando com as unhas enquanto soltava uma gemidinho alto de choro. Eu então com o desafio cumprido me solto e gozo bem fundo, apertando meu corpo tão forte contra o dela que pensei até ter machucado ela. Gozei muito, gemi também e estremeci todo, tonteou tudo, e acho que por um relance de segundo cheguei a desmaiar/ficar fora de si, e ela então me cutuca com meu peso todo sobre ela:
– Ta tudo bem amor?
Eu demoro alguns segundos para responder, estava ofegante pelo gozo intenso:
– To sim amor, é que foi muito bom, so me da um tempo.
Ela me abraça com eu ainda sobre ela com meu pau ainda latejando duro dentro dela e suas pernas envoltas em meu quadril, e ela diz me dando um beijinho carinhoso em meu cabelo enquanto o acaricia:
– Ta bom amor, pode descansar.
Fico assim por uns 2 minutos com ela me fazendo um aconchegante cafune, e eu pensando: É com essa mulher que eu quero viver o resto da minha vida. Então eu olho para ela e nos beijamos apaixonadamente. Depois disso sai de dentro dela com meu pau já mole e deito do seu lado. Ela olha para mim sorrindo e diz:
– Isso foi muito bom, você foi incrível. Eu te amo.
– Gostou?
– Eu gozei duas vezes Ale, eu amei.
Nos beijamos mais um pouco e então ela se levanta e corre pela areia nua e vai para a agua, e eu a sigo. Ela entra reclamando:
– Nossa ta gelada.
E então ela ri enquanto me joga agua. Realmente estava gelada, mais com aquele calor e depois de uma transa ao ar livre, aquela agua era bem vinda. Agente brinca e se beija na agua, pulando, jogando agua e rindo um do outro, era nossa criança interior, nus de corpo e alma.
Depois ela volta para a areia, e se enxuga com a toalha, depois se veste e diz:
– Infelizmente temos que voltar ao mundo meu amor. Queria que essa noite fosse eterna, mas já devem estar sentindo nossa falta.
Realmente já fazia uma hora desde que os fogos estouraram, e tínhamos que voltar. Quando voltamos, fomos ao encontro de Thais que já nos procurava e ela diz:
– Por que seu cabelo ta molhado Ali? E o seu Ale? Vocês nadaram?
Eu respondo:
– Agente foi ali na prainha secreta dar um mergulho.
Ela então indaga:
– Pelados?
– Eu to de sunga e Ali levou um biquíni que ela trouxe na mochila das toalhas.
Era mentira, é obvio. Então Alice provoca:
– E mesmo se eu tivesse nua, oque que tem? Ele é meu irmão, não tem nada de mais.
Então eu digo baixinho para Thais para fugir do assunto:
– Não liga não prima, ela ta meio chapadinha.
Na verdade Alice não demostrava mais nada do álcool, mesmo assim ela nunca esteve bêbada, só alegre/fogosa. Thais então diz:
– Chega ai vamos tomar mais uma cerveja.
– Acho melhor não Thais, ela já bebeu mais do que a vida toda.
Thais já vai entregando mais uma latinha a Alice me ignorando e diz:
– Deixa ela se divertir Alexandre.
Então Alice diz:
– É Ale.
So que com o passar do tempo, aquela latinha se transformou em 3 e Alice cada vez mais animada, e já percebo ela um pouquinho diferente, já estava um pouco bêbada. Então o pessoal propõe outra dose de tequila, eu tomo e sem eu nem perceber pois teria impedido, Alice toma rapidamente uma dose generosa. Então eu digo:
– Alice vamos indo embora já.
Thais percebendo o estado meio embriagado de Alice diz:
– É melhor mesmo.
Então ela chega no meu ouvido e diz:
– Vai levando ela, vou me despedir aqui do pessoal e já vou atrás de vocês. Tenta contornar nossos pais, eles tão num barzinho no inicio da praia antes da trilha pra nossa casa.
Então eu fui indo e não andamos nem 100 metros e Alice começa a mostrar que a bebida bateu como se diz. Ela fica tonta e eu vou levando ela discretamente pela multidão e vou me distanciando do tal bar e Alice reclamando de enjoo. Quando começo a subir a trilha no morro para nossa casa Alice para e diz:
– Vou vom…
Eu já sacando a coloco de joelhos e seguro seu cabelo para trás, e ela vomita. Ela fica parada por um minuto e diz:
– Desculpa Ale. Por favor me desculpa meu amor, eu devia ter te escutado, eu sou um idiota.
Ela não ia conseguir subir, estava muito fraca e tonta, então eu a pego no colo e vou subindo no maior esforço. Ela estava muito pálida e suando, eu estava com medo, pedia a todo momento para deus me ajudar, eu temia por ela pois parecia que estava muito fraca e palida, e eu dizia:
– Aguenta meu amor.
Então no meio do caminho sou alcançado por Thais que já vem me perguntando:
– Voce aguenta levar ela até la?
Eu mesmo suando de força subindo o morro digo:
– So vai na frente e abre logo as portas da casa por favor.
Thais corre na frente e eu a sigo dizendo a Alice que gemia pálida:
– Aguenta ai amor, estamos chegando.
Então finalmente chegamos e eu entro rápido na casa a levando ao banheiro e digo a Thais que ia na frente:
– Liga o chuveiro.
Eu a sento no box debaixo do chuveiro de roupa e tudo. Então eu desabo no chão de cansaço ao lado dela. Ela então diz:
– Eu quero vomitar.
E rapidamente eu e Thais a seguramos até o vaso e ela vomita novamente, depois eu a trago de novo a agua e a deixo com Thais dizendo:
– Pode deixar Ale, eu vou tirar a roupa dela e vou dar um banho. Vai tomar banho você.
Eu vou e tomo meu banho mais sem deixar de pensar em Alice por um segundo. Termino rápido e volto para o quarto das meninas ao mesmo tempo em que Marcos e Larissa estavam chegando. Eu entro no quarto e Thais estava tirando Alice já de roupão do banheiro, então a ajudei a se deitar na cama e Thais diz aos irmãos:
– Não contem a ninguém ouviram?
Deitamos Alice e Thais diz:
– Vou eu tomar um banho agora. A Alice vai ficar bem, só precisa dormir.
Quando todos saíram do quarto e dou um beijinho em Alice e ela diz:
– Hoje foi ótimo Ale. Voce foi demais, é o melhor irmão e namorado do mundo.
Eu dou uma risada e digo dando outro selinho nela:
– Boa noite meu amor, durma bem e sonha com os anjos.
Ela sorri e diz:
– Sonharei com você, com agente.
Eu vou para o meu quarto dormir, e eu sonho com Alice, com a gente sobre as estrelas.
Continua…
Galera gostaria de avisar que não estou apoiando e nem incentivando qualquer menor de idade a beber bebidas alcoólicas, apenas descrevi em meu conto fantasioso algo que acontece no mundo, e o consumo de bebidas por adolescente é uma realidade. Isso é apenas ficção baseado na realidade, sou contra menores beberem e usarem drogas. Fica o alerta.