Namoradinha Colegial

Click to this video!
Autor

Moro perto de uma escola particular, devido a isso criei uma certa tara pelas garotas q vejo os pais vindo buscar na porta da escola. Ver aquelas patricinhas, com aquele uniforme branco e calças jeans, me deixava louco, então eu evitava sair na frente de minha casa, nos horários de entrada saída e intervalo da escola, para não passar vontade.
Porem um dia, eu estava de saída para visitar um cliente (trabalho em casa, designer, e às vezes faço bicos de fins de semana como fotografo, mas a maior parte do tempo trabalho em casa), e ao abrir o portão para sair com o carro, uma garota aparece na minha frente me perguntando como fazia para chegar ao terminal rodoviário, ela parecia apressada, mas era difícil explicar, afinal ela teria q pegar um ônibus urbano e depois andaria um bom trecho para poder chegar na rodoviária. Eu pensava cmg mesmo, q não deveria oferecer carona, pois sabia de meus desejos e ela era linda, cabelos castanhos super lisos, rotinho de menininha, seios médios, coxas grossas e uma bunda grande com uns jeans q evidenciava ainda mais seu quadril, deveria ter uns 15 anos. Como tentei explicar e ela (q provavelmente não estava acostumada a ônibus) acabei oferecendo carona ate um local próximo.
Ela parecia triste e com pressa, me controlei o caminho todo, não dei nenhuma cantada, apenas perguntei seu nome, se ela estava bem, coisas assim. Ela se chamava Rafaella, 15 anos realmente, e sua mae estava esperando na rodoviária. Acabei desviando um pouco o caminho e a deixei na porta da rodoviária, ela me agradeceu muito dizendo q não sabia como me pagar, eu brincando disse: “vc sabe onde moro, me paga um sorvete qualquer dia e esta tudo certo”. Foi a primeira vez q ela deu um leve sorriso no trajeto. Antes dela descer, eu apontei o dedo no meu rosto e cheguei perto para ela beijar, me deu o beijo no rosto e saiu. Segui ao meu cliente fazer meu trabalho, e o tempo passou, eu já tinha esquecido o que havia acontecido, pois 2 semanas haviam se passado.
Foi numa quarta feira, a campainha toca e quando atendo era ela parecia um pouco nervosa, mas tinha um pote pequeno de sorvete na mão. Era cedo ela deveria estar em horário de aula, a cumprimentei e convidei a entrar. Ela aceitou e parecia nervosa, sabe quando vc entra pela primeira vez na casa de alguém e se senta e age todo comportado, ela estava exatamente assim. Disse para q ela ficasse a vontade. Ela tinha comprado apenas um pote de sorvete individual pra mim, então tomamos juntos, eu tentava conversar e descontrair um pouco. Rafaella me agradecia dnv, na conversar ela me explicou o q aconteceu no dia q teve q ir a rodoviária, ela tbm me explicou q depois daquele dia, sua mãe achou melhor ela usar o transporte publico (pois seria mais conveniente para a mãe dela e seu trabalho), assim fazia uma semana q ela estava usando ônibus pra ir embora, e como saiu mais cedo hj, resolveu passar me ver.
A partir desse ponto, começamos a conversar mais, e ela foi se soltando, quando chegou a hora de saída ela se despediu, beijo no rosto e foi pegar o ônibus, eu disse pra ela passar em casa sempre q tiver vontade e assim ela fez. Voltou varias vezes tomamos mais sorvete conversamos, e ela acabou me falando q na parte da tarde ficava sozinha na casa dela, a mãe só voltava à noite e o padrasto nunca estava por perto. Passamos a tarde nos conhecendo ainda mais. Eu já ficava ansioso esperando ela aparecer, tentava ao máximo agilizar o trabalho para ter mais tempo com ela, e depois compensava trabalhando a noite tbm. Nossas tarde eram de pura diversão, eu com meus 25 anos, me controlava para não dar cantadas nela, e nem tocava em assuntos do tipo. Afinal tínhamos 10 anos de diferença, e às vezes eu parecia mais criança do q ela durante nossas brincadeiras.
Nesses dias, jogávamos vídeo game, dançávamos feito loucos sozinhos (coisa q eu jamais faria na presença de ninguém me sentia a vontade com ela), assistíamos filmes juntos (na sala ou no meu quarto deitados juntos). No aniversario dela a levei ao shopping escolher um presente. Ela já era de casa, e às vezes trazia roupas e tomava banho em casa mesmo, ficava de shortinhos, q me deixava tão louco quanto o uniforme justo q ela usava. Percebi q seus seios estavam de pequenos pra médios, pois ela usava um pouco de enchimento (mas ainda estavam em fase de crescimento). Tudo isso estava muito bom pra mim, às vezes eu a ajudava com deveres de escola, outras ela apenas ficava me vendo terminar algum trabalho. Quando ela pegava no sono, muitas vezes eu ficava a admirando, linda, seu rosto e corpo, eram tudo perfeitamente distribuídos. Varias vezes ela dormia enquanto fazia cafune e ou mexia em seus cabelos. Então um dia, me perguntando o pq ela vinha todo dia me ver, acabei perguntando pra ela.
– vc não tem nenhum namorado? Suas amigas não acham estranho vc vir aqui todo dia?
– Logico q não, eu falo pra elas q vc é meu namorado. – respondeu ela me deixando de boca aberta com o q ouvi.
– mas vc não tem nenhum rapaz da sua idade q goste? Os meninos devem cair matando em cima de vc.
– Ah, eles ate tentam, mas eu falo q já tenho namorado, e realmente não tem nenhum q eu goste… da minha idade. – essa pausa me fez parecer q ela tinha intenção de dizer q gosta de alguém mais velho.
– Entao quer dizer q sou seu namorado? E eu nem sabia!
– eh sim Andy. – (meu nome é Andre, mas ela me chama de Andy)
– e vc não tem vergonha de vir na casa do seu namorado e não dar nenhum beijinho – nesse momento comecei a perder o pudor.
Nesse momento, ela que estava me observando enquanto preparava as roupas para seu banho, chegou perto e me deu um beijo bem demorado no meu rosto.
– Nossa, se é assim q vc beija seu namorado, acho q vou ter q terminar com vc!
Ela deu um sorriso tímido e disse q não tinha muita experiência por isso tinha vergonha, apesar das amigas pensarem q ela já era experiente, percebi q ela nunca havia beijado ninguém. Ela se aproximou toda tímida, peguei em suas mãos, puxei em minha direção e com a mão no rosto dela, eu a beijei lentamente, ela não era ruim para a primeira vez, quando demos uma pausa apenas disse q ela me acompanhasse, e aos poucos fomos sincronizando. Terminei dizendo: “adorei seu beijo, e esses seus lábios macios”, ela sorriu e pareceu perder um pouco mais a timidez, e foi pro banho enquanto fui preparar um filme pra gente ver em meu quarto, além de tentar me acalmar, pois aquele beijo me deixou duro. Quando ela saiu, me deu um selinho e fomos assistir o filme, nada mudou entre a gente, a única coisa, era q agora além de nos divertirmos, sempre ficávamos um certo tempo nos beijando e a cada vez ela me beijava melhor. E varias vezes eu percorria minha mão por aquele corpinho, ela nunca me fez parar, mas eu me segurava por saber q ela era virgem.
Eu já tocava todo aquela corpo durante nossos beijos, mesmo com roupas eu passava a mão por dentro, tocava aqueles seios durinhos e redondinhos beijava aquele pescocinho, dava longos abraços, de frente e por traz, dentro de casa éramos um casal de namorados, ela nem usava os enchimentos, pois eu mesmo pedi. Ela não havia me tocado ainda, e eu nunca a pressionei, mas um dia estávamos no sofá, e ela tinha dormido com a cabeça em meu colo, eu fazendo carinho, quando sinto sua mão sobre meu pau. Ela começou a esfregar por cima do shorts, e o volume foi evidente. Nesse dia eu a levei ao quarto e a chupei inteira, foi a primeira vez q a vi so de calcinha e sutiã, cheia de desenhos, e flores. Eu já havia a feito gozar algumas vezes a tocando, mas aquele dia foi a primeira vez fazendo sexo oral.
Apenas nos próximos dias foi q ela se sentiu a vontade para fazer sexo oral. E eu sempre fui ensinando td o q ela queria saber, ela era bem inocente quando o assunto era sexo. A ensinei como fazer um bom boquete, chupava enquanto eu segurava seus cabelos, sem forçar, sem usar as mãos, sem tocar os dentes, e aos poucos ela já estava com metade de meu pau dentro da boca, subindo e descendo balançando os cabelos. Sobre prevenção, ela apenas sabia da camisinha, e inclusive isso, eu a fui ensinando, e comecei ensinando algo q sempre quis. Mesmo sem fazer sexo ainda, comprei camisinhas e a fiz treinar colocar com a boca, gastamos varias camisinhas com a tentativa, mas valeu a penas ver ela colocar a camisinha inteira com a boca em meu pau. Após isso ela q tinha sede por conhecer mais e querer fazer direito, me disse q queria experimentar meu gozo. Então ela foi me chupando, aquela boquinha descia pouco a pouco, quase não conseguia engolir inteiro 18 cm eu sei q não é pequeno, mesmo assim ela foi me chupando ate q eu disse pra ela colocar a cabeça na boca, usar a linha esfregando embaixo da cabeça e punhetar lentamente com uma mão. Quando comecei a gozar naquela boquinha, ela foi engolindo pouco a pouco, e pra minha surpresa, depois de gozar, ela continuou me chupando, limpando meu pau todo, e deixando minhas pernas bambas. Ela pareceu gostar de ver minha reação, pois dava risada toda vez q minhas pernas tremiam e continuava me chupando mais forte, ela dizia q minha porra era um pouco salgada, mas tinha gostado de engolir, então a maiorias das vezes ela me chupava ate gozar, poucas vezes me fazia gozar no rosto ou peitos. Ate q o grande dia chegou, e ela disse q queria q eu tirasse sua virgindade. Sua mãe quase não a dava atenção devido ao trabalho, nunca parou para conversar sobre o assunto e mal sabia dos detalhes da própria menstruarão, eu achava aquilo ridículo o fato dela não saber, e ao mesmo tempo achava fantástico, uma garota tão pura e inocente com aquela idade.
Então peguei pra ensinar td pra ela, fizemos o de sempre, ela me chupou um pouquinho, e depois eu tomei a liderança, comecei de cima pra baixo, beijando sua boca, e a tocando, ao chegar em seu pescoço, ela já estava gemendo, então continuei em seus seios, durinhos, biquinhos eretos e pontudos, aquela pele branquinha, os biquinhos um pouco mais escuros, deliciosos, colocava minha boca em seus seios, e ia passando a língua nos biquinhos revezando de um para o outro, desci beijando sua barriga, ate chegar em seu clitóris, e continuei chupando, abracei suas coxas, minha cabeça entre suas pernas grosas, aquela bucetinha fechadinha, e rosada, ela havia se depilado especialmente praquele dia, so parei de chupar quando ela gozou, puxando meu cabelo, nesse momento eu me posicionei e ela me deu o sinal q poderia continuar, mesmo parecendo nervosa, fui introduzindo a cabeça e quando senti resistência, a abracei e estoquei firme e forte, e fiquei parado, ela deu um gritinho e disse q tinha doido e q era pra tirar. Continuei abraçando ela e dizendo pra se acalmar: “calma, o pior já passou, logo vai ficar gostoso, quando se acostumar me avisa” fui acalmando ela enquanto a beijava e fazia carinho, esperando ela se acostumar cmg, ela era muito apertada, obviamente por ser virgem.
Quando ela me deu o sinal pra continuar, eu fiquei parado, beijei seu pescoço, e sussurrei em seu ouvido: “vai arder um pouquinho no começou, mas vai ficar gostoso a cada vez q eu colocar dentro”. E fui beijando ela com movimentos leves, fazendo ela gemer bem baixinho, ficamos assim, e ela não demonstrou nenhuma dor, aos poucos fui aumentando a velocidade, as vezes no meio dos gemidos ela dava uns gritinhos finos, aquilo me enchia com ainda mais tesao, seu rosto demonstrava, as vezes sofrimento, outras delírio. Pra mim era puro êxtase essas expressões dela. E foi quando eu aumentei o ritmo indo mais rápido q ela gemeu dizendo: “ahh, to gozando, ahh ta muito gostoso, ahh continua, vai me come gostoso, come q essa bucetinha é suaa”. Vendo-a gozar daquele jeito, e pedindo mais, so me fez querer aproveitar cada vez mais o momento, mas eu não ia aguentar muito mais. Como ela já tinha gozado, a coloquei de ladinho. E fui metendo devagar, a abraçava forte, sem a deixar sair de meus braços, aquela bunda grandinha e redonda, lisinha empinando de encontro ao meu pau, uma de minhas mãos a estimulando e a outra a segurando firme. Eu queria ver aquele rostinho de mocinha dela delirando mais uma vez durante o gozo. “vou lhe ensinar outro método de prevenção, vc confia em mim?” disse a ela, q delirando concordava com td q eu falava, e eu sem aguentar mais, comecei a gozar dentro daquela bucetinha apertada, dava estocadas firmes, e gemia perto do ouvido dela, a penetrando e mexendo no clitóris com meus dedos. Eu já tinha gozando, quando senti espremer meu pau q já estava começando a amolecer, enquanto ela gemia, continuei tocando ela, e vendo aquele rostinho lindo gemendo.
Dali ficamos nos beijando e fomos tomar banho juntos, depois fui a farmácia e dei a ela a pílula do dia seguinte, expliquei pra q servia e q o efeito e melhor se tomado o quanto antes. Daquele dia em diante, sempre q ela chega vai pro banho e vou junto, assistimos filmes e transamos, passei a usar camisinha, então ou eu gozava na boca dela, ou na camisinha, mas um tempo depois, ela de 4 (e que bunda maravilhosa ela tem), ela parou pra me chupar, eu deitei e ela tirou a camisinha e começou a me chupar, quando eu comecei a gemer mais alto, ela veio cavalgar dizendo q estava com vontade de fazer sem camisinha, me segurei pra deixar ela aproveitar mais um pouco, ela pulava, seus cabelos balançavam era a visão do paraíso, e quando eu não conseguia mais me segurar, falei q ia gozar, mas ao invés dela sair, acelerou a cavalgada. Nem deu tempo de tirar, acabei gozando dentro dela, e ela delirava começou a gozar junto cmg, e nem estava mais me ouvindo. Quando ela voltou a si, eu perguntei o pq ela tinha feito isso, q eu já havia explicado q era perigoso, ela apenas disse q tinha gostado quando gozei dentro dela, pois dava uma sensação de quentinho dentro dela e ela tinha gostado daquilo, por isso gozou, e que era so tomar a pílula q ia ficar td bem. Foi ai q expliquei pra ela q não era bom tomar a pílula com frequência, pois pode fazer mal pra ela.
Nesse momento ela ficou desesperada com medo de engravidar, mas acalmei-a, e depois vimos q era dia de descer sua menstruação, então ela ficou mais aliviada, pois expliquei q nesses dias ela não esta fértil. Mas após esse ocorrido, a levei a uma médica, q receitou anticoncepcional, ele explicou td a ela, e hj não tempos essa preocupação. Faz 1 ano q conheci ela, e namoramos apenas em casa, as vezes a levo pra sair de dia, ela é compreensiva e sabe q posso me complicar se a mae dela não gostar dela namorar alguém 10 anos mais velho. Mas sinceramente a mae dela mal presta atenção nela, então nem deve suspeitar. Tomamos cuidados com sexo, mas agora ela esta curiosa, pois eu disse: “sexo anal é totalmente seguro, e tenho certeza q vc vai gostar tanto quanto o normal”. Ela esta nervosa, mas tbm quer perder a virgindade anal.

NAO ESQUECAM DOS COMENTARIOS!!