Voltando da escola

Click to this video!
Autor

Olá pessoal tudo bem? Espero que sim.

Antes de mais nada tenho notado que todos se descrevem antes de publicar os seus contos, e por uma falha minha sempre me esqueço.

Então vamos lá, tenho 1,63 de altura, peso 51k e tenho olhos verdes e cabelos negros, lisos, meus seios são médios, minhas coxas são roliças, sempre gostei de caminhar, prefiro andar a pé que de carro. De todo o meu corpo a parte que mais chama atenção, e que particularmente eu amo é a minha bundinha, ela não é tão grande, mas é bem redondinha, durinha e gostosa, desde os meus nove anos a minha bundinha já era muito gostosa, os meninos adoravam passar as mãos ou até mesmo dar umas encoxadas.

Inclusive em uma tarde chuvosa eu resolvi tomar o ônibus que passa perto da minha casa, ele estava lotado, e naquele dia pra minha sorte havia mais meninos do que meninas. Eu dei um tempinho para que todos entrassem, e é claro, entrei por última, de propósito pra ficar em pé. Uns meninos me ofereceram o lugar, mas eu dei uma desculpa que desceria “logo ali”.

No trajeto pra casa, a chuva começou a ficar forte, e talvez por esse dia que eu tenha ficado com um pavor desgraçado de tempestades.

O motorista avisou que teria que parar o ônibus, pois a tempestade estava realmente muito forte e ninguém reclamou. Mas com aquele coletivo lotado não tinha quem estivesse confortável. Eu tentava olhar pela janela pra ver a chuva, e toda vez que eu me movimentava sentia que a minha calça e a minha calcinha atolavam ainda mais em meu cuzinho, e a minha bunda ficava ainda mais em evidência, usava uma camiseta curta da escola, e uma calça bem fina, era uma delícia quando percebia que algum menino estava olhando em minha deliciosa bundinha.

Num dado momento senti que alguém encostou em mim, e ao olhar pra trás vi que era o San, um menino muito simpático, um ano mais velho que eu, só que era magrinho e baixinho, com aquela cara de menino bonzinho, mas na verdade pegava todas na escola.

Ao encostar em mim pela segunda vez senti que o seu pau estava duro, e deu pra notar que não era pequeno, fiquei toda molhadinha na mesma hora, e dei um sorriso pra ele, que logo percebeu que eu estava gostando daquela situação.

Sendo assim tratou de encaixar o seu pau bem no meu reguinho, que aquela hora só queria um pau se esfregando, eu olhei pra trás e quase que encostando em sua boca eu perguntei:

– Oi! Você mora por perto?

– Não eu moro bem longe.

– Que pena, tenho que descer logo ali, e está tão gostoso aqui. (falei e dei uma empinada na bundinha, como que se precisasse dizer que estava amando sentir o seu pau em minha bunda).

– Eu posso descer com você se quiser, pego o próximo coletivo.

– Que bom! A gente toma um café em casa, eu sei fazer, sabia?

Ele sorriu e concordou em “tomar um cafezinho” em minha casa, alguns minutos depois a chuva começo a aumentar ainda mais, e o ônibus chegou a balançar algumas vezes, eu fiquei apavorada, que agarrei no San. E ao agarrar nele, e agora de frente, senti o seu pau se encaixar no meio das minhas coxas, bem na bucetinha, um misto de tesão e de medo, foi muito gostoso.

– Não se preocupe, aqui estamos seguros. – ele me disse e passando a mão em meus cabelos, e depois foi descendo pelo meu rosto, e quando dei por mim ele estava com a mão em cima da minha bucetinha, e passava o dedo bem em minha rachinha, que delícia sentir aquele dedo na buceta, a minha vontade era de pegar no pau dele, tudo estava tão gostoso, quando vi que ele estava sorrindo e piscando.

De repente sinto um outro corpo se encostando em mim, agora pense na situação: – eu estava de frente para o San, e veio o James, um outro menino que não desgrudava do San, e ficou ali bem atrás de mim, eu fui feita de recheio para os dois.

Nossa um calor subiu pelo meu corpo, sentir um pau se esfregando em minha bundinha e um dedo em minha bucetinha, que mal tinha alguns pêlinhos, fiquei morrendo de tesão. Sentada ao meu lado uma menina toda cheia de sardas, que se chamava Fabiane, ela ria da situação. E eu olhando pra ela não sabia que fazer, foi quando ela também começou a passar a mão em minha bucetinha, fiquei louca de tesão, enquanto que o seu namoradinho se esfregava em mim – é – depois descobri que o James era o namoradinho dela.

A Fabiane levantou e ficou encostada no braço do banco e cochichou em meu ouvido, vou também tomar o tal cafezinho em sua casa, sua gostosinha.

Descemos na esquina da minha casa, e a chuva havia dado uma trégua, fomos eu o San, a Fá e o James. Ao entrarmos em casa, fui ao quarto dos fundos avisar ao Carlos que eu já havia chegado, e chegar na janela, vi uma cena estarrecedora: A minha Mãe estava de quatro e o Carlos comendo a por trás, não sei se era o Cuzinho ou se era a Buceta, mas ele estava ali socando nela e sem dó.

Eu me abaixei e fui pela perto da porta do quartinho, na posição que mamãe estava não daria para ela ver, mas o Carlos poderia me ver, e era exatamente o que eu queria.

Quando olhou para a porta e me viu, quis parar, e eu dei um sorriso bem malicioso pra ele, e dei tchau, saindo bem devagar.

Nossa a mamãe tinha um rabo de dar inveja a qualquer mulher da sua idade, e muitas vezes pela madrugada eu acordava e ia pé ante pé vê-los meter já na madrugada, e ouvia ela dizendo:

– Come o meu cuzinho querido, por favor, fode o meu cuzinho…

Eu acho que papai não era muito chegado em comer um cuzinho.

Voltando pra casa vi que o meu irmão Xico já estava enturmado com o pessoal, fui fazer o café como havia prometido. E foi lá na cozinha que tive uma idéia brilhante. Liguei para o celular da mamãe, e perguntei a que horas ela chegaria em casa.

– Oi minha linda eu acho que por volta das 19h, e o seu Pai deve chegar mais tarde, peça uma Pizza pra vocês.

Quando desliguei o telefone, dei um tempinho e olhei pela janela do banheiro e vi a minha Mãe e o Carlos saindo de fininho pelo portão dos fundos. Achei graça, mas enfim, era o que eu precisava.

Ao voltar para sala com o café só estavam o Xico e San jogando, e o casalzinho havia sumido, perguntei e o Xico me mostrou as escadas, fui atrás deles, e quando cheguei no quarto do meu irmão, virei uma estátua.

A Fá estava deitada na cama, totalmente nua e o James em cima dela que cena MARAVILHOSA. Os dois me ignoram de tal forma que fui chegando cada vez mais perto e me sentei na poltrona e comecei a relaxar com aquela cena e fui enfiando as mãos por dentro da calca e puxando a calcinha de lado atolei o dedo na buceta, e fiquei ali me masturbando até gozar junto com a Fa, meus dedos ficaram melados.

Eu já havia dado o meu cuzinho várias vezes, mas não tinha coragem de dar a buceta, e também já sabia, como ninguém chupar um pau até gozar em minha boca.

Quando olhei para a porta o San estava ali parado ao lado do meu irmão que também estava tocando uma punheta vendo aquela foda gostosa.

Foi ai que o Xico veio em minha direção e me fez chupar o seu pau na frente de todo mundo, e como eu adorava chupá-lo, não pensei duas vezes. De repente o San também já estava fodendo a Fá, enquanto eu chupava o Pau do James, e o Xico comia o meu cuzinho.

Ficamos ali por horas, quando demos pelo horário, até o Joãozinho, que chegou depois já tinha chupado o Pau do San, do James e do Xico, enquanto eu e a Fa nos esfregávamos vendo tanta putaria e safadeza, pena que eu morria de medo de dar a Buceta.

Ficamos nessa de se encontrar quase todas as tardes em casa, até que um dia a Fá foi embora do nosso bairro, e o San e James também.

Com a ida deles voltei a fazer as minhas caminhadas, lembro-me que já era o segundo semestre daquele ano. Por conta de uma viagem, eu faltei dois dias às aulas, e não ficamos sabendo de uma reunião de pais que aconteceria naquela segunda-feira.

Como fazíamos todas as manhãs fomos à escola, e somente lá no portão soubemos que haveria aulas até o intervalo, tentei ligar para os meus pais, mas como tanto eu quanto o Xico sempre tirávamos boas notas e raramente entravamos em confusão, a diretora disse que não havia necessidade, mas mesmo assim ligaram para o meu pai para que ele nos autorizasse a irmos embora com a Tia da Mel, que nos deixaria em casa, ele autorizou é claro. Gente pense numa Tia Gostosa, era tanto quanto a tia Van, mãe da Mel, só que bem mais nova.

Ao descermos no portão de casa agradecemos e entramos. O Xico nem entrou direito e foi pra casa do João, eu fiquei em casa, queria tirar o atraso com o Carlos, e saber mais sobre as fodas dele com a Mamãe.

Fui ao banheiro e lavei a minha bucetinha, e troquei de calcinha, e coloquei uma tanguinha de mamãe, uma que ficava socada no meu cu. Olhei pela janela e vi a luz acessa, estranhei, e desci bem devagar, e quando olhei por cima do portão vi o carro de papai estacionado na rua dos fundos, e a Sandy estava presa no lado ao contrário, talvez para vigiar.

Fui bem devagar ao quartinho e vi uma cena linda. O Carlos estava socando em minha mãe enquanto ELA chupava o Pau de Papai, fiquei melada na hora, e vi a quem eu meu irmão puxamos, era tanta putaria.

De repente o celular de Papai toca, ele ao atender, teve que sair correndo, mas antes deu uma lambida na buceta de mamãe e um beijo bem gostoso, e disse para o Carlos:

– Fode bem um cuzinho dela.

Eu tentei me esconder, mas a Sandy me entregou, tentei disfarçar, mas Papai percebeu que eu tinha visto e me chamando, fez com que o Carlos aparecesse na janela.

Então deduzi que sem querer havia estagado a foda deles.

– Oi Pai, acabei de chegar, estou indo pra casa da Mel, posso ir?

– Sim!É claro que sim, quer que eu te deixe lá?

– Não precisa, eu vou a pé, ou de bike, fique tranqüilo. O senhor viu a mamãe?

– Sim! Ela está no salão fazendo o cabelo, você sabe como a sua mãe é vaidosa!

– Sei sim, tchau Pai.

Meu pai saiu e eu vi pela janela a minha mãe saindo também, quase que se rastejando.

Dei um tempo e fui atrás do Carlos, e quando cheguei a calcinha mamãe ainda estava na cama, e quando ele saiu do banheiro eu estava ali, com a calcinha na mão e dando risadas.

– Primeiro a mãe agora a filha putinha, fode o meu cuzinho, por favor, estou morrendo de tesão.

-Não! Eu não vou arrombar o seu cu, ainda, venha aqui que te darei uma bela chupada nessa bucetinha deliciosa, que um dia irei arrombar também.

A cada dia que passava o Carlos me chupava ainda mai gostoso. A noite enquanto eu ouvia o meu pai fudendo a minha mãe eu chupava o pau do meu irmão, que todos os dias fudia o meu cuzinho e gozava em minha boca.

Pensem uma coisa, o meu caso é que sou tarada mesmo, e até hoje, mesmo depois de casada, e muito bem casada, eu, meu irmão, a Mel e João damos as nossas fugidinhas, e como é gostoso ser chupada e chupar a buceta da Mel e depois por as nossas aranhas pra brigar, e ver bem de perto o João chupando o Xico, enquanto ele me chupa a buceta, e a Mel atola um consolo em meu cuzinho.

Na semana passada, fomos a um motel, e pela primeira vez, depois de adultos e casados, o João e o Xico fizeram uma dupla penetração, primeiro na Mel e depois em mim, e tenho gravado…

Tchau pessoal, beijos .