O bonde

Click to this video!

Miriam Gomes havia acabado de sair de uma litigiosa separação de um casamento de mais de dezessete anos com o empresário escocês Angus McCarty. Miriam era morena tinha 35 anos, os cabelos castanhos escuros, ondulados, lábios carnudos, um corpo esguio e uma bundinha deliciosamente empinadinha. Ela era idêntica a atriz global de nome "Vanessa Gerbelli", pelo menos era o que todos os seus amigos e conhecidos achavam e o que encorajou a mesma a até fazer um book de fotos devido aos tantos elogios e comparações que faziam com ela. Miriam era oriunda de uma das tantas comunidades pobres do Rio e há dezessete anos atrás num carnaval conheceu Angus que viajava em férias pelo país. Ao ver aquela delícia de morena, Angus logo se rendeu aos encantos de Vanessa…quero dizer, Miriam…! Miriam teve um filho com Angus, "Ian Mcarty Gomes". Hoje com 14 anos. Ian sofria de uma espécie de autismo e com isso estudava num colégio especial e bem caro. Durante o casamento com Angus Miriam tinha um ótimo e abastado padrão de vida, morava na Barra da Tijuca, comprava roupas caras e fazia todas as vontades do pequeno Ian. Mas com a separação as coisas mudaram. Angus retornou para o seu país de origem e Miriam junto com o filho teve que se mudar para um bairro de classe média-baixa do subúrbio e bem próximo de uma das mais perigosas comunidades da cidade. Eram constante os tiroteios e algumas cápsulas já foram encontradas até memso na varanda de Miriam que nem morava tão perto assim do local. Com o padrão de vida mais baixo, Miriam teve que matricular Ian numa escola pública de região. Ela vivia com uma boa e "obrigatória" pensão alimentícia e com isso ainda tinha o seu carro e todas as manhãs trajando seus ‘deliciosos kilts’ quadriculados comprados nas viagens que fazia com Angus para as "Terras-altas", seguia na companhia de seu filho especial. Tudo seguia muito bem, até que o pequeno Ian começou a aparecer em casa sujo e com algumas escoriações. Miriam se espantava e perguntava ao filho o que havia acontecido. O menino se recusava a falar, parecia que não queria entregar alguém, mas com o tempo e com mais escoriações surgindo, as suspeitas de Miriam se revelaram. Ian estava sofrendo Bullying na escola. E no dia seguinte ela resolveu tirar satisfações com o tal algoz de seu filho. Miriam ficou estacionada com carro próxima a saída da escola e pediu para que Ian mostrasse a ela qual dos muleques era o que o agredia. E muito timidamente, Ian apontou para um grupinho próximo dali, onde estava o temido "Niquinho AK", que diziam ser filho de nada mais nada menos que Tonico Ak. Um perigoso traficante da área. Niquinho só tinha 15 anos mas já era o terror daquela escola e até da região. Não sabendo disso e talvez nem querendo saber, Miriam com sua atitude de "mãe decidida", sai do carro, ajeita o kilt ‘camuflado’ que trajava e parte para cima do grupo de muleques. Miriam muito brava começou a chamar a atenção e até a xingar o bandidinho que olhava para ela com cinismo e indiferença, além de é claro negar tudo aquilo que Miriam estava lhe acusando. Após isso, Miriam sai dali retornando para o carro onde Ian estava no banco do carona e antes de ela adentrar o veículo, Miriam ainda olha para o grupo onde Niquinho estava e demonstarando ainda mais deboche e audácia, o mesmo tira a camisa para Miriam se mostrando para a mesma. Miriam faz cara de desprezo, entra no carro e sai dali, deixando o grupo aos deboches com ela. E os dias se seguiram, durante algum tempo, Ian ficou livre das perseguições de Niquinho e a vida parecia seguir normalmente. Mas num belo dia, Miriam voltava de um salão de beleza e chegando em casa "apertada", ela corre para o seu banheiro onde chegando levanta o seu kilt e faz o que tem que fazer, quando o telefone da sala toca insistentemente. Miriam se irrita e sai do banheiro sem mesmo se limpar para atender. Ao chegar ao telefone, ela ouve a voz desesperada de um dos coleguinhas de Ian, dizendo que o mesmo estava nas mãos do "Bonde da Gazeta", como era conhecida a gangue de Niquinho e que esse estava fazendo várias maldades com o garoto. Miriam logo se desespera larga o telefone e ruma imediatamente para local onde filho estava que era um terreno baldio não muito distante da escola. Lá chegando, ela deixa o carro próximo ao terreno, onde adentra até chegar próxima a vários carros desmanchados. Ao caminhar por aquele descampado, aquela velha ‘patriçola’, de kilt quadriculado e botinha, se espanta e se enoja com os preservativos usados e vestígios de drogas também usadas, que ela vê pelo chão e quase pisa sobre os mesmos. E ao se aproximar de alguns outros ‘esqueletos de carros’ e outras quinquilharias que ali se amontoavam, dá de cara com uma roda formada por mais de cinco muleques e mais duas meninas e todos usando uniforme da escola, e no meio estava Ian sendo judiado devido ao seu autismo e até mesmo obrigado a ingerir alcool e drogas das mais pesadas ao som de um "funk proibidão’ que rolava num celular ou radinho ‘toca mp3’ de um deles. E irada e horrorizada, Miriam pega o seu filho pelo braço e esbraveja fazendo várias ameaças ao grupo delinquentes. E quando já ia saindo dali, Niquinho e os demais muleques se aproximam da mesma e parecendo chapados, a cercam: – E aí tia, já vai…?! – Mas a festa nem começou ainda…?! Diz Niquinho de uma forma bem safada – Que isso, seus muleques, que atrevimento é esse…ugh?! Diz Miriam espantada enquanto tenta se soltar das mãos deles, mas sem sucesso acaba sendo levada até o capú de um daqueles carros desmanchados que ali se encontravam. E lá ela é debruçada, tem o seu kilt levantado e que para delírio de ‘geral’, Miriam usava sem calcinhas, pois ela usava na "forma escocesa". E com essa deliciosa surpresa, Niquinho diz: – Ih gente, tá sem embalagem o "doce"..! E um neguinho "braço direito" de Niquinho, diz: – Eu sou o primeiro, hein…?! E Niquinho responde: – O primeiro é o filho do "patrão"!(se referindo a ele mesmo que seria filho do traficante da região) E sendo assim sem mais cerimônias, Niquinho, aquele pequeno e porém parrudo moreno jambo, põe pra fora a sua "banana prata" já latejando de tão dura, besunta de cuspe e atocha aquele ‘cuzão cagado’ de Miriam, ignorando os seus apelos: – Não, na frente dele, não…aaargh…! Miriam implorava, pedindo para que o seu filho especial fosse poupado de tal cena. Nessa hora, Ian estava nas mãos das duas piriguetes que lá se encontravam e ficavam maldosamente alisando o garoto especial. – Ô delícia…! – Como é apertada essa coroa…! – Aí mongol, pode me chamar de papai, agora, falou…?! Niquinho diz com muito escárnio para Ian. As estocadas que começavam lentas pegavam cada vez mais ritmo. O brioco de Miriam já estava se esgarçando: – Parem com isso, por favor, eu tenho o dobro da idade de vocês, aaargh…! Miriam implorava, mas era ignorada e nem ouvida devido a algazarra do bando. E quando Niquinho goza é a vez do Neguinho, o seu braço direito e inclusive a ‘maior rola’ da mulecada. Esse faz Miriam urrar mesmo. Soc, soc, soc, soc. A enrabada ficava estrondosa. E nisso com o seu pau cagado retirado da bunda de Miriam, Niquinho se aproxima de Ian: – Aqui, mongol…o que a galinha cagona da tua mãe fez com o meu pau…! – Chupa agora, anda! Niquinho o ordena, para desespero de Miriam que era enrabada pelo negão, mas via tudo de lá: – Não..! – Que isso…?! – Ele é especial, parem…aaai! soc, soc,soc,soc…O neguinho goza e outro muleque também surge para enrabá-la. Nisso, Ian ajoelhado pelas piriguete e também meio chapado, sem entender muito, chupa a rola do odioso Niquinho: Aaaai…família que é fudida unida permanece unida…mama, ô mongol…aaah! Diz Niquinho aos deboches e extasiado com o ‘parangolé’ que Ian lhe fazia. E soc-soc-soc-soc…! Já havia chegado a vez do quinto garoto a enrabar Miriam enquanto uma das piriguetes forçava um beijo na mesma que se mantinha suplicante e enojada. Até que Niquinho resolve reunir todos para que "três" a fodessem ao mesmo tempo: – Vamo fazer um filminho pornô agora…pega lá o celular….! Uma das piriguetes se preparou para filmar enquanto os delinquentes levaram Miriam para o chão, onde dois de uma vez(incluindo Niquinho) a foderam ao mesmo tempo em que ela masturbava outros dois que ficaram de fora. O quinto muleque que também ficou de fora era masturbado pelo inocente Ian. Miriam se desesperava, gemia e urrava enquanto era currada de forma voráz por aqueles ‘estupradores mirins’. Seus apelos e indignação eram inúteis até que chega a hora do grupo gozar. É quando Niquinho tem uma outra ideia e que também viu num filme pornô: – Pega lá aquela sainha cagada dela…tive uma idéia que eu vi num filme…! Uma das piriguetes pegou o kilt quadriculado de Miriam, deu para Niquinho, o mesmo o estendeu no chão e numa roda junto com os demais, gozou aos borbotões sobre o mesmo, fazendo uma densa "papa de porra". Nisso, Ian era mantido imobilizado pelas duas piriguetes, que a mando de Niquinho, o fizeram ajoelhar, abrir a boca enquanto este e mais dois outros muleques com o kilt estendido nas mãos se aproximam o encostando na boca de Ian e deixam toda a porra que se encontrava sobre a peça, descer ‘goela abaixo’ do menino: – Um mingauzinho bem esperto pro mongol…he he he! Niquinho diz de uma forma debochada e odiosa enquanto Miriam imobilizada por outros dois muleques, assistia a tudo, horrorizada. E após tudo isso o bando resolve deixar os dois ali e fugirem. Horas depois, Miriam na companhia do filho, está de carro estacionada próxima a delegacia parecendo decidida a registrar queixa. Mas Miriam está relutante, pensa em tudo o que aconteceu, nas consequências e até já pensa de uma outra forma. Ela já se encontrava separada há um bom tempo e não podia deixar de negar a leve excitação que sentira com aquilo tudo, e temendo também represálias até do tráfico da região, resolve esquecer tudo, acelerando o seu carro, saindo dali e se mudando do bairro posteriormente.