Prima rabuda e ingenua

Click to this video!

Olá, meu nome é Carlos, tenho 26 anos, sou autossuficiente trabalhando em casa fazendo softwares. Minha casa muito grande e espaçosa, e por isso eu estava à procura de uma empregada de confiança para cuidar dos serviços básicos, então resolvi falar com meus pais para ver eles poderiam me indicar alguém. Eles falaram que eu tinha uma prima morando no interior, e seu nome era Paula, que estava precisando de um lugar para morar na cidade, e que a minha casa seria um lugar perfeito para isso. Então, primeiramente estranhei, pois desconhecia a existência dessa prima, mas concordei e aceitei a proposta, já que a minha casa é grande, isso seria uma ótima ideia. Eles ficaram felizes com a minha aceitação e falaram que ela iria para a minha casa na próxima semana.

O tempo vai se passando e o dia dela vim para casa chega. Ouço a campainha e desço para recebe-la, abro a porta e vejo uma mulher com rosto lindo e angelical, de pele branquinha, com uma altura, mais ou menor, de 1,74, cabelos loiros, seios grandes e bem firmes, que pareciam que pulariam do decote a qualquer momento, e umas coxas grandes as quais pareciam que rasgariam a calça jeans de tão apertado que estava, aquilo parecia um legging. Ela parecia um pouco com a Juju Salimeni Então ela olha para mim e fala, com uma voz doce:

Paula – “Oi! Você é o seu Carlos? Sua casa é muito grande e bonita, estou impressionada. ”

Eu, calmamente, apesar daquele avião na minha frente, eu respondo – “Sim, tudo meu, minha prima. Sinta-se à vontade e faça de conta que a casa é sua.

Paula – “Muito obrigada seu Carlos, fico muito agradecida por você me receber tão bem. ”Depois de falar isso, pego as suas malas e ela agradece.

Falo que vou mostrar o quarto dela. E então ela fica na minha frente e eu tenho a maravilhosa oportunidade de ver aquela bunda maravilhosa. Imagino que com certeza, devia ter mais de 100 cm. Ela parecia uma panicat. A sua calça era muito fixa no corpo, principalmente em sua bunda. Com certeza eu tinha ganhado na loteria com aquela mulher vindo do nada para minha casa.

Levo as malas e mostro o quarto para ela. Em seguida apresento todos os cômodos da casa e falo para ela que ela pode começar a limpar a casa quando quiser. Ela fica muito agradecida novamente e fala que vai para o quarto descansar por causa da longa viagem que teve.

A noite e enquanto estou na sala assistindo TV, ela chega vestida com um baby de malha fina e um shortinho rosa, infelizmente não deu para ver a bunda, mas aquelas coxas eram muito grandes e torneadas. Ela senta em um sofá que fica no lado em que estou e começamos a conversar. E pelo o que pude perceber, ela é uma menina muito ingênua e burra. Não existia dúvida de que ela era uma caipira. Ela contava que estava cansada do interior e que queria conhecer a cidade grande.

Conversa vai e vem ela fala que está com poucas roupas, logo eu tenho a ideia de levar ela ao shopping para comprar algumas roupas. Ela fica muito alegre e em seguida fala que vai dormir e que está ansiosa. Parecia uma criança quando ganha um presente. E enquanto ela foi indo, pude ver aquela bunda maravilhosa comento inteiramente aquele shortinho rosa. Aquele short estava inteiramente atolado bem no rego dela. Pude ver perfeitamente as bandas de sua bunda toda de fora, e logo não aguentei e meu pau endureceu. Depois que ela saiu, bati uma ali mesmo imaginando aquele monstro de rabo.

De manhã cedo eu acordei e fui chama-la, e ela já estava acordada a bastante tempo já arrumada com um vestido longo e solto. E quando, novamente, ela se virou, o vestido estava bem apertado em sua bunda enquanto que ela andava rebolando, não sei se era proposital ou não, mas aquilo era maravilhoso. Depois disso tomei banho, me arrumei e levei ela de carro até o shopping

Chegando lá, ela ficou muito impressionada com aquilo tudo. Seus olhos brilhavam. Fomos até as lojas de roupa, e falei que poderia escolher quantas e quais quisesse. Ela ficou mais feliz ainda, e logo depois falei que iria ajudá-la a escolher. Com isso, eu peguei vários shortinhos, leggings e roupas bem provocantes que destacavam bastante seu corpo, mas principalmente a sua bunda. Chegou um momento em que ela falou:

“Seu Carlos, essas roupas não são muito pequenas em mim, você acha que vai caber em mim? ” E respondi:

“Não se preocupe, elas ficarão perfeitas em você. “ E ela:

“Então está seu Carlos, se você diz, eu acredito. Estou muito feliz pelas coisas que você está fazendo por mim”. Aí sentir que realmente ela era muito ingênua e com isso eu poderia fazer qualquer coisa com ela.

Chegando em casa, ela agradece e vai direto para o quarto ver as roupas. Enquanto fico na sala vendo TV e me imaginando comendo aquela rabuda burrinha. E então ela sai do quarto com um shortinho que comprei para ela. O short era branco de tecido de algodão bem leve, fino e solto; mas naquela bunda nada ficava solto. Ela diz que vai começar a limpeza. Vendo ela com aquele shortinho, meu pau logo endurece. Falo para ela vim limpar a sala. Ela chega na minha frente fala:

Paula – “Seu Carlos, o que você achou dessa minha roupa? Acho que tá muito pequenininho. ”

Eu – “Nada disso, Paulinha, sua roupa ficou perfeita em você. As empregadas profissionais se vestem assim! ”

Paula – “Sério, seu Carlos? Ótimo saber disso, a partir de agora vou vestir só essas roupas, fico bem à vontade nelas.

Eu – “Confie em mim que tudo vai dar certo, Paulinha. Logo ti darei umas dicas de limpeza para você fazer seu trabalho bem certinho.

Paula – “Sério, seu Carlos? Mal posso esperar” E então ela virou aquele rabo enorme na minha frente e começou a limpar o hack. Tinha momentos em que ela se abaixava parcialmente. A cada esfregada a sua bunda ficava balançando. Eu logo pensei que ela estava fazendo aquilo só para me provocar. E então falei:

Eu – “Paulinha, o melhor jeito de você limpar a parte de baixo é ficando de quatro igual um cachorrinho”

Paula – “Ain! Será, seu Carlos? Meu joelhinho não vai ficar machucadinho? Não sei não.

Eu – “Vai Paulinha, essa é uma dica que os profissionais sempre falam. Eles falam que tem que empinar bem a bunda para o movimento ficar melhor”

Paula – “Ok então, seu Carlos! Vou seguir todas as suas dicas, minha bundinha vai ficar bem empinadinha” logo depois que ela falou isso, ficou de joelhos, se apoiou com a mão para frente e pude ver aquele rabo maravilhoso todo empinado com um shortinho todo enfiado no rego. Dava para ver um pouco do cuzinho dela que era bem rosada. Fiquei maluco vendo aquela cena e meu pau endureceu feito uma pedra.

Paula – “seu Carlos, você acha que estou fazendo tudo certinho? Minha bunda está empinadinha do jeito que os profissionais dizem? ” Enquanto falava, fazia um movimento de vai e vem. Sua bunda abria fechava. Sua buceta estava comendo o shortinho também. Cada vez mais ficava enfiado. Eu estava maluco louco de tesão com aquilo.

Eu – “Sim, Paulinha. Você está limpando como ninguém. Nunca vi ninguém limpar melhor do que você. Logo em seguida ela olhou para trás com aquela bunda imensa levantada, com um sorriso lindo e brilho nos olhos.

Depois de passar alguns minutos vendo aquela cena. Ela termina a limpeza e fala que vai limpar os outros cômodos. Falo para ela continuar seguindo a dica e ela acena com satisfação e vai embora balançando aquele rabo carnudo. E então, infelizmente, lembro que tenho um compromisso com um dos meus clientes.

Vou para cozinha, o lugar que ela está limpando, e vejo ela com o rabo levantado para cima, do jeito que falei, limpando o chão. Na hora deu uma vontade de pular em cima dela e arromba-la, mas me controlei e falei que iria sair e que depois voltava.

O tempo passa eu chego em casa e a vejo ela muito limpa. Não vi sinal da minha prima e resolvo ir para o meu quarto tomar banho e assistir um filme. Enquanto tomava banho, aquela cavala não saia da minha cabeça. Ela era perfeita. Ingênua e burra do jeito que ela era, tive algumas ideias para eu me aproveitar bem da cavala. Vestir uma cueca samba e fui assistir uns programas. Até que ela sai do quarto com aquele baby doll e fala:

Paula – “seu Carlos, você gostou do jeito que deixei a casa”

Eu – “Sim, Paulinha, está perfeito” Ela ficou feliz e logo sentou no outro sofá.

Paula – “seu Carlos, eu fiz do jeitinho que você pediu e deu certo” logo depois ela olhou para TV.

Paula – “seu Carlos, eu posso assistir TV com você. Eu adoro filmes. ”

Eu – “Claro, Paulinha! Fique à vontade, mas só deixo com uma condição” E ela alegre e pergunta qual é.

Eu – “Você tem que assistir sentada no meu colo, pois vou ti apresentar meu amigo que você vai gostar muito. Quero que ele conheça a sua bundinha”

Paula – “Mas seu Carlos, só tem nós dois aqui, onde esse Juquinha está? Não tô entendendo nada, e porque ele quer conhecer a minha bundinha? ”

Eu – “Confia em mim, Paulinha. Você vai adorar conhecer o Juquinha. Ele adora bundas iguais a sua e quando fica muito feliz, solta um leitinho muito saboroso. Será o melhor leite que você vai tomar. Ti garanto. ”

Paula – “Hmm! Eu gosto de leite. Fiquei curiosa. Quero conhecer o Juquinha já, mas não sei se ele vai gostar da minha bundinha. Se ele não gosta o que faço, seu Carlos? Quero o leitinho gostosinho dele. ”

Eu – “O que é isso, Paulinha. Ti garanto que o Juquinha vai adorar a sua bundinha e depois você ganha o leitinho. Vem cá sentar vem, priminha”

Paula – “Está bom, seu Carlos. Vou fazer de tudo para agrada-lo. ” Depois disso ela se levantou e enquanto isso, fui colocando meu pau para cima, encostado um pouco em minha barriga. Ela se virou de costa com a aquela bunda carnuda e fui me ajeitando. Até que ela sentou em cima do meu colo.

Paula – “Seu Carlos, tem algo meio duro na minha bunda. O que é isso? ”

Eu – “É o Juquinha, Paulinha. Ele é um animalzinho que todo homem tem e eles ficam felizes quando conhecem as bundas das mulheres. Agora deixa eu ajeitar a sua bundinha para ficar bem encaixada no Juquinha”

Paula – “Está bom seu Carlos, adorei o Juquinha. Mal posso esperar pelo seu leitinho. ” Peguei na cintura dela e encaixei seu rego fundo bem em cima do meu pau

Paula – “Nossa! Seu Carlos, estou sentindo uma sensação muito boa com o Juquinha no meio da minha bundinha. Você tinha razão. É muito bom”

Eu – “Viu, Paulinha. O Juquinha adora sua bundinha. Ele está bem duro” depois que falei isso, abracei o seu corpo e pressionei mais ainda a sua bunda em meu pau.

Paula – “Ainhe seu Carlos. Isso é muito bom. Nunca imaginei que assistir TV com o Juquinha na minha bunda, fosse tão bom. Quero assistir TV assim com você sempre. ” Depois que ouvir isso, eu estava indo a loucura com aquela bunda pressionando a minha pica. Enquanto eu pressionava ainda mais fazendo um movimento de vai vem, eu cheirava o seu pescoço e dava uns beijinhos. Eu via que ela também estava adorando. Sempre soltava um gemido que me deixava mais louco. E então eu dei uma parada, para não gozar ainda, pois eu queria comer aquela bunda.

Eu – “Tá gostando, Paulinha? Isso é só o começo”

Paula – “seu Carlos. Isso é muito bom. Mal posso esperar para ver o que mais o Juquinha tem pra me mostrar” falou olhando pra mim com brilhos nos olhos e um sorrido bem safado. Depois de uns 15 minutos nessa posição, começou a passa na TV umas mulheres dançando funk. Quando a Paulinha viu aquilo, ela começou a mexer a sua cintura e rebolar em cima do meu pau. E não sabia se eu aguentar mais esse tesão por muito tempo. E então perguntei:

Eu – “Paulinha, você gosta de funk?”

Paula – “Eu adoro, seu Carlos. Sempre que passa na TV eu não fico parada e começo a dançar. Me divirto muito. Adoro dançar” enquanto ela falava, ficava rebolando em cima do meu pau. Ela rebolava muito gostoso fazendo movimentos circulares com a cintura ao ritmo da música.

Eu – “Continue assim Paulinha, Juquinha e eu adoramos pessoas que dançam, principalmente funk. Depois que falei isso ela ficou mais entusiasmada e rebolou mais ainda em cima do meu pau

Paula – “Como é bom ouvir isso, seu Carlos. Agora vou me soltar mais. Se eu pudesse, ficaria o dia todo dançando e rebolando a minha bundinha pro senhor e pro Juquinha. ” depois disso não aguentei mais e segurei ela firme pela cintura me esfreguei intensamente enquanto ela gemia. E finalmente gozei bem na bunda dela.

Paula – “Ainhe, seu Carlos, o meu bumbunzinho tá todo molhadinho. Isso é o leitinho do Juquinha?”

Eu – “Sim, Paulinha. Sua bunda é tão maravilhosa que o Juquinha não aguentou e soltou todo o leitinho” depois ela se levantou e viu o volume do meu pau e meu short todo melado de gala.

Paula – “seu Carlos, esse é negócio grande de baixo do seu short é o Juquinha?” eu respondi que sim e olhou com uma cara meio de assustada.

Paula – “seu Carlos, ele é muito grande, mas pelo que tô vendo, ele adorou mesmo o meu bumbum” e então passou a mão na bunda pra limpar o gozo e depois enfiou um de seus dedos na boca e chupou

Paula – “seu Carlos, isso é muito gostoso. Eu amei. Não posso desperdiçar esse leitinho” então ela ficou de joelhos na minha frente e começou a lamber meu pau por baixo do meu short pra tirar o gozo. E depois ela falou:

Paula – “Pronto, seu Carlos, limpei todo o Juquinha. Agora vou ir no banheiro limpar o meu bumbum que tá cheio de leitinho, espero que nós três possamos brincar mais amanhã. Tchau Carlinhos, durma bem. Você e o Juquinha” depois deu um beijo na cabeça do meu pau, se levantou e foi embora rebolando aquela bunda carnuda e agora brilhando. Depois disso fui no banheiro tomar banho e dormir, pois eu teria que ter muito descanso pra aguentar aquela rabuda..