Descobri meu filho. Sequencia2

Click to this video!

Ola!!
Para entender este conto, leiam o inicio em: Descobri meu filho, e Descobri meu filho. Sequencia
Eu ja estava morrendo de tesão, o Davi chupando minha rola com muita vontade, meu filho dormindo no seu quarto. e quando perguntei se o Davi queria dar o cuzinho pra mim, e ele me olhou com aquele olhar safadinho e um sorriso de desejo no rosto. Fui logo ajeitando o garoto. Eu não tinha KY em casas, mas peguei um creme hidratante e comecei a passar no seu buraquinho enfiei um dedo pra dar uma relaxada no seu anelzinho, coloquei ele de frango assado, com as pernas grossinhas bem dobradas e o cuzinho apontando pra mim. Me posicionei e tembem melequei minha rola. Comecei a passar a cabeça da rola no seu rego e fui forçando de leve no buraquinho. Pra minha surpresa o cuzinho foi se abrindo e logo a cabeça da minha rola estava dentro do Davi. ele fazia uma cara de dor e prazer, mas não reclamava nem tentava se afastar. Fui mexendo minha rola dentro dele, fazendo ela entrar mais e mais. Eu ja imaginava que ele não aguentaria 18cm atolados no cuzinho, então eu enfiava ate a metade e voltava, depois enfiava um pouco mais da metade, e assim fui bombando, fodendo aquele cu apertadinho e lisinho, ate que senti monhas bolas baterem na bundinha do Davi. Realmente ele aguentava rola de verdade, minha rola inteira enfiada no seu cuzinho e ele gemia e choramingava, mas tambem se mexia meio que rebolando e se ajeitando pra ser fodido. Eu observava sua expressão de prazer e dor, seu corpo branquinho, meio gordinho e lisinho, seus mamilos rosadinhos estavam enrugadinhos e isso ia me deixando louco de tesão.
Fodi ele naquela posição olhando o pintinho dele, grossinho, mas meio mole e meladinho. As vezes ele apertava minha rola com o cuzinho, era muito bom. Ate que vi meu filho em pé na porta nos observando. Pensei em parar, mas lembrei de tudo o que havia acontecido na piscina. Chamei meu filho e ele veio ate a cama, sentou ao nosso lado tentando ver melhor o cuzinho do amigo com minha rola enfiada. Meu filho me olhou e sorriu, quase que pedindo pra participar. Falei pra ele tirar a cueca e vi seu pinto, um pouco maior que o do Davi, estava duro como pedra. Falei pra ele dar o pinto pro amiguinho chupar e ele se posicionou do rosto do Davi e o Davi começou a chupar seu pintinho. Sugeri que ele também chupasse o amigo e eles formaram um 69, meu filho por cima do Davi, chupando o pinto dele, e o Davi com a rolinha do meu menino toda dentro da boca e a minha rola fodendo seu cuzinho. Ate que o Davi começou a gemer forte e se contrair. Meu filho parou de chupa-lo e se afastou um pouco, e eu fodi o cu do Davi mais umas duas ou tres vezes e ele começou a gozar. Uma porra clarinha, mas espirrou alto na direção do seu peito, atingindo tambem o meu filho que estava quase na posição do 69. u achei aquilo lindo e comecei a gozar, mas tirei minha rola de dentro do Davi, pois queria misturar minha porra com a do menino. mas gozei tanto e tão forte que melei até o rosto do Davi e o peito do meu filho.
o Davi estava mole, quase desmaiado, e meu filho com uma certa frustração, pois ele tambem queria algo. Deitamos os tres na cama, todos melados de porra. eu estava no meio dos dois meninos, olhei o Davi todo largado e ofegante olhei pro meu filho e perguntei se ele também queria. Ele sorriu timido e mexeu os ombros num gesto de “sei lá”. eu entendi que ele estava envergonhado mas com vontade. Mas perguntei se ele ja tinha dado pra alguem, ele pensou um pouco no que dizer e eu o acalmei, disse que ele podia me contar, numa boa, disse que eu só queria saber se ja tinha acontecido porque meu pinto era meio grande e eu não queria machuca-lo. ele voltou a sorrir timido e balançou a cabeça afirmando que ja tinha dado o cuzinho.
Confesso que fiquei meio frustrado. Não que eu quisesse ser o primeiro, mas por saber que meu filho com 9 anos ja gostava de rola, engolia porra e ja tinha aguentado uma pica no cuzinho. Mas minha curiosidade não acabou, perguntei se ele podia me contar com quem foi ou se foi com mais de um, mas ele ficou calado. Até que o Davi se levantou pra ir no banheiro e eu disse pra ele tomar um banho banheiro do meu quarto, e ele foi. voltei pro meu filho e perguntei se agora ele podia me contar, se tinha sido o pai do Davi. Meu filho afirmou com a cabeça, eu fiquei com raiva, confesso. mas não demonstrei a ele. apenas continuei conversando, perguntei se ele tinha aguentado toda a rola do pai do Davi e ele confirmou continuei e perguntei como era a rola dele, o tamanho e a grossura, meu menino comentou que parecia com a minha, mas era menor e um pouco menos grossa. Perguntei se havia doido muito e ele disse que só um pouco. Comentei com ele que normalmente quando o menino é muito novo, igual ele, costuma doer muito quado é penetrado por um adulto, mas ele me interrompeu e me contou que o tal amigo de 14 anos tambem tinha feito com ele, e que o pinto do garoto era bem menor e bem mais fino, mas doeu muito na primeira vez. Ele foi respondendo minhas perguntas, algumas com um pouco de timidez, outras com mais naturalidade. Me contou que tudo começou naquele mesmo ano, mas que quando ele tinha sete, ele gostava de enfiar o dedo no buraquinho, que ja havia enfiado outras coisas. Fiquei preocupado e comentei que pode ser perigoso, pode machucar mas aproveitei pra perguntar se quando ele tinha sete, oito anos, ele havia feito alguma coisa com alguem. Ele comentou que com sete não, mas com oito ele ja costumava levantar bem cedo nos finais de semana pra ir na porta do meu quarto e ver meu pinto, que na maioria das vezes estava duro e ele ficava olhando e com vontade de mexer. Eu sorri daquilo e ele tambem sorriu, ate que o Davi saiu do banheiro e voltou pra cama, eu chamei meu filho pra tomarmos banho juntos, minha rola ja estava meio dura novamente e fomos pro banheiro, deixamos a porta aberta e entramos no box do chuveiro. Ainda estavamos conversando e eu estava certo de que o garoto de quatorze e o pai do Davi tinham sido os unicos, mas ele me contou que quando ele tinha oito, chupou o pinto de um homem mais velho, no banheiro do camping onde nós sempre vamos, numa ocasião em que ele foi tomar banho no banheiro coletivo e eu fiquei cozinhando na barraca, mas esse tal homem não gozou na boca dele por que ele tinha nojo, o cara gozou no peito dele e ele tomou banho, logo eu entrei no banheiro e ele ficou com muito medo e o tal homem estava se vestindo e foi embora. Na hora eu meu lembrei dessa situação, mas nunca imaginei que isso pudesse ter acontecido.
Com essas historias eu ja estava com a rola dura e ele encantado com ela, pedi pra ele me chupar e ele foi logo abocanhando minha rola, com muita vontade. Ele parecia chupar melhor que o Davi, que, por acaso, estava em pé na porta do banheiro olhando eu e meu filho.
Deixei meu menino me chupar bastante, ate que sai do box, sentei no vaso sanitario com a rola dura apontando o teto, pedi pro Davi pegar o hidratante e lubrifiquei minha rola e o cuzinho do meu filho. Coloquei ele de costas pra mim e olhei seu corpo, magro mais fortinho, sua bunda redondinha e lisinha demais, seu buraquinho arroxeado que parecia piscar. Segurei ele pelo quadril e o posicionei na minha rola, fui puxando ele devagar, sem forçar, deixei que ele conduzisse a entrada e ele assim fez.
senti a cabeça da minha rola abrindo caminho, cada milimetro, entrando naquele cuzinho melado e apertado, ate sentir que a cabeça da minha rola estava toda dentro dele. Notei que ele senti um pouco de dor, perguntei se ele queria parar e ele recusou, foi aí que eu percebi o quanto meu menino, aos nove anos, gostava de rola e estava disposto a enfrentar a dor pra senta na rola grande e grossa do proprio pai, rola essa que ele observa com desejo nas manhãs em que me espiava de pau duro. E fui deixando a rola entrar, sentindo o calor interno do meu menino e percebendo suas expressões de dor, desejo e prazer. e comecei a mexer meu quadril, deixar ele sentar mais e recuar, controlar a foda, e sentir todo o prazer que ele merecia na rola do pai. Foi um bom tempo assim, mas notei seu cansaço e o levei pra cama, coloquei ele na mesma posição em que eu fodi o Davi, voltei a penetra-lo e mandei o Davi chupar sua rolinha, e asim o fodi ate que o Davi o fez gozar, mas o deixou gozar na boca e engoliu. Vendo aquilo e vendo meu filho se arrepiar com a minha rola fodendo seu cu, acelerei um pouco e gozei dentro dele. Mesmo sendo a segunda gozada do dia, gozei muito, tanto que quando tirei a rola de dentro dele, escorreu muita porra. Ele estava exausto, mole, continuava tendo algumas contrações e gemia bem baixinho. Me deitei ao seu lado e o trouxe para o meu peito, deixei ele deitado quase em cima de mim, dava até pra escutar seu coração batendo forte. O Davi sentado ao lado ficou nos olhando e eu o puxei pra junto de nós. Ficamos os tres deitados bem juntinho por um bom tempo, ate que levei meu filho pro chuveiro e fomos dormir, cada um na sua cama.
Eu sabia que depois de tudo aquilo, mina relação com meu filho seria diferente.
Ja no dia seguinte os pais do Davi foram busca-lo. Eu tive a oportunidade de conhecer o pai dele. Um homem comum, baixo, gordinho, um pouco mais velho que eu, meio sorridente, mas com um ar preocupado. Eu o tratei bem e, quando ele, de forma muita simpatica, perguntou se o Davi tinha dado trabalho, eu sorri e respondi que não, que tinha sido um grande prazer ficar com os dois meninos. Ele me olhou curioso e eu coloquei a mão no seu ombro num gesto de amizade e comentei que ele sabia bem o quanto era prazeroso ficar com o Davi, e com meu filho tambem!
Seu semblante mudou, ficou serio, mas ele não queria se entregar, sorriu novamente e nos despedimos, e antes dele ir embora comentei que deveriamos marcar um dia pra ficar com os meninos, eu, ele e os meninos. Ele sorriu novamente e foram embora.