Fui bolinado pelo meu sobrinho novinho

Click to this video!

Olá, meu nome é João Pedro, tenho 36 anos, moro em Curitiba e vou contar um relato do que vem acontecendo comigo e com meu sobrinho, Rafael, de 6 anos.

Sou casado sem filhos, embora ame crianças de maneira geral. Tenho 3 sobrinhos e cuidei de todos.

Mas o Rafael é o mais novo e eu tenho ficado mais tempo com ele, porque ele não tem irmãos. O pai dele brinca com ele de coisas de moleque (jogar bola, empinar pipa, etc), já eu fico com a parte eletrônica das brincadeiras (ver desenho, jogar videogame, ver filmes de super-herói, etc).
Ele mora em outra cidade, então quando vou pra lá, eu durmo na casa do meu cunhado.
Normalmente quando vou pra lá, nós vamos para o quarto do Rafa pra assistir alguma coisa ou jogar um game. Foi assim desde que ele se apegou mais a mim, quando tinha 4 anos.
Mas desde o começo desse ano, quando passei férias lá, ele tem agido diferente comigo.
Estava lá com ele um certo dia deitados na cama vendo desenho na TV, estava muito quente e eu estava com uma camiseta cavada e um shorts bem leve. Ele tem mania de ficar deitado abraçado comigo, mas as vezes ele se cansa e fica em posição sentado do meu lado. Nesse dia, numa dessas horas que ele tava deitado, ele pegou minha mão e começou a chupar o meu indicador. Mas não era igual alguem que chupa o dedo como se fosse chupeta: ele colocava e tirava meu dedo da boquinha dele incessantemente. Achei aquilo bem estranho e pensei ‘onde ele aprendeu isso?’, tirei o dedo e falei ‘que é isso menino!’. Ele ficou com uma carinha de vergonha e continuamos assistindo. Nesse momento eu senti o volume crescer entre minhas pernas e achei muito bizarro, pois aquilo me fez lembrar algo excitante.
Passada meia hora, ainda vendo o mesmo desenho, ele ficou sentado do lado da minha barriga, e colocou a mão na minha barriga, meio que pra se apoiar. De tempos em tempos ele tirava a mão e colocava no colchão, depois voltava a mão em minha barriga, e ficava nesse esquema (devia cansar o braço). Em uma vez ele ia colocar a mão na minha barriga, mas colocou mais pra baixo, bem perto da minha rola. Eu fingi que não aconteceu nada, mas aí ele começou a dar uns tapinhas em cima do volume, e eu pensei ‘ah caraca, o que deu nesse moleque hoje’. Falei ‘Rafael, o que vc ta fazendo!?’ Ele deu uma risadinha malandra e não falou nada. Mandei parar, mas ao invés disso ele pegou meu pau (com shorts) e encheu a mãozinha segurando ele, e começou a apertar pra sentir o volume.
Não dava pra acreditar que aquilo tava acontecendo, e eu fiquei preocupado porque a porta do quarto tava entreaberta, mas não tinha mais ninguém na casa naquela hora. Quando o Rafa começou a apertar meu pau, ele começou a ficar cada vez mais duro e grande. Depois disso mandei ele parar, terminamos o desenho e fomos jantar.
Dois dias depois fui ver um filme com ele lá no quarto, e dessa vez não tinha ninguém em casa também.
Entrei no quarto, e dessa vez fechei a porta.
Dessa vez eu tava com um shorts bem mais a vontade, e com uma cueca bem soltinha.
Quando estavamos vendo o filme, ele deitado no meu peito esquerdo, pegou a minha mão e começou a chupar meu dedo de novo.
Falei PQP vai começar de novo. Mas dessa vez deixei pra ver o que ele faria.
Ele chupou, e chupou, e mordia a ponta do dedo, tão intenso que eu estava gostando da sensação.
Depois disso ele me surpreendeu. Foi até minha orelha e começou a beijar a orelha, e depois enfiou a linguinha nela. Ficou fazendo um movimento de lamber minha orelha que parecia que ele queria enfiar algo em um buraco desesperadamente.
Depois disso ele virou e deitou de bruços pra ver o filme, de costas pra mim, do meu lado, e ele deitou em cima do meu braço esquerdo. Fiquei de boa até que ele começou a se movimentar de modo que minha mão tocasse o seu peru. Incrivelmente o peru dele tava grande pra essa idade (é bem dotado, com ctz), e ele ficou esfregando aquele peruzinho duro na minha mão pra frente e pra trás.
Aquilo me deu tesão na hora, meu pau melou e cresceu muito. Como eu tava com shorts e uma cueca mais soltinha, quando meu pau cresceu ficou um vão entre minha barriga e o topo do shorts onde dava pra ver um pedacinho do meu pau.
Quando ele reparou no volume e viu que tinha uma “entradinha” no shorts, ele deitou a cabeça na minha barriga e começou a espiar. Pegou a mão e começou a puxar o meu shorts pra fora, eu resisti, ele continuou tentando com muita força, achei melhor eu mesmo tirar o shorts pra não ter perigo de ele rasgar minha roupa. Abaixei o shorts um pouco e ele viu meu pau com a cueca quase rasgando, com metade do pau visível na parte de baixo (tenda armada). Ele botou a mão na minha cueca e puxou pra baixo até que finalmente ele viu minha rola por completa. Já tava toda melada e muito, MUITO dura.
Ele ficou olhando pra aquela rola enorme e colocou primeiro a mão direita no meu pau e começou a massagear e ao mesmo tempo olhando pra TV, fingindo que tava assistindo. Depois disso ele se virou pro meu pau, e colocou a outra mão. Ficou com a mão esquerda massageando meu pau e com a mãozinha direita acariciando a cabeça do meu pau. Tava tocando uma punheta pra mim, e ele sabia o que tava fazendo! Eu tava quase gozando e resolvi mandar ele parar. Coloquei a cueca e o shorts de volta e gozei poucos segundos depois, melando toda a cueca. Terminamos o filme e fomos brincar de bola na rua.
Um certo dia, já havia passado algum tempo, fui lá na casa dele assistir um desenho, e ele já chegou colocando a mão no meu pau e apertando. Ele sabe que eu gostei, e ele também gostou da brincadeira. Resolvi colocar a mão no pau dele também, por cima da bermuda, e fiz uma pequena massagem. Ficou durinho na hora. Uma outra vez eu coloquei a mão por debaixo do shortinho e cuequinha dele, mas ele ficou com uma sensação estranha, então voltei a passar a mão por cima do shorts. Isso se repetiu por muitas outras vezes, e ele é esperto, ele sabe que quando tem gente por perto ele não pode fazer essas coisas.
Um dia, mais uma vez no quarto assistindo desenho, ele do nada abaixou seu shortinho e cueca e começou a tocar uma punhetinha ali do meu lado. Aquilo me deu tesão instantâneo, fui correndo no banheiro e toquei uma pra gozar logo e parar de pensar naquilo. Não adiantou, quando eu voltei pro quarto ele começou a enfiar a língua na minha orelha de novo, e depois ele inventou uma história de “bater língua” – basicamente é uma língua encostando na outra, mas sem beijar. Achei muito estranho, mas aquilo me lembrou uma chupeta na hora.
Meu pau ficou todo melado, enfiei a mão dentro da minha cueca, deixei a ponta do meu dedo indicador toda melada de lubrificante, e dei pra ele chupar, como ele gosta tanto de fazer. Ele chupou e sentiu um gostinho diferente, mas gostou muito. Quando ele abriu a boca pra falar do gosto eu vi aquele meladinho entre os lábio dele, e me deu muito tesão. Fui pro banheiro e gozei de novo, e encerrei o assunto.

Pelos relatos dele, eu acho que ele tem aprendido essas coisas com os amiguinhos da escola (que por sua vez devem ter aprendido com pessoas mais velhas), pois ele já me disse que um amiguinho manda ele colocar o peru dele na boca de vez em quando – imagino que esse amiguinho tenha ensinado essas outras coisas também…

Essa história não teve fim… faz tempo que não o vejo, e acho que mês que vem o verei, mas só de pensar já fico nervoso… meu sobrinho é tão novo e já tão sem vergonha? Nem eu era assim quando tinha essa idade!
O fato é que ele gosta e muito de me bolinar, e eu confesso que gosto de ser bulinado por ele.
Já falei pra ele que isso não pode fazer, e nunca pode contar pros pais nem pras tias e nem pra ninguém que ele fez, e ele realmente não conta, porque ele gosta da brincadeira.

O que vocês acham que eu devo fazer na próxima sessão de desenho? Parar com essa história ou continuar dando trela?

Postem nos comentários.