Virei a Putinha Dos Namorados das Minhas Amigas

Click to this video!

A maioria das minhas amigas na realidade não mereciam ser chamadas nem de colegas, é uma mais falsa que a outra comigo, com exceção de duas, Nathalia e Patrícia, essas sim são amigas de verdade. Mas por que as outras são falsas? Eu também me pergunto isso. Só porque chamo mais a atenção dos homens do que elas? Por que tenho roupas mais bonitas? Acho que eu as incomodo muito, inveja é fogo. Enfim, essas a quem eu me refiro são 3 cobrinhas que se dizem minhas amigas: Suyanne, Tatiana e Sarah. Dá pra perceber a falsidade delas no jeito de olhar, no tom com que falam comigo, além do que elas sempre mudam de assunto quando chego por perto, na faculdade ou em alguma festa. Até aí tudo bem, mas eu fiquei sabendo que uma delas estava me chamando de puta pelas costas, e as outras duas apoiando. Então tá, decidi mostrar pra elas como eu sou puta. Fazia tempo que eu queria dar pro namoradinho da Suyanne, chamado Leo, só não fazia isso porque achava que ela poderia de repente ficar mais legal comigo, mas como aconteceu o contrário, ele seria o primeiro. Comecei a puxar papo com ele sempre que o via lá na faculdade ou em outro lugar. Ele deve ter achado estranho, porque antes eu mal falava com ele e de uma hora pra outra comecei a cumprimentá-lo com abraços e beijinhos no rosto e fazer comentários do tipo: “Meu bumbum tá doendo, fiquei muito tempo sentada hoje”. Eu só tinha cuidado para a namoradinha dele não perceber nada, pra deixar a surpresa para a hora certa. Fiquei sabendo que ele entendia muito de computadores, então eu inventei que o meu estava com um problema, e pedi para ele ir até meu apartamento. Ele topou, eu dei o endereço, e combinei de ficar esperando. Era uma quinta-feira à tarde, meu pai estava no trabalho e minha mãe estava na loja dela(da família). Só minha irmã mais velha, Marina – de 23 anos – estava em casa. Mas dela eu não preciso esconder nada. Sempre falamos de sexo uma com a outra(com meus pais também, mas com ela o assunto “esquentava” mais. Além disso, uma vez ela estava dando para um namorado, e eu sem saber entrei no quarto, porque a porta estava destrancada. Ela me puxou pra cama e me fez participar da sacanagem. Dessa vez ela iria me ajudar, nós duas iríamos fazer o Leo ficar com bastante tesão e depois ela filmaria quando ele estivesse me fudendo. Pedi para ela focar bastante na carinha dele, para a Suyanne ficar com fama de chifruda por um bom tempo. Ela se acha tão gostosa, então eu queria ver qual seria a reação dela ao ser trocada por outra. Eu e Marina vestimos roupinhas bem provocantes e ficamos esperando o Leo. Eu vesti um maiô vermelho e uma minissaia jeans, e ela um microshortinho e uma blusinha branca. Ele então chegou; o recebi na porta e o levei até o meu quarto, onde estava o computador. Minha irmã estava deitada de bruços na minha cama, fingindo estar lendo uma revista, com o shortinho bem socado no bumbum. Ela disse “oi” pra ele com uma voz bem provocante, que ficou até meio bobo olhando pra bunda dela. Estava dando certo, eu percebi um volume na calça dele. Ele me disse que o computador não tinha problema nenhum, então eu confessei: “Não tem mesmo, só te chamei aqui porque estou louca pra dar pra você”. Ele tentou dizer que não podia, que tinha namorada, mas quando eu passei a mão no pau dele, por cima da calça, ele não resistiu. Me agarrou, e passou a mão no meu corpo todo, depois nos beijamos e fomos nos livrando das roupas. Minha irmã pegou a filmadora rapidamente. Ele não queria que filmasse, mas nos pedimos com jeitinho e ele deixou. Chupei o pau e depois dei a bucetinha pra ele, sempre gemendo gostoso, pro videozinho ficar mais excitante. Perguntei se a Suyanne o deixava meter no cuzinho dela. Ele disse que tinha muita vontade, mas ela não deixava. Garota otária, não sabe o que está perdendo; pedi pra ele socar a pica na minha bundinha e matar a vontade que ele sentia. Marina filmou tudo nos mínimos detalhes; ele gozou tudo dentro do meu rabinho, que ficou escorrendo gala. Como poderia chegar alguém na minha casa a qualquer momento, pedi para ele ir embora, e disse que depois ligaria pra ele. Na verdade depois nem dei mais bola pra ele, afinal a parte dele no meu plano já estava concluída e minha vontade de dar pra ele eu já tinha matado. Faltavam os outros dois, e seria mais difícil com eles. O namorado da Sarah estudava em outra faculdade, e o da Tatiana era mais velho, já formado. Eu só conseguiria vê-los em alguma festa, mas elas estariam junto. Mas depois de muito procurar, consegui a solução: Msn dos dois, aí foi só bolar um plano pra atrair os dois pro meu ap. Minha irmãzinha querida teve uma brilhante idéia: eu chamaria os dois, juntos, até meu apartamento com a desculpa de que iríamos combinar uma festa surpresa para as namoradas deles. Foi o que eu fiz, combinei isso com eles, dizendo que seria pra compensar o fato de eu ter esquecido os aniversários das duas, que já tinham passado. Na hora isso foi o melhor que consegui inventar. Mais uma vez marquei em um dia de semana, novamente meus pais não estariam em casa. A fórmula para tentar seduzí-los foi a mesma: eu e minha irmã colocamos roupinhas bem provocantes. Só que dessa vez nós duas colocamos shortinho. Na hora marcada eles chegaram; Matheus, namorado da Sarah, estava animado com a suposta festa que iríamos armar; Ramon, namorado da Tatiana parecia meio impaciente, acho que ele tinha saído do trabalho só pra isso. Nos sentamos na sala para conversar; fui enrolando até na hora que eu conseguisse o que queria. Sentei na poltrona de frente para o sofá onde eles se sentaram, e cruzei as pernas, e eles não paravam de olhar para minha coxa. Minha irmã chegou na sala e eu os apresentei, ela se abaixou para dar um beijo em cada um, quase esfregando os peitos na cara deles, com uma blusinha decotada. Ela trouxe um suquinho para eles, entrou na conversa também, e começamos a falar sobre outros assuntos. Minha irmã, pra deixar o clima ainda mais favorável para podermos concluir o que planejamos, resolveu pedir para eles uma opinião sobre uma langerie. Ela disse que tinha comprado e não sabia se o namorado iria gostar, então vestiu para saber da opinião deles. Quando ela falou eles riram, acharam que era brincadeira, mas ficaram de pinto durão na hora que ela chegou na sala de lingerie vermelhinha. Daí eu resolvi confessar o que eu queria. Disse para eles que havia chamado eles ali porque eu precisava ser comida por dois machos ao mesmo tempo. Matheus imediatamente veio em minha direção, abaixou a bermuda e arrancou o pau pra fora, e me mandou chupar. Ramon foi na direção da Marina, mas ela disse que ficaria só filmando. Então ele impôs uma condição: para podermos filmar nós duas teríamos que atender a um pedido dele: ele disse que tinha um fetiche de ver duas irmãs na cama, um chupando a outra, e depois queria comer nós duas juntas. Ele pegou a câmera e filmou primeiro nós duas nos beijando. Era a primeira vez que eu dava um beijo na boca dela. Já tinha dado selinho, mas beijo de língua nunca(na transa que eu citei ali acima, da qual ela me chamou para participar, o namorado dela comeu nós duas, mas nós duas nem nos tocamos). Além do beijo ter sido delicioso, a sensação de fazer uma coisa “proibida” também era maravilhosa. Fomos até o quarto; eu me deitei na cama e ela veio sobre mim, me beijando o pescoço, depois chupando meus peitos por alguns minutos e finalmente chegando à minha buceta, chupando e enfiando os dedos. Ramon falava o que ele queria que a gente fizesse; pediu para fazermos um 69. Ela ficou sobre mim, com a xana na minha cara, e chupando minha bucetinha. Eu não conseguia fazer nada, de tão excitada que eu estava. Depois ela se deitou e eu fiquei de 4 na cama e comecei a chupar a buceta dela, enquanto isso Matheus veio por trás e já foi logo socando o cacete na minha xaninha. Ramon largou a filmadora em cima da escrivaninha, tirou a roupa e colocou o pau na boquinha da Marina. Fudemos muito, teve anal, dupla penetração, Marina gozando enquanto eu chupava a xaninha dela. Saímos do apartamento e fomos continuar num motel, no carro do Ramon. Deixamos um bilhete avisando nossos pais, e fomos, cheias de tesão. Fudemos a noite inteira com os dois, saímos de lá às 4 da manhã. Para concluir a vingança, editamos os vídeos, cobrindo meu rosto e o da minha irmã, deixando apenas a cara deles ser vista, e claro, toda a sacanagem. Coloquei na internet e logo os vídeos se espalharam entre a galera; elas se achavam tanto e acabaram levando uma aulinha de como satisfazer seus namorados completamente, coisa que elas não faziam. Dias depois falei só pra elas três que como elas diziam que eu era puta, então resolvi ser a putinha dos namorados delas. Algum tempo depois eu e a Sarah fizemos as pazes, viramos amigas de novo e tudo(dessa vez acho que de verdade). Até já chupamos bucetinha uma da outra, e fudemos juntas e com um cara, mas das outras duas sou inimiga até hoje.