Papai Me Comeu Grávida

Click to this video!

Olá. Quem deseja me conhecer melhor, leia meus contos anteriores, pois todos os meus contos serão continuações um dos outros, então para entender melhor cada um, leiam todos, comentem se acharem que é merecido, bjinhossssss da Naty

TITIO TIROU A MINHA VIRGINDADE, E AGORA

Mesmo estando embriagada quando perdi a minha virgindade com meu tio, eu estava muito feliz, sempre imaginei como era transar de verdade, sempre quis saber o quê uma mulher sentia quando estava sendo penetrada por um macho, sei que foi da maneira não convencional, mas realizei o meu desejo de virar mulher, apesar de muitas pessoas acharem incesto um tabu, na região onde moro e sei que em muitas regiões do Brasil, isso é super normal,   mais normal do que muitas pessoas possam imaginar, Na noite do dia que perdi o meu cabacinho, quase não dormi, até mesmo por quê naquela noite como sempre acontecia, meus pais transaram, não tinha como não lembrar da transa que tive com meu tio a poucas horas atrás, então mesmo com minha bucetinha esfolada e ardendo eu me masturbei, vendo meus pais fudendo loucamente, tive um maravilhoso orgasmo, foi o melhor que tive em toda a minha vida me masturbando, e olha que me masturbo muito, quase que todos os dias. Eu só tinha uma dúvida, e agora, como seria a relação com meu tio da li para frente.

TITIO FUGIU DO TRABALHO, E ME COMEU DE NOVO

Após três dias da nossa primeira transa, e por conseqüência ter perdido o meu cabacinho, titio apareceu em casa no meio do dia, ele sabia que meus pais estariam na roça, e por coincidência meu irmão tinha ido com os amigos tomar banho de rio, eu estava lavando roupas perto do banheiro que ficava do lado de fora da casa,   como já sabem, quando ele chegou, me olhou com um ar de dono, que estava ali para usar e abusar do que era seu, eu também olhei para ele, e logo abri um sorriso, pois por mais errado que aquilo pudesse parecer, eu também estava gostando daquela situação, era tudo novo para mim, era tudo muito excitante também. Meu tio olhou para os lados para se certificar que não tinha ninguém vendo,   e me deu um beijo rápido na minha boquinha, ao mesmo tempo falou que não tinha muito tempo, e me pediu para entrar no banheiro, e que ele disfarçaria e entraria logo em seguida, e assim o fez, quando ele adentrou no banheiro já foi me beijando tirando minha camiseta, tirando o meu shortinho e minha calcinha, passou o dedo na minha bucetinha, olhou para mim, deu um sorriso,   enfiou o dedo,   fez movimentos dentro da minha bucetinha que a esta hora estava encharcada e escorria parecendo estar babando, ele se abaixou chupou deliciosamente a minha fonte de prazer, lambeu como se estivesse lambendo o mel dos Deuses, se levantou, me fez agachar e abocanhar aquele pau enorme que a bem poucos dias, tinha rompido e dilacerado meu cabacinho. Eu babava e engasgava, o pau do meu querido titio babava junto com a minha boquinha, ele me levantou, como se estivesse com pressa,   me fez apoiar-me com as mãos na parede, encostou seu pau em minha bucetinha ainda dolorida pela nossa primeira vez, e em uma estocada só, cravou, me invadiu, tomou conta de todo o espaço que lhe era permitido, e quase que em desespero começou a me fuder como se fosse a ultima vez que faria aquilo, ele me penetrava com vontade, seu suor se misturava ao meu, ele mordia minha orelhinha e sussurrava no meu ouvido, eu sem agüentar mais gozei, quase dobrei as pernas, me segurei em pé, sem mostrar a minha fraqueza após o meu gozo, e logo em seguida sem conseguir agüentar mais, meu tio gozou alucinadamente, enchendo a minha bucetinha com sua porra, me inundando pela segunda vez. Ele logo que acabou, se vestiu, eu também, me pediu para sair primeiro e observar se não tinha ninguém por perto e logo em seguida, ele saiu,   me beijou e foi embora.

O PIOR ACONTECEU, FIQUEI GRÁVIDA

Depois da segunda vez que transei com titio, fiquei viciada, o safado conseguiu o que queria, me viciou em sexo, me viciou em sua rola grande e grossa, pensava todos os dias naquele pedaço de carne que me proporcionava tamanho prazer, foram várias transas, nos dias seguintes, até que me dei conta que faziam dois meses que não menstruava, e logo percebi que algo estava errado e que talvez estivesse grávida do meu tio, o desespero foi grande, eu sabia como meu pai era, e o pior, sabia qual seria a sua reação, estava apavorada, tinha muito medo do meu pai, falei com titio, ele me disse que não falasse com ninguém, que iríamos arrumar uma solução, passaram-se mais dois meses, eu usando roupas cada vez mais largas, quando ia tomar banho de rio com as amigas já não usava mais biquíni, só usava camisetas, mas minhas amigas já olhavam com ar de desconfiança, com quatro meses, já não dava para esconder mais a minha barriguinha, o pior foi que uma amiga que sempre me invejou veio me perguntar se eu estava grávida, eu disfarcei e neguei, mais sabia que ela ia aprontar, no desespero, abri o jogo com minha mãe, só não disse quem era o pai, disse que era um garoto que havia passado férias em nossa vila, e que ele já tinha ido embora, sabia que se falasse que era do meu tio, e meu pai soubesse, ele mataria nós dois. Mamãe me pediu calma, até achar uma solução, meu tio não sabia o que fazer, ele também estava com muito medo do irmão, ele sabia o que podia acontecer, foi quando percebi que meu pai estava olhando para mim diferente, parecia olhar de reprovação, comecei a evitar ele, as vezes estava distraída e percebia seus olhares percorrendo meu corpo, eu estava com muito medo, perguntei para mamãe se ele já sabia de tudo, ela disse que ele não tinha tocado no assunto, foi então, que um dia, ele disse que não iria para a roça, que meu irmão deveria ir com minha mãe, pois ele estava com muita dor nas costas, e assim eu fiquei com papai sozinha em casa, imaginando várias coisas.

PAPAI ME COMEU GRÁVIDA

Quando o dia estava quase amanhecendo papai me acordou, eu sabia que não era coisa boa, me mandou ficar de pé, e me questionou.
– Pode falar Naty, sua amiga já me falou tudo.
-Que amiga? Falou o quê pai? Eu retruquei.
-Naty não adianta, a Marisa me contou que parecia que você estava grávida no rio.
Aquela cachorra, vivia se metendo na minha vida, Marisa se dizia minha amiga, mas sempre teve inveja minha com os meninos. Voltamos à conversa com papai.
-Não pai, a Marisa está querendo arrumar confusão, ela não gosta de mim. De repente escutei um grito apavorante.
-ESTÁ PENSANDO QUE SOU BOBO, TIRA ESSA ROUPA LOGO PORRA, QUERO VER SE APRONTOU MESMO.
– Não pai, não estou não, eu tenho vergonha. Estava desesperada.
-Ou você tira, ou vai levar cintada agora, anda com essa porra.
Como conhecia as surras de papai, e com muito medo, não resisti mais e na esperança que ele não me batesse tirei meu short, ele me mandou tirar tudo, fiquei de calcinha e sutiã, de repente ele se aproximou de mim, e me falou.
-Naty você está grávida filha, como pode, o que vamos fazer sua safada, quem é o pai filha.
Eu disse o mesmo que tinha dito para mamãe, que era de um garoto que havia passado férias na nossa vila, que já tinha ido embora, e que eu nem sabia onde ele morava. Meu pai estava sem camisa, ele passou do meu lado, ficou atrás de mim, de repente quando pensei que tomaria a primeira cintada, ele me abraçou por trás segurando em meus seios, me chamando de safada, que sabia que eu seria uma putinha, depois que descobriu que eu observava a transa dele e de mamãe, ele enfiou a mão por baixo do meu sutiã, ele estava só de shorts, eu tentei resisti, ele desceu sua mão sobre minha barriguinha de grávida, no meu ouvido ele me disse.
-Vai dar para mim agora, e não contará nada para sua mãe, se não te ponho para fora de casa sua putinha.
Eu tentei questionar.
Más pai, não quero.
-Naty você já está grávida, não deu para um desconhecido, não vai ter problema nenhum dar para mim, já está grávida mesmo.
Então eu não resisti mais e deixei ele continuar, eu não tinha para onde ir, acabei relaxando e concordei, disse a ele que não me machucasse, ele tirou meu sutiã, se abaixou tirou minha calcinha, ele cheirou minha bucetinha, passou a ponta da língua nela, se levantou, como ele estava de shorts e sem cueca, quando ele me abraçou para me beijar, pude sentir o volume de seu pau, grande, grosso, acho que tinha o mesmo tamanho do pau do titio, ele me abraçou forte e me beijou demoradamente, eu já não resistia mais, agora já estava entregue, éramos só macho e fêmea naquele momento, segurando a minha bundinha, ele pediu que eu me deitasse e abrisse as minhas pernas, e com as mãos sobre a minha barriguinha, começou a chupar a minha bucetinha, sua língua viajava até o fundo, e fazia movimentos dentro dela, era uma língua áspera e gostosa, eu gemia e sussurrava baixinho, estava entregue aos caprichos de papai, mas estava adorando tudo aquilo. Então ele parou de me chupar, se deitou na cama, me pediu que o chupasse, tive que segurar com as duas mão aquele cacete enorme e grosso, chupei como se fosse um picolé, descia até o corpo do pau dele, até me engasgar, e subia, tirava para fora da minha boca e ficava brincando com minha língua na cabecinha dele, meu tio tinha ensinado direitinho a sobrinha dele ser uma putinha completa,   papai delirava, urrava de prazer.
-Sabia que você era uma putinha, mas não imaginava que era tão vadia assim Naty, chupa, chupa a rola do seu pai sua safadinha.
Papai me pôs de quatro na cama, me abriu toda, me deixou indefesa, lambeu minha bucetinha de grávida, lubrificando bem, se ajeitou, me segurou pelos cabelos, e colocou até as bolas, só parou quando não tinha mais nada para entrar, só as bolas ficaram de fora da minha bucetinha, me senti cometendo o pior dos pecados, mas estava bom de mais para ser pecado, ele começou a fuder a minha bucetinha, aquele velho que eu chamava de pai começou a delirar segurando a minha barriguinha, babava nas minhas costas, ele estava em completo estase sexual, papai estava delirando dentro de mim, eu senti meu corpo estremecer, senti o meu gozo chegar, comecei a rebolar igual a uma cadelinha no cio na vara do meu pai, minha bucetinha babava naquela rola gostosas que era proibida para mim, naquele momento ela me pertencia, estava toda dentro de mim, sem avisar gozei na rola de papai, o tesão foi tanto que escapei de papai e cai de bruços na cama, quase que desmaiando de prazer. Papai me puxou de volta, pincelou seu pau na minha entradinha melada de novo, e socou forte, meteu forte, parecia que estava sendo comida por um cavalo de tão grande que o pau de meu pai estava com tamanha excitação, ele fudeu por mais alguns minutos, segurando meus seios, apertando os meus bicos, não agüentando mais gozou violentamente, era tanta porra que eu pensei que ficaria grávida novamente, mesmo estando grávida de quase cinco meses, ele tirou aquela tora que muitas vezes eu tinha visto dentro de mamãe, quando saiu todinha para fora, senti a porra de papai escorrendo por minha coxas, passei a mão na minha bucetinha, queria sentir o tamanho do estrago que a vara do meu pai tinha feito, estava toda dolorida e esfolada, mas agora estava mais ansiosa para ver o que iria me acontecer dali para frente.

Bjinhossssss da Naty