E Nasce uma Putinha

Click to this video!

“APRESENÇÃO” Bom, vou me apresentar uma única vez, eu particularmente acho chato ter uma apresentação em cada conto que a pessoa escreve. Este meu primeiro conto será mais uma apresentação, para que todos possam me conhecer um pouquinho, assim todos entenderão os meus contos.
Chamo-me Natália, sou morena tenho 35 anos, casada, coxas grossas, bumbum grande e gostoso, seios médios e deliciosos, cabelo preto e olhos negros, sou simpática e amo fazer amizades, tenho uma filha de 18 anos e um filho de 16. Apesar de ter tido dois filhos, ainda me considero gostosa, gosto de sexo, gosto de provocar, sou exibicionista por natureza, sempre fui e sempre serei uma putinha.

MINHA ADOLESCÊNCIA

Sou de uma família muito humilde de uma região muito carente do Brasil. Meu pai e minha mãe eram agricultores, morávamos em uma zona rural, onde as casas eram distantes uma das outras, meus pais além de mim, tiveram meu irmão que é quase dois anos mais novo que eu. Sempre fui muito precoce, sempre usei shortinhos provocantes e mini saias que às vezes até deixavam aparecer a poupinha da minha bundinha gostosa, alias sempre tive bundinha gostosa, por onde passava percebia os olhos maliciosos dos trabalhadores rurais. Meus pais saiam de madrugada para o campo e só voltavam quando o sol já estava se pondo, então eu e meu irmão vivíamos praticamente sós, nossa casa só tinha quarto e cozinha e o banheiro era fora da casa, sempre tomei banho com meu irmão, nunca aconteceu nada de mais, mas assim que meus peitinhos começaram a ficar grandinhos, e minha bucetinha começou a ficar peludinha, pois eu já era uma menina mulher, percebi suas reações mudarem ao me ver nua, algumas vezes ele virava se de costas para mim quando estávamos tomando banho e se masturbava, eu percebia mas não falava nada, até que um dia eu estava de costas para ele, quando senti ele esfregar sua piroca na minha bundinha, fiquei brava com ele e nunca mais tomamos banho juntos. Brincávamos praticamente o dia todo com as outras crianças da região, das meninas sempre fui a que gostava mais de brincar com os meninos, tinha uns espertinhos que viviam me passando a mão, pegando nos meus peitinhos quando estávamos tomando banho no rio, mas nunca deixei passar disso, eu tinha muito medo do meu pai, um sujeito grande, mulato, forte e bravo, fazíamos de tudo para não apanhar dele, pois a surra era muito dolorida.

MEU PAI COMENDO A MINHA MÃE

Dormíamos todos no mesmo quarto, nosso quarto era muito apertado, meus pais na cama de casal e eu e meu irmão em um beliche, ele em cima e eu na parte de baixo. O quarto ficava escuro, mas a luz da cozinha ficava acesa, em uma noite muito quente, não me lembro à hora, mas já era de madrugada, escutei alguns gemidos, abri meus olhos lentamente e percebi meu pai comendo a minha mãe, minha mãe por baixo e meu pai por cima, estavam fodendo em um “papai e mamãe”, meio assustada continuei olhando, eu estava a um metro deles, podia ver tudo e sentir até a respiração deles, percebi que meu pai era muito viril apesar de ter uns 44 anos, comecei a sentir um calor e minha bucetinha começou a piscar, mesmo sabendo que era errado, acabei ficando excitada com a cena de meus pais fodendo. Coloquei minha mão por de baixo da minha calcinha e comecei a me masturbar escutando os gemidos de meus pais, como o quarto era muito apertado dava para sentir até o cheiro de sexo, não demorou muito meu pai gozou mamando nos seios de minha mãe, ele se levantou eu me assustei, fechei os meus olhos e não pude ver o tamanho de seu pau, ele ficou de costas para mim e tirou à camisinha, minha mãe se limpou com uma toalha e em fim foram dormir. Como eu tinha ficado muito excitada e continuava com meus dedos na minha bucetinha, continuei a me masturbar lentamente, para que meus pais não percebessem o que eu estava fazendo, então depois de alguns minutos tive o meu primeiro gozo, foi a sensação mais gostosa que tive na minha vida até então, nunca tinha sentindo nada igual, pena que não pude gritar e desabafar tudo que estava sentindo naquele momento.

A NOITE EM QUE FUI DESCOBERTA

Depois da primeira vez que vi meus pais trepando, todas as noite ficava acordada para ver se acontecia algo, não era sempre que eles trepavam, as vezes 2 ou 3 vezes por semana no máximo, eu lógico me viciei em observar os meus pais trepando, eu não sei se meu irmão também observava, mas é bem provável que sim, todas as noites em que eles trepavam eu me masturbava, foi assim que comecei a conhecer o sexo propriamente dito. Em uma noite, lembro- me que chovia muito, meu pai estava comendo minha mãe de quatro, ela estava debruçada com o rosto no travesseiro com a bunda empinada e meu pai socava nela sem dó, ela se segurava para não fazer barulhos, como a casa estava toda fechada por causa da chuva, era verão estava muito abafado, meu pai suava muito, seu corpo até brilhava com a pouca luz que entrava no quarto, fazia uns 30 minutos que eu já estava observando o meu pai e minha mãe fazendo sexo e me masturbando ao mesmo tempo, quando levanto os meus olhos em direção ao rosto do meu pai, ele estava olhando para mim e sorrindo, eu fechei os meus olhos e fingi que estava dormindo, mas tinha a certeza que ele tinha me descoberto, ele continuou e quando gozou foi tão intenso que desta vez ele não se segurou e gemeu alto, acho que a certeza que ele tinha que eu estava vendo tudo aquilo o deixou cego de tezão

MEU PAI VIROU UM TARADO

Passando aquela noite, meu pai não me disse nada, nem tocou no assunto comigo e isto me dava vergonha e medo dele ao mesmo tempo, mas ele começou a me tratar com mais carinho, com a desculpa que o quarto estava apertado de mais e de que meu irmão já estava grandinho, ele desmontou o beliche e montou a cama do meu irmão na cozinha. A partir daí eu meu pai e minha mãe dormíamos no quarto trancados e meu irmão na cozinha, e com a desculpa que quando precisássemos se levantar para fazer algo, ele mesmo construiu um abajur, ele passou a comer a minha mãe todos os dias e ficava olhando para mim, eu fingia estar dormindo, mas ele passou a gemer mais alto no quarto, isto me excitava muito e eu acabava olhando, minha mãe pedia para ele ter calma, pois tinha medo que eu acordasse, mas ele não dava ouvidos a ela, até mesmo por que ele sabia que eu estava acordada, foram vários meses assim, ele nunca mexeu comigo, acho que se excitava só de saber que eu estava observando ele todas as noites rasgando a buceta da mamãe. Teve uma noite que ele estava muito excitado e fodia a mamãe com vontade, eu ali fingindo que estava dormindo, mas observando tudo, percebi quando ele pegou um vidrinho daqueles condicionadores que se usava muito na época o neutrox, aquele amarelinho, ele colocou ela de quatro cochichou no seu ouvido, ela então resmungou, disse a ele que iria doer, ele a mandou calar a boca, ajeitou o abajur mais perto dele, foi ai que percebi o tamanho da jeba que ele tinha, uma vara cabeçuda, grande e grossa, Por isso mamãe resmungou, meu pai estava prestes a enfiar aquela anaconda no cuzinho da mamãe, que pelo jeito era virgem, pois ela repetia a toda hora que iria doer. Com a iluminação mais perto dele, acho que ele queria que eu visse aquela tora, lambuzou todo o seu mastro com o tal de neutrox, e foi se dirigindo para o cuzinho da minha mãe, quando começou a entrar ela já chorava e pedia para ele parar, ele só a mandava calar a boca, foi quando minha mãe não agüentou, e arriou as penas, ficou deitada de bruços e meu pais socando sem dó aquela tora no cuzinho da minha mãe que chorava e pedia para ele parar, foram vários minutos assim até que ele gozou gemendo e olhando para mim, que continuava ali, fingindo que estava dormindo, mas muito excitada e me masturbando por debaixo da coberta. Vi quando ele puxou aquela coisa para fora do cuzinho da mamãe, parecia que não acabaria mais de sair de dentro da minha mãe de tão grande que era, naquela noite eu gozei intensamente feito uma putinha.

Espero que gostem da minha apresentação, Bjinhosssss da Naty !

1.Titio Tirou o Meu Cabacinho
2.Papai Me Comeu Grávida
3.Putinha do Papai
4.Paguei o Aluguel, Com o Meu Cuzinho Virgem
5.Iniciei Meu Irmão Com Uma Punhetinha
6.Chorei, Mas Aguentei Tudo