Acampamento do Prazer

Click to this video!

Quando eu era adolescente gostava de acampar com alguns amigos e vizinhos meus. eram todos um pouco mais velhos que eu (eu tinha 13 anos e eles de 14 a 16), eu, diga-se de passagem era muito inexperiente. eles sabendo da minha inexperiencia gostavam de me sacanear, nos acampamentos me davam sempre as tarefas tidas na epoca como femininas, como cozinhar, lavar e arrumar as coisas que eles bagunçavam. A noite na barraca sempre alguem me encoxava e eu pedia que parassem com essas brincadeiras.
Diga-se que eu dava motivos para essas brincadeiras, pois desde a saida da infancia eu sempre fui um admirador de pica, gostava de ficar olhando a pica dos amiguinhos e comparando umas com as outras, eu gostava de todas mas tinha algumas que eu achava muito lindas. Vem dessa epoca meu apelido de manja rola.
Numa oportunidade estava pescando com um amigo chamado toninho e outro chamado pedro. eram um o oposto do outro, pedro mulato, calado, muito educado e toninho falastrao, grosseiro, maleducado. toninho tirou a pica para fazer xixi no rio e eu como de costume fiquei olhando discretamente, ele percebeu virou a pica para meu lado e ficou exibindo para mim, a pica dele era grande grossa e com uma cabeça enorme, era muito enrugada e nao era das mais bonitas. começou a balançar em minha direçao e a falar ja imaginou uma dessas no seu cú. eu e pedro pedimos que ele parasse com aquilo.
Apesar dessas brincadeiras eu gostava de acampar com eles e todos eram muito divertidos.
Numa oportunidade pedro, toninho, meu primo valter, marcos e julião me convidaram para acampar e pescar em um local deserto na serra nao muito distante da cidade onde moravamos que é uma capital do sul do brasil, na beira de um rio de pedras em um lugar muito bonito.
Desde que pegamos o onibus que nos levaria ate proximo ao local do acampamento, percebi que todos estavam diferentes me olhavam de um jeito estranho, estavam mais atenciosos e dedicando muita atençao para mim. Não estavam com as sacanagens de costume, os assuntos eram serios e todos de conotação sexual. nem toninho estava passando dos limites, mas todos pareciam me comer com os olhos, eu gostava da atenção mas me sentia incomodado com os assuntos. conversavam numa boa mas ficavam perguntando sobre meu interesse pelas picas, se eu gostava realmente, se gostava só de olhar e se nao queria experimentar uma. chegamos no local do acampamento e o clima estava realmente quente todos me assediavam e eu me sentia acuado. as perguntas sobre sexo eram diretas e eu tentava desconversar. ninguem arrumou nada nem armaram barraca, nada. ficaram todos em volta de mim me assediando. eu me sentia incomodado, com um frio na barriga e ja nao tinha mais forças para negar as insinuaçoes deles de que eu era gay. eu nao sabia ao certo se era ou não. só tinha certeza que adimirava picas. eu estava sentado em uma cadeira dessas de acampamento e os os cinco em volta de mim, ate que toninho perdeu a paciencia ficou em pe bem na minha frente baixou as calças e ficou balançando aquela piroca enorme que eu ja conhecia de vista, a poucos centimetros do meu rosto. falou para mim assim:
– vc gosta disso?
eu balancei neativamente a cabeça. mas ele insistiu:
– se vc vc nao gosta de pica vc gosta de buceta. voce gosta de buceta?
eu ja sem forças forças, balancei negativamente a cabeça. na verdade ate entao eu nunca tinha tido o menor interesse por meninas e aquilo que elas carregam no meio das pernas.ele continou:
– entao se vc nao gosta de buceta vc gosta de pau ne? gosta ou nao gosta?
eu com a cabeça girando, as pernas bambas, um frio na barriga e com aquela pica a poucos centimetros do meu rosto admiti e balancei afirmativamente a cabeça dizendo:
– sim, gosto.
foi um alivio para mim, parecia ter tirado um peso da minhas costas. todos os machos ficaram animados e o assunto passou de assedio para cantadas todos queriam ser o primeiro a me foder. eu nao tinha forças para dizer nao para mais nada, toninho que ja estava com a pica para fora pegou na minha mao e me fez ficar punheteando ele enquanto os outros tambem ja se animavam para começar a festa comigo.
A pica dele ficou dura e ainda maior a cabeça era enorme ele tentou fazer eu chupa-lo mas eu nao conseguia engolir aquela cabeçorra. marcos entao me ofereceu a pica dele para chupar a pica dele era menor, mas mais bonita lisinha só com algumas veias bem saltadas, eu consegui abocanhar a pica dele e comecei a aprender a chupar uma pica. chupei bem gostoso e estava maravilhado com aquela vara durinha dentro da minha boca, alisava fazia carinho nela e tornava a engolir. beijava lambia e tornava a engolir. todos ficaram animados com minha atração pela pica do marcos começaram a me oferecer outras picas para chupar. eu fiquei cercados de picas e chupava uma enquanto punheteava duas. eu estava muito animado e feliz de estar cercado de picas, uma coisa que eu sempre gostei. uma pica me chamou mais a atenção era a do pedro, o mulato. a pica dele era negra, lisinha, fina o muito comprida quando eu comecei a chupar ele ela ficou durinha e fez uma curva para cima. era muito bonita eu me a´paixonei por ela. nao queria mais parar de chupar ele, mas os outros reclamaram e eu voltei a chupar os outros tambem. eu estava louco, tudo tinha mudado em poucos minutos minha cabeça latejava, eu sentia tontura, minhas pernas estavam moles, eu sentia como se tivesse uma pedra de gelo na barriga e minha pica estava melecada e durinha. eles perceberam e tiraram toda minha roupa, minha pica apesar de dura era muito pequena e na epoca eu tinha fimose que fazia ela parecer menor ainda. eles começaram a falar que com uma piroquinha daquele tamanho eu tinha que ser viado mesmo, porque nao ia satisfazer mulher nenhuma. eu nao liguei porque naquele momento eu é que estava interessado na pica deles. como todos queriam ser o primeiro a tirar meu cabaço, eu sugeri que eu deveria escolher (na verdade eu estava louco pela pica negra do pedro), eles desconfiaram e a maioria achou mais justo o sorteio e conforme fosse a ordem do sorteio seria a ordem da foda, todos teriam direito a pelo menos uma. juliao foi o felizardo, depois vieram o toninho, o marcos, valmor e como eu nunca dei sorte no jogo o ultimo foi o pedro. enquanto tudo isso acontecia eu ficava desfilando pelado rebolando entre os machos sendo encoxado, com as maos bobas apalpando meu traseiro, na epoca eu tinha uma bunda branquinha, durinha e gostosa. combinamos ajeitar tudo e armar a barraca pois ja estava escurecendo. combinei com juliao que foderiamos depois da janta, eu estava louquinho para sentir uma pica dentro de mim. eu preparei um miojo rapidamentee enquanto todos jantavam eu fui com juliao para dentro da barraca pedi que ele tambem ficasse pelado e ele atendeu, ele era moreno tinha o corpo peludo e era um pouco gordinho, a pica era de tamanho medio com a cabeça pequena e era toda enrugada. juliao me pediu que chupasse ele e eu atendi a pica nao demorou a endurecer ele me colocou de 4 e começou a passar saliva no meu rabo e na cabeça do caralho dele. ele tentava enfiar mas eu sentia muita dor e gritava, ele lembrou que toninho tinha trazizido uma tal de vaselina e foi buscar, ja estava escuro e eles demoraram para achar, eu fiquei aguardando ele voltar louco pra levar ferro. voltou com um potinho com um creme gorduroso passou no meu cu e na cabeça do cacete dele ele disse que com aquilo ia entrar gostoso. e entrou mesmo. ele ia enfiando e eu gemendo de dor e prazer. fiquei com a mao atras acompanhando o quanto havia entrado quando ele pos tudo fiquei cheio de prazer e orgulho de ter aguentado aquela pica todinha dentro de mim ele tirou e eu senti um alivio e achei que tinha terminado ele riu e me segurou na posição falando que agora é que ia começar. começou a bombar o pau no meu rabinho eu gritava de dor e prazer as bombadas foram se acelerando e ele começou a ficar ofegante, meu pauzinho estava durinho e eu estava a ponto de explodir de prazer. ele tirou a pica de dentro de mim e falou para terminar o serviço la fora. eu nao entendi mas ele me levou e me fez punhetea-lo ate gozar e depois falou que era para nao sujar a barraca.
O proximo seria toninho eu estava com um pouco de medo dos modos grosseiros dele e do tamanho da pica e especialmente daquela cabeçorra enorme, pedi para dar um tempo pois estava sentindo dor meu rabinho latejava e estava ardendo. ele achou frescura mas concordou a contragosto apos a intervenção dos outros machos que concordaram que era a primeira vez e eu devia estar com dores. combinei com ele que foderiamos na hora de dormir. a gente costumava jogar baralho mas naquela noite eu fiquei fazendo boquete neles e ninguem se interessou pelo baralho.
por volta das 10 horas toninho me levou para um local um pouco afastado da barraca para me comer eu insisti para fodermos na barraca mas ele queria naquele local. voltei para pegar a vaselina e um forro para o chao, pois tinha medo de aranha. alem disso achei que ia precisar de muita vaselina para aguentar aquilo que ele tinha no meio das pernas, ele nao aceitou ficar pelado para mim e abaixou as calças ate o joelho como havia feito mais cedo. me pos de 4 eu fiquei com muito medo e coloquei bastante vaselina no pau dele e no meu cu. nao chupei ele e fomos direto para o sexo a pica dele foi ficando dura conforme ele ia tentando enfiar no meu rabo. quando começou a entrar eu senti dores lancinantes a pica dele era muito grande e aquela cabeçona arrombando meu cuzinho quase virgem me dava arrepios ele foi enfiando tudo e eu gritava de dor e chorava muito. isso parceia aumentar o prazer dele que dava tapinhas no meu bum bum e falava que vida de viado nao é facil, mas que eu ia acostumar rapidinho. eu, apesar do prazer de ter uma pica daquele tamonho dentro de mim, sentia muitas dores e torcia para aquilo acabar rapido. e acabou mesmo. em seguida os movimentos se tornaram freneticos ele ficou ofegante e explodiu de gozo dentro de mim. gozou levantou as calças e foi embora. fiquei com as dores e o rabinho cheio de porra. fiquei de cocoras para sair toda aquela porra e me lavei no rio ali proximo. fiquei com dificuldades ate para andar e fiquei realmente arrombaado. por aquele dia estavam encerrados os trabalhos, eu só queria dormir e me recuperar para o dia seguinte que prometia ser arduo, teria que dar conta de marcos, meu primo valmor e meu preferido pedro.
na manhã seguinte acordei recuperado, todos tomaram cafe e enquanto eu lavava a louça todos se preparavam para pescar, menos marcos e, para minha surpresa, meu primo valmor. apos a saida dos outros eeles me propuseram uma foda a tres eu foderia com enquanto chuparia outro e depois trocaria. eu gostei da ideia e topei, marcos tinha uma pica muito gostosa e valter tinha uma pica pequena e eu achei que daria conta dos dois. começamos a foder do lado de fora da barraca, o local era isolado e ficariamos mais a vontade ao ar livre e com mais espaço, ja que seriamos tres, alem disso eu nao me importava se alguem me observasse trepando. eu estava muito excitado com a ideia de trepar com dois machos. os dois deitaram e eu comecei a chupar marcos e a bater punheta para valmor com a duas picas picas durinhas e troquei e chupei valmor e bati para marcos.em seguida marcos foi para tras de mim me colocou de 4 e sem que eu parasse chupar valmor começou a besuntar meu cú de vaselina, a pica dele entrou facil e gostoso ele era muito jeitoso e fazia com carinho a pica entrava suave enquanto eu chupava a outra pica, eu estava cheio de tesao em satisfazer dois machos ao mesmo tempo. eu nao gemia e engolia freneticamente a pica de valmor enquanto marcos começava o movimento de vai vem no meu rabo. valmor viu que alguem nos observava do outro lado do rio entre as arvores, observamos com mais atenção e vimos que eram dois moleques filhos de um coletor de palmito da regiao, conhecido nosso. nao nos importamos e continuamos a foda com plateia mesmo. isso me deu ainda mais tesao e eu estava completamente excitado. trocamos e valmor foi me foder enquanto eu fazia oral com marcos, valmor fodeu gostoso e ja estava ofegante a ponto de gozar eu pedi para ele gozar fora para nao lambuzar meu cu de porra ja que o marcos trepar mais um pouco. ele tirou e eu punheteei ele ate gozar. deitei marcos no chao e sentei sobre a pica dele com um movimento frenetico de vaivem ele e eu ja estavamos a ponto de gozar. valmor que estava proximo pediu para ele gozar fora pois queria mais, eu estava louco de tesao dor e prazer e aceitava tudo que eles quisessem. bati uma para marcos e para mim e gozamos quase juntos. valmor ja estava pronto novamente e fomos para o rio valmor sentou em uma pedra e eu com as pernas dentro do rio sentei sobre ele e comecei a rebolar na vara dele, estavamos bem proxiomos aos dois meninos e eu estava adorando me exibir para eles. enquanto isso marcos tambem se recuperava e ja estava dentro do rio com a pica dura novamente, eu me ajeitei para chupar a pica de valmor na pedra enquanto mercos veio por tras para me enrabar, nao passamos mais vaselina mais com as picas e rabo molhadinhos da agua do rio entrava gostoso. meu coraçao batia acelerado e eu tremia com a agua gelada do rio e de tesao tambem. marcos gozou novamente dessa vez dentro de mim, enquanto eu me esforçava para valmor gozar na minha boca, eu batia uma gostosa punheta e ao mesmo tempo chupava ele ate ele gozar, engoli toda a porra deliciosa dele e ficamos todos muito satisfeitos.
os machos ficaram muito satisfeitos com a minha performance sexual, na hora do almoço marcos valmor e juliao elogiaram meu desempenho e disseram que era um viadinho muito gostoso. eu fiquei feliz com os elogios mas naquela hora meus pensamentos estavam voltados para pedro por quem eu tinha um tesao especial.
apos o almoço eu pedi para pedro ficar comigo para treparmos mas ele falou que tinha que verificar uma rede que ele havia deixado armada. eu falei que ele nao me queria e ele explicou que nao era isso que ele queria fazer aquilo primeiro para depois podermos foder bem gostoso e sem pressa eu aceitei a explicaçao e falei que apos lavar a louça eu iria ate ele. estava muito calor e eu resolvi ir pelado mesmo, o lugar era quase deserto e certamente nao encontraria ninguem, peguei somente a vaselina pois queria trepar bem gostoso com ele.
quando cheguei la ele estava pescando e eu fiquei me oferecendo para ele. do outro lado do rio havia outro grupo de pescadores que ao me verem pelado ficaram gritando obcenidades para mim. eu nao me importei pois o rio era profundo e nao havia ponte nas proximidades. eu peguei pedro pela mao e pedi para ele parar de pescar ele aceitou e eu convidei ele para irmos trepar em um gramado nas proximidades, ele falou que nao se sentiria a vontade em trepar ali e sugeriu que fossemos para a barraca eu aceitei e ia andando na frente de rebolando para ver se ele se animava e me pegaria no caminho ou ao menos passava a mao no meu rabo ou enfiava o dedo no meu cuzinho. mas ele era diferente dos outros e seguia como se nada tivesse acontecendo.
chegamos na barraca e eu pedi que ele tirasse a roupa ele tirou eu fiquei ainda com mais tesao, o corpo de era mulato, magro, porem musculoso, quase sem pelos, com as coxas bem torneadas e uma pica maravilhosa entre elas. a pica dele era sem exagero a mais linda que eu ja havia visto, era negra da cabeça ate o talo, um pouco fina e muito comprida era simplesmente perfeita. eu cai de boca e comecei a fazer um boquete caprichado, me esforçava para fazer tudo para agradar ele, beijava, lambia, chupava ate o talo mesmo que isso fosse dificil por causa do comprimento, ele logo se animou e a pica ficou durinha e ainda mais linda quando endurecia ele fazia uma curva para cima coisa que eu nunca tinha visto. eu lambia e chupava os ovos dele coisa que ele adorava. a cabeça do pau dele latejava dentro da minha boca. completamente louco de tesao me posicionei de 4 e pedi que ele me fodesse olhei para tras e vi aquela pica deliciosa e curva apontando para o ceu. conduzi a pica dele ate a portinha do meu cu e falei que agora era por conta dele e que ele fizesse bem gostoso e pela primeira vez desde que haviamos saido do rio ele falou comigo. disse para eu ficar tranquilo que ele sempre fazia gostoso. passou vaselina com muito cuidado no meu rabinho e besuntou a cabeça do pau dele. começou a meter a pica dele era extremamente dura e eu parecia sentir a curvatura da pica dele dentro de mim ele enfiou tudo com muita calma e habilidade eu estava quase explodindo de prazer em sentir aquela vara todinha dentro de mim. começou em seguida o movimento de vaivem, fazia tudo com muita calma e sem pressa o movimentos começaram a se acelerar e eu precisava gozar estava com meu pauzinho duro e a ponto de explodir fui para fora da barraca e me masturbei. voltei em seguida e reiniciamos. eu queria ficar para sempre com aquela pica dentro de mim . ele sentou na barraca e me fez sentar sobre a vara dele ficava me erguendo e soltando e a pica foi entrando todinha, com a pica inteirinha la dentro começou a mexer meus quadris eu ficava tipo rebolando em cima dele. tirou novamente me colocou de lado levantou minha perna e começou a foder de ladinho ele dava estocadas espaçadas e firmes e eu ja estava a ponto de gozar novamente. me controlei. em seguida ele se deitou e me fez sentar sobre a pica dele me fazendo galopar aquele caralho maravilhoso. fiquei ainda cocoras uma posição maravilhosa em que eu podia ver a pica dele entrando e saindo de dentro de mim. estavamos trepando a quase uma hora e o macho nao dava sinal de querer gozar. sai para gozar novamente. na volta pedi para que ele gozasse logo pois ja estava grogue e fraco, ele riu e disse que ainda nem tinha começado a me foder, mas que faria minha vontade. me colocou novamente de 4 abaixando minha cabeça, abrindo bem minhas pernas e arrebitando bem minha bunda de maneira que o cuzinho ficasse bem exposto. ele recomeçou a bombar a piroca vigorosamente em movimentos cada vez mais rapidos eu achei que ele estava aponto de gozar mas ele permaneceu durante mais uns cinco minutos naquela movimentaçao frenetica cada vez mais rapido e eu pedindo para ele gozar para pois nao aguentava mais, mas no fundo querendo que ele continuasse, tirou a pica de mim e explodiu em gozo por toda a barraca tinha uma quantidade de porra muito grande. ao contrario dos outros apos gozar a piroca dele continuou entumecida e ele parecia pronto para prosseguir. percebendo minha duvida ele olhou para mim e disse que se eu tivesse disposição ele estaria pronto em dois minutos. eu pedi um tempo para me recuperar e sai em busca de panos para limpar a barraca toda esporreada. eu limpei a barraca enqunto pedro estava do lado de fora ainda na beira do rio e com a pica ainda meia bomba e protinha para entrar em açao, eu estava reaalmente cansado, exausto com muitas dores com o rabinho arregaçado, mas achei um desperdicio deixar aquele macho delicioso e prontinho para entrar em açao ali sozihnho, fui ate ele e disse que estava pronto para recomeçar, ele ficou surpreso mas não falou nada e levou minha mao ate a pica dele e recomecei a punhetea-lo só de encostar na vara dele ela ja começou a endurecer novamente com ele em pe na beira do rio comecei a chupa-lo, ele pareceu incomodado mas eu acalmei ele dizendo que o lugar era bem deserto e nao havia ninguem por ali. a pica ficou durinha novamente e eu me agarrava e chupava aquela pica igual uma criança chupa um pirulito. eu ficava chupando e olhando para cima para ele igual aquelas putas de filme de sacanagem, ele me olhava com carinho e empurrava minha cabeça em direçao ao cacete dele. eu ja estava me posicionando de 4 mas ele me ergueu me levou ate a cadeira me apoiou no com as maos no dorso da cadeira me curvou bem e me posicionou na pontainha dos pes, veio por tras e começou a estocar de baixo para cima e quando entrava tudo eu quase decolava do chao pois estava sem apoio. em seguida se sentou na cadeira e me fez sentar sobre a vara dele me pegando pelos quadris e me erguedo e me soltado sobre a pica dele que entrava todinha só com o peso do meu corpo. em seguida me colocou de frente para ele com as pernas abertas sobre ele e a cadeira, me fazendo rebolar sobre a piroca que ia entrando devagarinho, em cada posiçao ele ficava foedendo por cinco minutos ou mais eu estava exausto mas totalmente feliz sobre o comando dele. ele era realmente um mestre e eu aprendi muito mais com ele sozinho do que com todos os outros juntos. talvez com pena de mim e para finalizar ele me posicionou de 4 que sabia ser a posição mais confortavel para mim, ele ainda mandou mandou vara para dentro por mais uns dez minutos ate explodir em gozo dentro de mim, eu estava completamente extasiado e me prostei ali mesmo na grama com a bunda cheia de porra e sem forças nem para me limpar, ainda deitado an grama vi ele se vestir e sair para pescar eu estava explodindo de dor, cansaço e felicidade em ter conhecido um macho tao gostoso, juntei o restinho de forças que ainda tinha e fui para o rio me limpar e me refrescar ja que a agua gelada do rio parecia anestesiar um pouco a dor.
quando eles chegaram no final da tarde eu nem vi pois estava desmaiado na barraca, pedro se encarregu da janta para que eu pudesse descansar mais um pouco. eu acordei ainda muito cansado e dolorido mas o mesmo nao acontecia com os outros machos, juliao reclamou que so havia dado uma trepadinha ontem e que estava com vontade de foder de novo e como eu ja havia trepado com todos os outros a vez era novamente dele. toninho discordou e disse que queria meter tambem. valmor sugeriu uma suruba onde todos metessem um pouquinho, marcos e pedro naoo se interessaram e eu tbm me desinteressei pois eles eram os mais gostosos. aleguei cansaço e sugeri que na manha de domingo sorteassemos um para uma ultima foda. toninho, valmor e juliao encamparam a ideia da suruba e falaram que se os outros dois nao quisessem participar sobraria mais cu para eles. eu nao via saida e sugeri que fizemos a suruba na manha de domingo, eles nao aceitaram e queriam foder naquela noite, toninho falou que eu havia dormido a tarde toda e parte da moite, ja deveria estar bem descansadinha e que eu tava virando uma bicha preguiçosa. nao tendo mais argumentos acabei concordando imaginando uma foda rapidinha com os tres. fomos para a barraca e os tres tiraram as picas para fora e ofereceram para mim chupar e punhetear. chupava uma e ficava batendo punheta nas outras duas, pedi que pelo menos baixassem as calças pois o ziper e botao poderiam me machucar alem do que eu gostava de sentir a pele do macho roçando em mim, toninho disse que era frescura, o que importava era pica dura no meu rabo e eles iriam foder assim mesmo. valmor me posicionou d 4 enquanto eu chupava alternadamente a pica dos outros dois meteu um pouco e foi gozar la fora. em seguida veio toninho com aquela pica enorme trepou um pouquinho e tambem ja se satisfez. ficamos eu e juliao e ele pediu para fazer bem gostoso com ele porque ele estava com muita vontade. eu resolvi colocar em pratica os conhecimento adquiridos naqueles dias e pedi que ele ficasse pelado. deitei ele na barraca me sentei sobre a pica dele de frente para ele e apoiado nos ombros deles comecei a rebolar sobre a piroca dle, ele gostou e ficou excitado parei antes que ele gozasse. deitei de lado e levantei a perna fiz ele segurar a minha perna erguida pedi deitasse por tras para me foder de ladinho ele gostou e logo gozou dentro de mim. juliao ficou surpreso com meu rapido aprendizado e eu pesnsei que tinha tido um bom professor.
no domingo apesar da insistencia nao trepei com ninguem eu queria com pedro mas ele nao mostrou interesse. tivemos uma conversa sobre os proximos acampamentos o grupo nao poderia crescer muito e deveria ficar restrito a nós seis, marcos lembrou que gerson sempre participava e so nao havia ido ido naquele final de semana porque tinha outros compromissos. aceitamos a entrada de gersom e eu levantei a questao da falta de consideraçao por mim por parte alguns participantes toninho ja se ofendeu pois sabia que era com ele e falou que se era pra ficar de frescura ele tava fora. eu fiquei feliz e concordamos em substituir ele pelo gerson. juliao lembrou que beto era um outro participante ocasional das pescarias e gostava muoito de mim e iria querer participar tambem. eu tambem gostava muito dele e aceitamos tambem a entrada dele. pedi tbm que todos fossem discretos e nao comentassem nada com ninguem de fora do grupo, e todos aceitaram eu sabia que nesse ponto nao poderia confiar muito neles, tambem combinamos que so teria sexo nos acampamentos e que eu nao foderia com ninguem na cidade. esse ponto quem nao pretendia cumprir era eu que estava muito a fim de dar para o pedro na hora em que ele quisesse me comer.