A Patricinha e o Porteiro – Parte 3

Click to this video!

Depois dos episodios ocorridos anteriores (Pra quem não leu, clique aqui e leia a Parte 1 e Parte 2), o tarado do Josias ficou de passar aqui em casa pra “terminar o que tinha começado”… Ele não veio no dia seguinte como havia falado, mas não demorou mt pra aparecer…

Numa tarde qualquer, durante uma semana corrida, havia voltado da faculdade, inicinho da tarde, estava sozinha em casa vendo TV quase dormindo quando tocou o interfone… Fui até a cozinha e atendi, pra meu espanto, espanto mesmo, deu todo um frio na espinha, quando escutei a voz daquele porteiro aproveitador, perguntando se tava tudo bem comigo, falando que sabia que meus pais estavam trabalhando, logo eu estaria sozinha em casa, e já foi determinando que ia passar aqui em casa pra “conversar” comigo, me pedindo pra espera-lo com uma roupinha bonitinha.

Eu me desesperei, pensei em fugir, pensei em nao abrir a porta, mas fiquei com tanto medo de fazer qualquer coisa e acabei não fazendo nada… A verdade é que eu sabia que podia fugir um dia ou dois, mas uma hora não teria mais jeito… Não deu mt tempo pra pensar em nada, a campainha já foi tocando… Era ele… FUDEU!

Abri a porta, assustada, com a roupa que eu estava mesmo, nem tive tempo ou pensei em me trocar… Estava de shortinho jeans e blusinha branca, básica, de ficar em casa mesmo, descalça, despenteada, enfim, tava em casa po, tava avontade… Abri a porta e o Josias já estava com um sorrisao safado no rosto “Oi minha loira, posso entrar?” Nem falei nada, só fiz um gesto pra ele entrar e fui fechando a porta.

Josias veio me abraçando e já metendo a mão na minha bunda… “Gostei do seu shortinho, mas acho que você vai ficar melhor sem ele… tira pra mim tira, quero te ver só de calcinha…”. Fiquei sem graça e me fazendo de sonsa, fingi que não escutei o que ele falou e fui levando o meu hospede até a sala e pedindo pra ele sentar no sofa. Perguntei se ele queria beber algo, Josias foi curto e grosso na sua resopsta, “Quero sim! Traz um suquinho pra mim, mas antes tira a PORRA desse shortinho tira… quero ver esse seu rabo gostoso!”

Fiquei timida, parada um tempo de frente pra ele, mas atendi o pedido e fui desabotoando o meu shortinho, ficando so de calcinha e blusa parada de frente praquele cachorro. Josias me olhava com cara de tarado babão e me pediu pra virar, queria ver a minha bunda… Virei, ficando de costas pra ele, não tinha coragem nem de olhar pra tras pra ver a reaçao daquele safado, minhas calcinhas são todas pequenas e só uso enfiada na bunda, então imaginava bem a visão que ele estava tendo naquele momento…

Fiquei parada um pouquinho, de costas pra ele, ate resolver virar o rosto pra ver se já podia ir buscar o suco. Ao olhar pro Josias, ele suspirava com a mão no pau, por cima das calças… “Meu deus menina, que rabo! A calcinha até some no meio de tanta bunda…. Pode ir pegar o meu suco, mas vai de vagar pq eu quero ver essa bundinha rebolando pelo caminho…”

Assim fui, em direção da cozinha buscar algo na geladeira pra ele beber, e sim, fui rebolando pelo caminho como ele havia me pedido… Ao voltar com o suco, dei de cara com o Josias sentado no sofa já com o pau na mão! Dei uma travada, parando no meio do caminho, mas logo voltei a andar em sua direçao entregando o copo pra ele. Josias pegou o suco e me pediu pra sentar ao seu lado. Fiquei sentadinha junto do meu negão, seu pau duro em pe chegava a brilhar chamando atençao… Com uma das mãos, ele segurava o copo bebendo, a outra já estava nas minhas coxas…

Era uma cena inusitada que eu jamais imaginaria passar, sentadinha no sofa da minha propria sala, aninhada e sendo bolinada por um negrão tarado e de mãos assanhadas…

Nós dois ali sentadinhos, como um casal de namorados, eu de calcinha, já abrindo as pernas e tendo as minhas coxas exploradas, e ele como um polvo e seus mil tentaculos, me apertava toda ao mesmo tempo em que dava um gole demorado no seu refresco… Só me deixando mais nervosa ainda com aquele cilma todo…

Passado isso ele virou pra mim e foi direto:

– Vai se comportar direitinho hoje loirinha? Eu não quero fazer nada forçado, mas prometo que depois de hoje eu largo do seu pe… td bem?

Eu olhava pra ele com largimas de medo nos olhos e só balancei a cabeça fazendo que sim… Josias sorriu e foi empurrando a minha cabeça em direçao da sua pica… “Isso nenem… Entao mama gostoso o meu pau, sua putinha!” Me debrucei sobre o seu colo e chupei aquela rola preta do mesmo jeito que já havia chupado antes, e que pra vocês eu assumo, já estava adorando chupar um caralho preto!

Debruçadinha do jeito que eu estava, me concentrava naquela pica chupando com gosto, mas ao mesmo tempo, por causa da posiçao, minha bunda ficava empinada e desprotegida, o que nao demorou muito pra receber a mãozona safada do Josias apertando a minha traseira… Nem esbocei nenhuma reação, continuei chupando o pau dele, enquanto ele apertava a minha bunda e me xingava como um cachorro louco:

– Tu gosta de chupar uma rola né, sua piranha… To ficando mal acostumado com os seus boquetes…

Mas não fiquei muito saboreando o meu pirulitão de chocolate…. Josias me segurou puxado a minha cabeça pra cima, me fazendo parar de mamar o seu pau, ele não queria gozar… AINDA…

– Fernandinha, vc falou que ia se comportar hoje… Então eu quero ver se vai mesmo… Hoje não to afim de ficar só no boquete não, to afim de provar um pouco dessa sua bucetinha de princesa…

Eu sabia bem que era isso que ele queria… Sabia que não ia ter jeito de escapar, mas mesmo assim meu instinto natural era de tentar convence-lo do contrario. Fiquei encarando aquele tarado tentando pensar em algo que pudesse faze-lo desistir da ideia, mas nem tive tempo de falar nada e o meu negão safado já foi me cortando:

– Loirinha, é só hoje! É só uma vez, e ai vc se livra de mim… É isso ou o seu pai vai ter q ver aquele video e descobrir a filhinha boqueteira q ele tem…

A essa altura eu nem me lembrava mais de video nenhum… Acho que no fundo nunca achei que ele fosse realmente vazar esse video… Eu fazia pelo medo, pela passividade, pela falta de reação… Tinha alguma coisa no Josias que me deixava fora de sintonia, mansinha, obediente… O que na ocasião eu ainda não sabia, mas hoje já aprendi, é que na verdade, havia conhecido ali o meu primeiro dominador, com o seu jeito firme e imponente, me despertava um medo e submissão, me deixando presa psicologicamente, ou em outras palavras, uma putinha obediente!

Eu engoli o choro, meu pai ver aqueele video era a pior das opçoes que eu teria… não sabia o que fazer e fiquei paradinha deixando aquele preto filho da puta me deitar no sofa de barriguinha pra cima, se posicionando entre as minhas pernas e puxando a minha calcinha em sua direção.

Fechei os meus olhinhos, era é isso que eu podia fazer… Me limitava a ficar paradinha de olhos fechados como se nada estivesse acontecendo. Josias tirou a minha calcinha e ficou um tempo admiriando a minha xotinha… “Que delicia! Rosinha, raspadinha… Bucetinha de princesa…” O safado não perdeu muito tempo e já foi enfiando a cara na minha xaninha! Acho que ele nunca tinha visto algo assim na frente dele antes…

Ele cheirava, lambia, enfiava o dedo… Era como dar um file mignon para um cachorro vira latas! Era praticamemnte uma passagem pra Disney, ele estava se esbaldando ali! E o pior (ou melhor) é que eu estava gostando daquilo…

– Porra, que coisinha gostosa… Bucetinha de ninfeta mesmo, apertadinha!

Ok, tudo bem que eu já tinha chupado um monte de rola, mas a minha xotinha só tinha dado pra 3 até aquele dia… Era natural que ela ainda fosse (e ainda é! rs) mais do que apertadinha hehehe

Josias foi se posiconando por cima de mim, ja levantando a minha blusa e caindo de cara nos meus peitos. Eu ainda de olhos fechados nem via nada do que acontecia, só escutava, respirava, sentia toda a farra que aquele preto estava fazendo no meu corpo. Se ao fechar os meus olhos me privei da visão, todos os meus outros sentidos construiam a cena na minha cabeça…

Ja sentia a respiraçao do porteiro na minha cara, senti uns beijinhos na buchecha que me fez virar o rosto por instinto. Josias segurou o meu rosto, me apertando pelas buchechas, me fazendo ficar com a boquinha aberta, temi por um beijo na boca, mas ele não o fez. Nessa hora ate abri os meus olhos pra ver o que estava acontecendo… O tarado só me olhava, olhos nos olhos, com cara de conquista… Com a sua outra mão foi pincelando a cabecinha do pau na entrada da minha xaninha:

– Adoro essa sua carinha de assustada! Nem parece a mesma patricinha metida que passava pela portaria com o narizinho em pé e arzinho de fodona… Agora aguenta, que eu vou te comer todinha sua ninfeta gostosa!!

Dito essas palavras, Josias não perdeu mais tempo e foi metendo pica a dentro na minha xota, sem muitas frescuras. No inicio até veio com calma, mas não demoraram muitas pirocadas pra ele começar a se soltar e me comer com mais vontade!

Eu estava deitada no sofa, barriga pra cima, as pernas em volta da cintura do josias, meu cabelo esparramado por todos os lados, e aquele negro tarado por cima de mim me fudendo como se eu fosse uma putinha qualquer…

– Caralho loirinha, que bucetinha apertada!!! Ta gostando da minha vara preta, ta? Quero ver você gozando na piroca do negão!

Eu nao falava nada, só olhava pro nada e esperava ele acabar com aquilo e tentando não demostrar que estava gostando…

Não vou fantasiar aqui que estava adorando e gozei horrores. Não, nao foi isso! Mas também não era degradante… Porra, aquilo era sexo, e por mais que não estivesse no clima, sexo sempre é bom! Podia não ser o cara dos meus sonhos, mas só o fato de ser bem diferente dos namoradinhos, já despertava um tesão a mais pela novidade. Eu já soltava os meus primeiros gemidos e involuntariamente levei a minha mãozinha à minha buceta, pra me estimular um pouquinho também…

A pegada dele, o jeito que me olhava, o jeito que me xingava, nunca tinha experimentado algo assim antes! Sempre havia sido mimada e tratada com mil paparicos até na hora do sexo. Era algo novo que eu estava experimentando e não estava achando ruim. Era um nó na minha cabecinha de Patty fresquinha… Sem contar aquele pauzão dele… Que rola! Podia não ser um cacetão de filme porno, mas com certeza era maior do que qualquer namoradinho meu.

O contraste da nossa pele era gritante! Eu toda branquinha simplismente não combinava com aquele negrão enorme por cima de mim… Aquele caralho grande estufava toda a minha bucetinha cor de rosa! E me fodia muuuuuuuuuito gostoso!

Ficamos assim por um tempo até ele começar a gemer e bufar como um louco, metendo forte, me dando uns trancos e sem parar de me xingar…

– Sua piranhazinha! Fala que eu to te comendo, anda! Fala que você é a minha putinha loira!

A essa altura, com a força das bombadas que ele me dava, ate eu já gemia desavergonhadamente, dando os meus gritinhos desesperada a cada pirocada que levava… Mas ele fez um pedido, ou melhor uma ordem, e precisava ser atendido…

Juntei o pouco de ar que consegui respirar e falei o que ele me mandou… “Me come seu tarado… Sou a sua putinha loira… Come a minha bucetinha e goza gostoso pra mim!!”

Pornto, se ele ainda não tinha perdido a cabeça, agora sim ele endoidou de vez… Gritando e me xingando, meu macho preto socava com raiva caindo por cima de mim, nem me olhava mais, ele estava perdido, eu estava perdida, não sabiamos aonde estavamos, só sabiamos o que fazer, METER, e muito!!

Como um cachorro no cio, bombou forte por mais alguns segundos, até não aguentar mais e começar a gozar, grunindo e caindo por cima de mim… Como ele é alto, tem o dobro do meu tamanho, eu quase sumia esmagada embaixo daquele preto tarado… Mas tinha acabado, ou pelo menos assim eu pensei…

Ainda ofegante buscando ar pra falar, Josias, já ao meu lado, passava a mão no meu rosto e nos meus seios, falando o que eu não queria escutar…

– Fernandinha… E essa bunda ai…? Vai me dar ou não vai…?

Porra, o cara não tinha gozado nem há 3 minutos e já tava pensando na minha bunda? PQP!!!

Eu nao tinha o que falar, nem se eu quisesse… Não tinha folego, não tinha energias, não tinha reação… Alias tinha sim, reação de panico! Todo o pouco de satisfaçao e prazer que tivera com a foda recem acabada, sumiu em segundos… Minha respiraçao forte simplesmente parou, alias nem respirar eu respirei mais! Fiquei branca, mais do que eu já sou, mas nao tinha jeito, aquele FDP tarado só ia sossegar depois que comesse o meu rabo, e eu sabia disso…

Maaaaaaaaaaaaaassssssssssssssssss, isso fica pro proximo conto…

Espero que tenham gostado tando quanto eu, e que comentem na PORRA DA CAIXINHA DE COMENTÁRIOS, o que acharam, o que gostaram, o que NÃO gostaram, e qualquer coisa tarada e deliciosamente devassa que queiram me falar…

um beijo

[email protected]