Meu pai me comeu quando tinha 11 anos!

Click to this video!

Olá para todos!
Não vou dizer meu nome verdadeiro, mas podem me chamar de Vê. Atualmente tenho 26 anos e vou contar um pouco da história da minha vida. Minha mãe faleceu dando a luz a mim, sei que hoje em dia é difícil alguém morrer no parto mas eramos de um lugarzinho rural, mais como se fosse um aglomerado de sítios de pessoas que se ajudavam, e minha mãe não me teve no hospital, mas na casa de uma parteira perto do nosso sítio.
Meu pai teve a ajuda dos meus tios para me criar, moravam eu, meu pai, minha tia e meu tio, e estes dois eram casados. Na minha infância eu raramente brincava, ficava mais ajudando nas tarefas de casa, pois acreditem em mim que trabalhar em sítio é cansativo e sempre tem coisa pra fazer.
Viviamos mais do leite que vendíamos pro caminhão que passava todo o dia pelos sítios recolhendo os leites. Minha tia havia nascido na cidade grande, só mudou para o sítio pois se casou com meu tio, então ela além de me ensinar o que tinha que fazer para ajudar, nas horas vagas me ensinou a ler e escrever e um pouco de tudo, mas confesso que matemática nunca fui boa, rs. Eu dormi no quarto dos meus pais até os 5 ou 6 anos, dormia no colchãozinho que colocavam no chão, e em algumas noites lembro que acordava de madrugada e via o lençol da cama dos meus pais se movimentarem bem rápido e minha mãe gemendo forte, que pra mim era mais um grito, lembro que na primeira vez que vi isso chorei muito pois pensei que minha mãe tava sendo atacada, mas logo o lençol parou de se mexer e meu pai sai do lençol com uma coisa gigante no meio das pernas falando que a mamãe tava bem que eles só estavam brincando. Depois desse acontecimento quando eu acordava com minha mãe gemendo alto eu ficava deitadinha no meu colchão esperando os dois pararem de brincar pra eu dormir.
Depois aos 6 quando estava no meu quarto percebi que meus tios brincavam da mesma coisa, pois meu quarto era do lado dos meus tios, e eu ouvia minha tia gemer muito. Sempre fiquei curiosa mas nunca perguntei nada sobre isso. Aos 8 ou 9, quando minha mãe já havia falecido, lembro que estava o meu quarto lendo um livro pela milésima vez (tinhamos apenas uns 10 livros, todos da minha tia, e só 3 eram pra minha idade) quando ouço meus tios brincando e novo.
Só que dessa vez foi diferente, eu podia jurar que havia mais alguém lá, e realmente ouço a voz do meu pai no meio, diferentemente das outras vezes que minha tia gemia dessa vez eles era audível o que eles falavam. Diziam coisas sem sentido pra mim. Meu pai mandava minha tia rebolar, meu tio mandava minha tia chupar e minha tia só gemendo e dando gritinhos, dessa vez fiquei muito curiosa e não aguentei, tentei fazer o menor barulho possível e fui ver o que estava acontecendo no quarto dos meus tios, a porta estava fechada, olhei pelo buraco da fechadura, me assustei com o que vi, todos os três estavam pelados, minha tia era bonita, morena com os seios bonitos e fartos com o bico do peito grossinho, não era magra nem gorda, tinha um corpo normal para seus 30 anos mais ou menos, cabelos encaracolados grandes e volumosos e xana com poucos pelos, já meu tio e meu pai eram irmãos e praticamente iguais, eram altos, pelo menos mais altos que minha tia, só que meu pai era um pouquinhos mais alto, meu pai deveria ter uns 35 e meu tio é dois anos mais velho uns corpos bem fortes devido ao trabalho puxado do sítio, tinham pelos nas pernas, braços, peito, e do peito ao umbigo os pelos iam fazendo um caminho se afunilando, e do umbigo a virilha tinha um caminhozinho, e na virilha tinham bastante pelos. Seus cabelos eram pretos porém lisos, mas eram bem curtinhos, mas meu pai tinha mais volume no cabelo que meu tio. Os dois pelados com duas coisas enormes para fora, e eram quase do mesmo tamanho e grossura.
Minha tia estava de quatro e tentava engolir o negócio do meu tio enquanto meu pai colocava aquilo lá dentro dela, na mesma hora fiquei boba com a cena, nunca imaginei pra que servia aqueles negócios que os machos tinham. Apesar de boba com a cena nem fiquei pra ver muito, logo fui pra meu quarto para que não me pegassem. Confesso que apesar da minha pouca idade senti algo coçando dentro de mim vendo aqueles dois machos com minha tia. Depois desse evento percebi que raramente meus tios brincavam sozinhos, agora sempre meu pai tava no meio brincando com eles. Percebia que até mesmo os três se olhavam com olhares diferentes, um rindo pro outro, e minha tia nunca esteve tão feliz.
Lá pros 11 anos minha tia ficou grávida e eles resolveram ir pra cidade, eu estava muito triste pois adorava ficar com minha tia, mas não teve jeito e eles partiram, ficando só eu e papai. Depois dos meus tios se mudarem papai também ficou mais triste, mas começou a se apegar muito em mim, me abraçava forte, me beijava sempre, ele trabalhava muito mais agora e eu também, então só nos viamos mais de noite e na hora do almoço. Teve um dia que papai não estava muito bem, ele nunca tinha ficado doente, mas desta vez ele estava com uma gripe horrível que o deixou de cama, eu cuidei muito bem dele, minha tia havia me ensinado qual comida era boa pra curar gripe. Papai dormia muito e eu acordava pra ele comer, até que no segundo dia papai tinha se descoberto com o lençol e revelou aquele negócio dele. Nas duas veses que tinha visto papai pelado ele estava duro, mas mesmo mole seu pau era grosso e grande, eu fiquei meio sem graça, mas eu fiquei adimirando aquela visão, acordei papai pra comer a sopa que tinha feito, ele na hora percebeu que estava descoberto e se cobriu.
Não demorou muito para papai começar a se esfregar mais em mim, acho que ele estava com saudades de brincar com minha tia. Certo dia, aos 11 anos mesmo, eu estava no meu quarto tentando dormir e ouço meu pai abrindo a porta do meu quarto, ele chaou meu nome mas não respondi, fingi que dormia, eu estava de camisolinha até as coxas com calcinha coberta com lençol, senti sua mão no meu pé, senti um arrepio na hora e logo ela começou a subir, atravessando minhas canelas, joelho até chegar na minha coxa, eu já estava com um arrepio que nunca havia sentido, eu era magrinha na época, pele morena-clara, cabelos longos, lisos e negros e com o corpo querendo desenvolver. A mão do meu pai era áspero de tanto trabalhar no sítio, mas era o suficiente para me fazer enlouquecer por dentro, logo ele toca minha xaninha por cima da calcinha, na época sem pelinhos, quando o dedo dele passa por cima do meu grelinho não aguento e dou um suspiro, revelando que eu estava acordada. Ele percebeu que eu estava acordada e aquele safado continuou passando a mão na minha xaninha. Comecei a ficar ofegante cada vez mais, ele percebendo começou a passar a mão mais forte e mais rápido, acabou que segurei a mão dele de tanto prazer que eu estava tendo. Ele então tirou minha calcinha fora toda, me deixando apenas de camisolinha, ele não aguentou e enfiou a cara na minha xaninha e logo senti sua língua molhada passando sobre todo meu grelinho, eu nunca havia sentido nada assim antes, involuntariamente eu apenas prensei minhas pernas em sua cabeça e a segurei forte de tanto prazer que sentia. Apesar da pouca idade ainda eu queria que ele brincasse comigo que nem eu vi com minha tia.
Ele ainda ficou me lambendo por uns 3 minutos, logo ele tirou a cabeça e começou a tirar a roupa, primeiro tirou aquela camiseta suada de tanto trabalhar, e logo tirou a bermuda pra fora junto com a cueca, seu corpo era bonito, todo peludo e com uma vara enorme, nunca medi, mas deveria ter uns 18 ou 19 cm e era grosso, logo que ele pulou pra cima de mim pude sentir que ele ainda tava todo suado, mas na hora nem me importei. Ele tirou minha camisola, meu corpo era magro e com seios querendo desenvolver ainda.
Meu pai praticamente se tornou outro tipo de pessoa, começou a alar coisas no meu ouvido que nunca pensei que ouviria, me chamando de putinha, falando que ele iria me arrombar e outras coisas que nem me lembro, confesso que fiquei um pouco assustada com o que ele me falava mas resolvi deixar levar. Então ele começa a me beijar na boca com todo seu peso em cima de mim, e eu sentindo sua rola no meu joelho, pois papai era bem maior que eu, logo meu pai fica de joelhos na cama e me pede para chupá-lo, como já tinha visto minha tia fazer eu já sabia como funcionava, então me abaixei e coloquei aquele monstro na boca, a princípio não gostei muito do sabor, pois meu pai tinha acabado de trabalhar, mas deixei levar pelo momento, ficava chupando apenas a cabeça dele, e meu pai segurando minha cabeça e falando coisas feias. Depois de um tempo meu pai pediu para tentar colocar o máximo que consegia, fui abocanhando até chegar perto da base mas não consegui tudo, no final meu pai me mandou ficar de quatro na cama, eu já imaginando fiquei logo de quatro, eu senti que ele deu um cuspe forte na minha xaninha, logo comecei a sentir a ponta de sua pica tentando entrar, mesmo estando molhadinha, quando metade da cabeça da pica dele estava praticamente dentro de mim senti uma dor imensa que me fez arrepender de estar fazendo aquilo com ele. Eu logo enclinei meu corpo pra frente dizendo pro meu pai não continuar que estava machucando, mas ao invés disso ele segurou minhas costas pra baixo com uma mão e com a outra segurava a vara tentando forçar. Não deu outra, quando a cabeça penetrou meu buraquinho eu senti uma dor que nunca tinha sentido na vida. Eu cheguei a gritar de dor da forma bruta que ele me penetrou, mas ele estava em transe, me ignorou por completo e continuou a tentar enfiar aquilo, eu já estava chorando sentindo umas gotas na minha coxa que só depois vi que era sangue do cabacinho até que sinto toda a virilha dele na minha bunda, ele acabara de penetrar seus 18 (ou 19) cm de pica todo em mim. Eu já nem estava mais chorando, estava deitada me sentindo toda arrombada, não demorou muito pra ele começar um vai e vem, foi quando eu comecei a sentir a dor de novo, depois de um mituno metendo e eu quase acostumando com a invasão
meu pai começa a bombar sua pica em na minha xaninha, indo bem rápido e forte. Ele dá a última estocada final e sinto sua vara me enchendo de um líquido diferente, papai tirou a rola da minha xana, vi que tinha sangue misturado com o gozo dele, e minha xana estava encharcada desse líquido. Papai me disse que eu seria a putinha dele já que não havia mais mulher em casa. Minha vida com papai foi ótima até ele falecer, eu estava já grávida com 18 anos, meus tios me acolheram, e vendemos o sítio. Hoje sou casada com um homem de 46 e tenho uma filhinha de 8 anos muito linda, como eu, mesmo que tive sexo nova, o sexo me fez amadurecer e no fundo foi bom pra mim, fico pensando se minha garotinha poderia experimentar um macho assim como eu experimentei desde nova.